A tal reforma ortográfica

reforma ortografica do portugues

A reforma ortográfica do português, assinada em 1990 pelos países lusófonos, entrou em vigor este ano.

Antes de qualquer coisa essa tal reforma é desnecessária. O português tem como uma de suas mais charmosas características a adaptabilidade. E não poderia ser diferente.

Povos tão maleáveis como os brasileiros, angolanos e cabo-verdianos nunca se encaixariam perfeitamente na rigidez da língua lusitana.

Aceitamos o português à chibatadas, mas não sem a indolência de modificá-lo, de transgredi-lo, de moldá-lo à nossa forma, ao nosso jeito. Assim como aceitamos os santos adorando os orixás.

O português se renova a cada dia, a cada letra na folha do papel ou na tela do computador. Nós, os verdadeiros falantes e viventes do português, não dependemos de reformas oficiais, não precisamos que burocratas engravatados decidam qual a nossa língua. Fazemos isto todos os dias, nas ruas e nos livros.

A verdadeira reforma ortográfica é aquela feita pelo invencionismo mágico de Manoel de Barros e Mário Quintana que transformam palavras e realidades com a naturalidade de uma planta.

É a reforma Leminskiana. Rebelde, revolucionária, que bota fogo nas estruturas gramaticais do além-mar. Ou a Drummoniana, que de beleza e delicadeza cria um novo mundo a cada verso.

Dentre outros interesses existe também o de podar o português. Cortar suas diferentes folhas, suas coloridas flores. Transformá-lo em um novo inglês; prático, chato e sem a menor graça.

Nossa língua, seja ela brasileira ou portuguesa, se destaca pela versatilidade e insubordinação. As nuances das exceções, os múltiplos significados de uma palavra minúscula, a rigidez de outras grandes. A irregularidade dos verbos, a sujeitabilidade dos predicados.

Loucuras, devaneios? Não, é só beleza mesmo. Uma beleza que querem podar, que querem nos tirar. Mas como já disse, não é nos gabinetes que nossa língua se modifica e se recria.

O português brasileiro se renova nas linhas exasperadas, quase sufocadas de Chico Buarque. No invencionismo fantástico de Guimarães Rosa, na imaginação sem limites de Lygia Bojunga. Nas entrelinhas de Clarice Lispector, na narrativa inesperada de Lya Luft e na lascívia ardente de João Ubaldo.

Assim como o português moçambicano renasce nas páginas de Mia Couto, o angolano com José Eduardo Agualusa e em Cabo Verde com João Vário, e tantos outros por esse mundo que fala português.

A verdadeira reforma ortográfica acontece nas páginas e nas vidas dos arquitetos e dos pedreiros da língua. A dos escritórios preferimos deixar para o homens de gravata e poder.

Anúncios

6 Respostas

  1. Nossa, tb adoro o Mia Couto, ele é tudo!
    Adorei o texto,
    bjs

  2. Essa reforma acontece essencialmente pra vender livros, gramáticas e dicionários… mais uma que a gente tem que agüentar, e é com trema!!!

  3. Tb acho que o interesse econômico pesa muito… sem dúvida…
    Abraços

  4. um pouco menos ativista, talvez pela alienaçao refente ao tema, é meu pensamento. acho sim que toda gramática necessita revisao. toda lingua é viva e em constante mutaçao, podendo-se até mesmo dizer que tem seu ciclo vital como o de todo ser vivo, nasce, cresce e morre. o que creio ser o deslize de tal ato é a intençao de unificaçao. justamente por representar a cultura de cada povo, ou melhor, cada naçao, é que a lingua se faz elemento cultural. o que ocorre é que nao há meio de obrigar as pessoas a falarem igual em lugares tao diferentes, com influências tao distintas. brasileiros nao falarao como portugueses, nem estes como angolanos. a reforma é sim necessária, nós já nao falamos a mesma lingua de Dom Pedro, nem do primeiro, nem do segundo, e acho importante q as gramáticas e dicioários espelhem a lingua vigente, mas a lingua local. isto signfica que a reforma brasileira, nao pode ser igual à caboverdiana, cada uma tem suas necessidades e diferenças.
    no mais, espero q ao menos o debate sirva como inspiraçao para o desenvolvimento da lingua e da leitura.
    abraços

  5. Fala Carnaval!
    Concordo com você,
    o que mais critico é essa idéia de unidade que na verdade nem existe…
    Abraços!

  6. […] nunca se encaixariam perfeitamente na rigidez da língua … Veja o post completo clicando aqui. Post indexado de: […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: