No, we can’t

obama-yes-we-can-verde_amareloO Brasil sagrou-se campeão da Copa das Confederações após vencer na final o Estados Unidos por 3 X 2. E de virada!

Antes de mais nada parabéns a este grupo – incluindo aí a comissão técnica encabeçada por Dunga –  tão criticado e que mantém sua vitoriosa trajetória de bons resultados e futebol pra lá de duvidoso.

Congratulações à parte queria levantar dois pontos:

O primeiro é a exacerbada euforia da imprensa oficial, leia-se Globo e seu filhote Sportv. Assistindo alguns programas da rede de comunicação global parecia que havíamos ganhado uma Copa do Mundo e só eu não sabia que já estávamos em 2010.

Coloquemos os pingos nos is, a Copa das Confederações é um torneio secundário de nível técnico bastante discutível. Nesta edição por exemplo, tínhamos 3 seleções do primeiro escalão do futebol mundial – Brasil, Itália e Espanha. Duas equipes que podemos colocar aí num terceiro escalão da bola – Egito e Estados Unidos. E 3 seleções que, se jogasem nosso brasileirão, suariam para se manter na terceira divisãoIraque, África do Sul e Nova Zelândia.

Mas o que mais me chamou a atenção na vitória brasileira na final da Copa das Confederações não foi a grande virada, nem o magnífico gol do Luís Fabiano, nem mesmo o ufanismo piegas da nossa mídia oficial. Foi o galáctico Kaká evocando Barack Obama.

Segundo conta a lenda do título, no intervalo – quando o Brasil perdia por 2 X 0Kaká motivou o grupo utilizando-se do slogan da campanha eleitoral do atual presidente estadounidense, o famoso e reptido Yes we can.

Duro é saber que a seleção brasileira de futebol precise recorrer a discursos motivacionais para vencer o Estados Unidos. A vitória contra a seleção estadounidense deveria ser óbvia, mais que natural.

Por isto Kaká, Dunga e todos os defensores da ideologia do resultado,

não, nós não podemos ser assim!

A seleção brasileira merece mais que somente os 3 pontos no final da partida.

zangado_7_anoes grumpy_7_dwarfsZangado ainda vive com a Branca de Neve, é apaixonado e viciado por futebol.

Tanto que se tiver que escolher entre jogar bonito ou ganhar, não hesita em escolher a primeira opção.

Como conhece Dunga intimamente, fruto de anos de convivência, é nosso colunista especial para Seleção Brasileira.

Imagens: Diabolim e Grumy Git

Inventando Soluções

Adilson_dias_Batista luzesAdílson Batista continua dando suas estocadas na imprensa mineira.

Ontem, após a vitória por 3 X 1 sobre o Grêmio pela semifinal da Libertadores, foi a vez do repórter global Josino Ribeiro receber seu afago.

Quando perguntado se poderia repetir a formação do Mineirão no jogo da volta em Porto Alegre, Adílson não hesitou e cheio de ironia respondeu:

Não sei, eu posso inventar. Eu gosto de inventar, né?

Sinceramente, eu gosto da acidez do treinador cruzeirense.

Talvez o pessoal de fora de Minas não saiba, mas no ano passado a imprensa esportiva mineira realizou uma verdadeira cruzada contra Adílson Batista.

Cientista maluco professor Pardal foram só alguns dos adjetivos repetitivamente utilizados por Itatiaia, Globo Minas, TV Alterosa, Diários Associados e companhia.

Adílson é um técnico moderno, que não se acomoda. Incansável e super trabalhador, está sempre buscando novas opções de jogo para sua equipe, novas possibilidades pra este esporte em constante mutação.

O que os respeitáveis órgãos de imprensa chamam de invencionice são estratégias armadas com a finalidade de surpreender e neutralizar os adversários. Assim o fez ontem, assim o fez nas quartas de final quando o Cruzeiro deu um verdadeiro chocolate no tri campeão brasileiro, o São Paulo.

Contra o Grêmio por exemplo, Adílson tinha um mundo de problemas. Ramires na seleção, Léo Fortunato, Thiago Ribeiro, Soares, Sorín, Fernandinho, Athirson, Gérson Magrão e  Fabrício machucados, sem falar em Thiago Heleno que jogou meia bomba, também contundido. Com certeza estou esquecendo algum desfalque, mas só estes aí bastam né?

Mas aí ninguém fala que ele teve que se virar e encontrar, ou seria inventar, uma solução.

Adílson é um excelente treinador, um dos melhores trabalhando no Brasil atualmente. Um cara que entende que hoje, pra se ter um time campeão,  é preciso ser  versátil, proporcionar variações táticas capazes de surpreender e confundir os adversários.

Mas mesmo assim tenho a certeza, assim como aposto que ele também, que na próxima derrota as comparações com o simpático personagem de Carl Barks voltarão.

Vida de treinador.

Imagem: Mensagens Virtuais

Maxi López X Barbie

Aproveitando a deixa do jogo de ontem, onde Maxi López foi o destaque negativo ao chamar Elicarlos de macaco, aí vai um Cara de Um Fucinho do Outro que já estava guardado há muito tempo.

maxi_lopez-barbie-doll-muñeca-boneca

E pra você, Máxi se parece mesmo com a quinquagenária boneca Barbie?

Sobre a acusação na partida de ontem, mais do que acreditar no Elicarlos, confio na indignada reação do meia Wágner que saiu em defesa do seu companheiro.

Wágner passava perto dos dois e de repente saiu como um louco pra cima do Maxi. E, como você pode ver no vídeo abaixo,  seus gestos foram bem nítidos

Ponto positivo pro meia cruzeirense e negativo para o atacante gremista que, além de se enrolar com a bola no pé mostrou que também não é nada bom da cabeça!

E antes que atirem pedras, Maxi López carrega o apelido de Barbie desde os tempos de River Plate, clube que o revelou para o futebol.

Imagens: Fashion Gazette e Goal Videoz

Dá-lhe Vuvuzelas

É, europeu é cheio de disse me disse mesmo… A gente faz qualquer coisinha e eles logo ficam incomodadinhos.

Joel Santana em defesa das criticadas Vuvuzelas, as cornetas sul africanas que tem um som parecido ao de uma abelha gigante e vêm irritando a imprensa internacional que cobre a Copa das Confederações na África do Sul.

vuvuzelas crianças

Imagem: East Coast Radio

Um estranho no ninho

muricy_ramalho-isso_aqui_é_trabalho_meu_filho

Após a derrota para o Cruzeiro e a eliminação na Libertadores, a diretoria do São Paulo resolveu demitir Muricy Ramalho. As poucas e abastadas vozes das numeradas do Morumbi pesaram mais que os gritos da arquibancada, do povão tricolor que que seguia ao lado do treinador.

Pra seu lugar escolheram Ricardo Gomes, técnico de finos tratos e poucos resultados.

Muricy não. É homem simples que não gosta de badalações. Não fala francês, não come caviar. Não bajula a cartolagem, assim como não frequenta o Terraço do Club Athletico Paulistano.

Muricy é homem do campo, do campo de futebol. Gosta de trabalhar e ficar com a família. Fala fácil e, o que é pior na visão do alto clero tricolor, fala o que pensa.

Abnegado e incansável, Muricy é o cara que pára o carro na estrada rumo a Ibiúna só pra ver a cobrança de falta de um jogo na várzea. Treinador 24 horas por dia, sete dias por semana.

Se Muricy é bronco demais, é simples demais para o São Paulo, quem mais perde é o tricolor. Perde o treinador que foi eleito o melhor do brasileirão em suas últimas 4 edições, o técnico campeão nacional nos últimos 3 anos.

Mas a perda é mais ampla, é do futebol, da sociedade brasileira como um todo. Exagero???

Não se pensarmos que o Brasil é o país do jeitinho e que Muricy é uma das poucas figuras públicas que defende o valor do trabalho, do mérito.

Pra ele ganha quem é bom, mas como bons são muitos, ganha quem é bom e se dedica. Não basta ter talento, tem que ralar. É a meritocracia muricyana, tão diferente da realidade do futebol e do mundo de hoje.

Muricy vai fazer falta a todos que pensam que o trabalho é que deve ser recompensado, a todos que acreditam que vitória boa é a vitória justa, que ganhar roubado não é mais gostoso.

Muricy Ramalho não é um exemplo pro futebol, é um exemplo pra todos.

Que descanse, mas que volte logo à cena!

Foto retirada: Jornalismo Futebol Clube
Efeitos: Picnik
Arte: Ópio do Povo

Paga ou não paga?

carlos_mateo deuda real_madrid divida grua guindaste protestoManhã de sexta agitada no centro de treinamento do Real Madrid en Valdebebas.

Munido com 2 maços de cigarro, duas garrafas de água e um celular para falar com a imprensa, Carlos Mateo – proprietário da empresa Mateo Alumínios – dependurou-se em um guindaste em frente ao CT do novo time de Kaká e Cristiano Ronaldo para cobrar uma suposta dívida do clube merengue de aproximadamente 110 mil euros.

Segundo o empresário, o Real Madrid contratou o Grupo Begar que por sua vez contratou a Mateo Alumínios para realizar obras na estrutura metálica em edifícios do clube. Ainda de acordo com Carlos Mateo, com a falência do Grupo Begar (passivos em torno de 300 milhões de euros) o Real se comprometeu em pagar os credores da massa falida diretamente envolvidos com as obras do clube.

Como isto não aconteceu, Carlos Mateo resolveu dependurar-se na grua pra cobrar aquilo que, teoricamente, tem direito. O protesto durou cerca de 12 horas.

Em curta nota oficial, o Real Madrid declarou não ter nenhum compromisso contratual com o senhor Carlos Mateo e que, seu compromisso, era de intermediar as negociações entre o Grupo Begar e seus credores envolvidos nas obras do clube.

Imagem: As

Dunga, troca de canal!

football globe futebol_globalUm dia antes da estréia brasileira na Copa das Confederações vi uma entrevista do Dunga falando sobre sua futura adversária, a Seleção do Egito.

Na hora comentei com a Brancaele nunca viu o Egito jogar.

Dunga disse que a seleção faraó se destacava por uma marcação muito forte no meio de campo, além de suas rápidas escapadas laterais em jogadas de contra ataques. Clichês e desinformação, é tudo o que continha a análise do técnico anão.

O time do Egito – sob o comando do treinador Hassan Shehata que, aliás, é a cara do Omar Sharif mais jovem – se notabiliza pelo bom toque de bola no meio de campo e pelo futebol ofensivo, principalmente quando está em campo seu trio de ouro formado por Amr Zaki (uma das sensações da temporada inglesa), Abu Trika e Mohamed Zidan. Um time que gosta de jogar e deixar jogar. O oposto do que disse Dunga.

É impressionante como todo técnico fala a mesma coisa quando analisa um adversário que não conhece:

É um time que marca muito forte e sai muito rápido nos contra ataques. Tem atacantes muito velozes, fortes.

Geninho, treinador pra lá de preguiçoso, é mestre neste tipo de análise.

E sobre o contra ataque, vamos falar sério Dunga, em via de regra os contra ataques acontecem pelas beiradas do campo, algo bem lógico que aprendemos nos primeiros dias de escolinha.

É uma pena que a comissão técnica brasileira seja tão desinformada quanto ao futebol mundial. Levando-se em conta que a seleção brasileira se reúne umas 8 vezes por ano, gostaria de saber o que eles fazem com tanto tempo livre. Já que, ao que parece,acompanhar futebol por aí não é a deles.

O Egito não é nenhuma potência da bola, é verdade. Mas é bi campeão africano, vencendo em uma das finais o time de Camarões comandado pelo astro internacional Samuel Eto’o. Tá cheio de jogadores do Al-Ahly que tá sempre no Mundial Interclubes, além de contar com algumas figurinhas conhecidas do futebol europeu.

Po exemplo, não conhecer Mohamed Zidan – pra quem vive no e do futebol – é uma vergonha. O cara já jogou 3 temporadas pelo Werder Bremen e é camisa 10 do Borussia Dortmund, um dos principais times da Alemanha.

Se você não sabe Dunga, a Bundesliga é transmitida pela ESPN, assim como a Copa Africana de Nações, realizada de dois em dois anos .

Talvez esteja na hora de trocar de canal meu amigo, deixar de ver os bitolados do Sportv e prestar atenção, mesmo que só um pouquinho, no futebol que se joga hoje em dia pelo mundo.

zangado_7_anoes grumpy_7_dwarfs

∞ Zangado ainda vive com a Branca de Neve.

Amante do futebol, escreve para o Ópio do Povo sobre a seleção brasileira.

Imagens: Dreamstime e Grumy Git