A Alemanha dos novos tempos

Pergunta da Marida

Quem é o destaque da Alemanha na Copa?

Respondo

Pra mim, Mesut Ozil.

Marida

Pára Bê, esse não existe. Nem é nome de alemão.

Realmente, Mesut Ozil não soa nada germânico. Mas o meia do Werder Bremen é genuinamente alemão, nascido em Gelsenkirchen ele carrega no nome as origens turcas, assim como seu companheiro de seleção, Serdar Tasci, nascido na cidade alemã de Esslingen.

A Seleção Alemã dirigida por Joachim Low é a cara desta nova Alemanha, renascida depois da queda do muro. A Alemanha dos imigrantes, dos filhos dos imigrantes, a Alemanha da diversidade.

Miroslav Klose, Lukas Podolski e Piotr Trochowski nasceram na Polônia e foram bem pequenos para a Alemanha. Marko Marin também ingressou ao país quando criança, mas nasceu na Bósnia.

Além de Mesut Ozil e Serdar Tasci, filhos de turcos, outros 4 jogadores nascidos na Alemanha carregam no nome e no sangue suas origens estrangeiras. Jérôme Boateng de Gana, Dennis Aogo da Nigéria, Sami Khedira da Tunísia e Mario Gómez da Espanha.

E ainda tem Cacau, paulista de Santo André que, depois de 10 anos vivendo na terra da cerveja, adotou o país como sua pátria.

Pode não ser a mais pura, mas nenhuma time poderia representar melhor o que é Alemanha hoje.

A seleção alemã que disputa a Copa na África do Sul é a Alemanha dos novos tempos!

Imagem: Federação Alemã de Futebol
Anúncios

O Mal da Copa

Tenho ouvido muitas reclamações sobre a Copa do Mundo.

A bola é horrível, as vuvuzelas são insuportáveis, os gramados estão soltando tufos, a arbitragem erra como sempre e o futebol apresentado é feio como nunca.

Mas pra mim, nada tem sido pior na África do Sul que a atuação dos técnicos.

Javier Aguirre só fez lambança. Escolheu um goleiro titular de um metro e setenta e um, deixando no banco o bom Guillermo Ochoa, do América do México. Utilizou mais o ex jogador Cauahtémoc Blanco que os jovens Chicharito Hernández e Pablo Barrera. Sem falar na inexplicável reserva de Andrés Guardado, melhor meio campista da Seleção Azteca.

Capello não conseguiu fazer o timaço da Inglaterra jogar. Mesmo com Carrick, Barry, Lampard e Gerrard, o meio de campo inglês não existiu na Copa. E o que dizer da preferência por Heskey ao invés de Jermain Defoe ou mesmo Peter Crouch?

Milovan Rajevac, o técnico Rayovac de Gana, inexplicavelmente deixou Sulley Muntari no banco. Eu sei que eles tiveram seus atritos antes do Mundial, mas em hipótese alguma Muntari deveria ficar fora deste time. Ainda mais sem Michael Essien. Outra coisa que não entendo, como o garoto Dominic Adiyiah não tem uma chance pra jogar pelo menos 30 minutos? Ele é bem melhor que qualquer atacante de Gana, até mesmo que o artilheiro Asamoah Gyan.

Bert Van Marwijk tirou Van Persie de campo para colocar Huntelaar e o atacante do Arsenal chiou. Se você já viu o centroavante do Milan jogar você sabe que Van Persie tem razões suficientes para reclamar.

Sobre Marcello Lippi há pouco o que dizer. Basta falar que ele levou para a Copa o miolo de zaga da Juventus, sétima colocada no fraquíssimo Campeonato Italiano. Também poderíamos lembrar que ele deixou de convocar Totti, Balotelli, Cassano, ou que preferia jogar com Iaquinta e Gilardino e deixar Di Natale e Quagliarella no banco, mas enfim.

Não é que Carlos Queiróz tenha montado um esquema defensivo, ele simplesmente traumatizou os jogadores portugueses que agora se negam a entrar na área adversária, os estudiosos andam chamado a enfermidade de golfobia. Brincadeira como Queiróz armou a equipe, dava pena ver o Cristiano Ronaldo jogar completamente isolado neste time.

Dunga paga pela má convocação e com o que possui no banco até que tem se virado bem. Mas fora de campo a mesma grosseria e estupidez de outros carnavais. Esperar o que de um cara que ao levantar a taça de campeão do mundo xingou ao invés de comemorar.

Sven Goran Eriksson foi o confuso professor de sempre. Preferiu o limitado Tiotê ao eficiente Romaric, o travado Dindane ao insinuante Gervinho. Na partida contra o Brasil errou ao deixar Kalou no lado esquerdo, se invertesse o possicionamento do jogador do Chelsea, e ele fosse bater com Michel Bastos, o resultado do jogo poderia ter sido diferente.

Vicente del Bosque nem provou uma formação com Xavi, Iniesta e Fabregas, o que me parece um absurdo. Com três meias deste porte ele tinha que pelo menos tentar jogar com todos eles.

Pra fechar, Raymond Domenech – técnico da França e de longe o maior trapalhão do Mundial da África do Sul. Sobre Domenech não vou falar nada, prefiro dar a palavra ao atacante Nicolas Anelka.

Se os professores gostam mesmo de futebol ou só estão nessa pelo dinheiro e pelo prestígio? Sinceramente não sei.

Imagem: Futuri Campioni Sport Sordi

Um jogo pra reescrever a história

Assisti a Copa do Mundo de 2006 na Argentina. E uma das cenas do Mundial da Alemanha que mais me marcou foi Lionel Messi no banco de reservas na partida que decretou a desclassificação dos hermanos.

Aos 19 anos, Messi era apenas um suplente do time argentino, mas toda a bacia do Prata esperava pela entrada do menino prodígio.

No entanto, o técnico José Pekerman não colocou Messi em campo e o resultado a gente já sabe, Alemanha nas semifinais e Argentina de volta pra casa.

O treinador argentino teve que substituir o goleiro Pato Abondanzieri por Leo Franco em decorrência de uma contusão. Nas mudanças que pôde optar escolheu Cambiasso e Julio Cruz para os lugares de Riquelme e Crespo.

Quando Julio Cruz entrou, último câmbio de Pekerman, Messi fechou a cara no banco de reservas. E assim ficou durante o resto do tempo regulamentar e toda a prorrogação.

O garoto de ouro estava emburrado e tinha toda razão. Na época me lembrei da final de 94 quando Parreira colocou Viola no lugar de Zinho no segundo tempo da prorrogação. E eu, claro, queria ver o menino que ainda nem era chamado de Fenômeno. Mas Parreira optou por Viola, vai entender.

Agora, a Argentina reencontra a Alemanha nas quartas de final da Copa. E 4 anos depois, Messi tem sua chance de fazer a diferença contra os germânicos.

Imagem: Pateando Tachos

Análises e Palipites das Oitavas de Final – IV

Paraguai e Japão fazem um dos confrontos mais inesperados e equilibrados destas oitavas de final. Os sulamericanos desbancaram a atual campeão Itália no Grupo F, e o Japão surpreendeu o mundo com a habilidade de Keisuke Honda e com um time muito sólido, uma das melhores defesas da primeira fase.

Depois do empate contra a Itália na estréia, o Paraguai jogou com o regulamento. Saiu pra matar a Eslováquia e, sem querer correr riscos, só controlou a partida contra a Nova Zelândia. Resultado, primeiro lugar na Chave F e fuga do confronto contra a Holanda. A Seleção Guarani tem um bom elenco dirigido por um excelente técnico, Tata Martino. O setor ofensivo é recheado de bons jogadores como Roque Santa Cruz, Lucas Barrios, Oscar Cardozo e Haedo Valdez.

O Japão foi uma das maiores surpresas da primeira etapa do Mundial. Depois de tomar coco em quase todos amistosos preparatórios, o time nipônico fez uma excelente fase de grupos. Bateu Camarões, deu um chocolate na Dinamarca e só perdeu pra Holanda. Mais que pelos resultados, a seleção japonesa surpreendeu pelo futebol apresentado. Nada vistoso, mas o time mostrou um sistema defensivo muito sólido e muita eficiência até na bola alta. Mais um detalhe, o Japão é o time que marcou mais gols de falta na Copa, dois, um com Keisuke Honda e outro com Yasuhito Endo.

Este é um jogo muito parelho e difícil de palpitar. O Paraguai deve ter bem mais posse de bola, mas a questão é se conseguirá furar o bloqueio japonês que, na primeira fase, funcionou muito bem. Até aqui o Japão só tomou dois gols, um de fora da área e um em um pênalti bem mandrake. E nos contra ataques e nas bolas paradas os asiáticos podem surpreender. Até ontem eu cravava que daria Paraguai, mas hoje acordei mais Japão.

Meu Palpite: 1 X 1 no tempo normal, 0 X 0 na prorrogação e o Japão vence nos pênaltis.

O clássico ibérico é um dos mais charmosos confrontos destas oitavas de final, rivalidade que vem de séculos. A Espanha sofreu na primeira fase, não foi sombra da campeã européia de dois anos atrás e nem apresentou o futebol envolvente que lhe garantiu a marca de apenas duas derrotas nos últimos 52 jogos. Portugal fez o que podia na primeira fase. Empatou com a Costa do Marfim, goleou a Coréia do Norte e fazendo um joguinho medroso empatou com o Brasil em 0 X 0. O time lusitano marcou 7 gols, mas só balançou as redes em uma partida, no confronto contra a fraquinha Coréia do Norte.

A Espanha foi surpreendida pela Suiça na estréia, mas garantiu o primeiro lugar do Grupo H após bater Honduras e Chile. Todos os gols da Fúria até o momento foram marcados por jogadores do Barcelona, o que mostra um pouco em que ritmo o time quer jogar. Torres anda mal fisicamente, em compensação David Villa faz uma grande Copa e com mais 3 gols se torna o maior artilheiro da história da Fúria. Os Espanhóis ainda não encaixaram seu jogo, seu fuebol bonito de passes curtos e muita posse de bola, mas Vicente del Bosque tem um timaço nas mãos.

Que o time dirigido por Carlos Quiróz evoluiu, disto ninguém tem dúvida. As eliminatórias foram um sufoco e na Copa, em um grupo muito complicado, se não encantou pelo menos se classificou com certa tranquilidade. Com uma defesa que individualmente é fraca, Queiróz armou o time com muita ênfase no setor defensivo, acreditando que na frente Cristiano Ronaldo pode resolver com uma ou duas chances. O sistema pode dar certo e eu não descarto Portugal, mas a Espanha será uma grande prova de fogo para a seleção lusitana.

Acredito que Espanha e Portugal farão uma partida extremamente equilibrada e nervosa, cheia de cartões para os dois lados. A tendência é que a Espanha domine a posse de bola e que Portugal tente a sorte nos contra ataques, principalmente com Cristiano Ronaldo. É um confronto difícil de palpitar, a Espanha tem bem mais time, mas Portugal tem uma seleção respeitável e um craque, então não dá pra ignorar. Creio que será apertado, mas dá Espanha.

Meu Palpite: Espanha 2 X 1.

Imagens Originais: All Latino, Asia Risk ReturnSpanskespanol e Olhares.
Colagem Picnik

Perdeu a chance…

Ramires substituiu Felipe Melo na partida contra o Chile, válida pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

E o volante do Benfica entrou bem demais na partida! Desarmou, protegeu a zaga, cobriu a lateral esquerda com perfeição, foi pro jogo, agregou muita qualidade à saída de bola brasileira e ainda, de quebra, em uma jogada maravilhosa e de muita personalidade deu a assistência para o gol de Robinho, tento que sacramentou a vitória por 3 X 0.

Ramires fez um jogo pra virar titular da Seleção. E acredito que viraria, caso não tivesse cometido o deslize de fazer uma falta dura e boba em cima de Alexis Sanches no meio de campo.

A infração rendeu a Ramires um cartão, o segundo amarelo que tira o volante do confronto contra o Holanda pelas quartas de final.

Uma pena, acho que Ramires perdeu a chance de virar titular no time do Dunga.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Saiba mais sobre Perdeu a chance…, postado via vodpod

E agora é preocupação para os torcedores da Seleção Canarinho que pode ter Felipe Melo novamente entre os 11 titulares, isto caso ele se recupere da lesão sofrida no jogo contra Portugal.

Vídeo: Globo

Os acertos do Dunga

O Brasil passou com facilidade pelo Chile nas oitavas de final da Copa do Mundo da África do Sul, 3 X 0, gols de Juan, Luis Fabiano e Robinho, o último após belíssima jogada de Ramires.

A entrada do jogador do Benfica no time é um dos acertos do técnico da Seleção Brasileira na partida contra os chilenos. Depois de colocar Josué no lugar de Felipe Melo no jogo contra Portugal, Dunga optou por Ramires no confronto de ontem. E não poderia ter tomado decisão mais acertada.

Embora o técnico anão já tenha declarado diversas vezes que pra ele Ramires é meia, o ex jogador do Cruzeiro entrou no time como segundo volanteposição que há muito tempo defendo que é onde ele rende mais – e tomou conta do meio de campo da seleção.

Com Ramires, o time ficou mais leve, ganhou em mobilidade e velocidade,  melhorou a saída de bola – defeito crônico desta seleção – e ficou bem mais agressivo. Até Gilberto Silva, companheiro na proteção à zaga, subiu de produção ao lado do volante do Benfica, acertando mais passes e até arriscando eventuais subidas ao ataque.

Pra mim, Ramires foi o melhor jogador da partida e Dunga merece o elogio por sua escalação.

Outro mérito do técnico anão foi colocar Gilberto na lateral esquerda e empurrar Michel Bastos para o meio. A substituição poderia ter sido feita da forma mais simples – colocando o jogador do Cruzeiro no meio, onde geralmente atua, e mantendo o atleta do Lyon na lateral esquerda – mas Dunga teve a sensibilidade fazer o contrário e assim testar Gilberto na lateral e dar poucos minutos para Michel Bastos atuar onde está mais acostumado.

Dois acertos incontestáveis do já não tão contestado Dunga.

Imagem: Fifa

Análises e Palipites das Oitavas de Final – III

Holanda e Eslováquia fazem um dos três confrontos europeus destas oitavas de final. E talvez seja o embate mais desequilibrado entre os times do velho continente.

A Holanda veio com um futebol diferente do que estamos acostumados. Nada de magia e futebol ofensivo, pragmatismo é a palavra da moda para o técnico Bert Van Marwijck. Embora a seleção laranja tenha dois dos melhores jogadores da atualidade – Sneijder e Robben – eles não querem saber de jogar bonito como manda a tradição do futebol holandês, eles querem é ganhar e acabar com a pecha de nadar, nadar e morrer na praia. Se a bola jogada na primeira fase não causou nenhum rebuliço, a segurança com que a Holanda venceu seus jogos me impressionou. É um time pra ficar de olho.

A Eslováquia já fez mais do que se esperava dela. Conseguiu a classificação em um grupo com Itália e Paraguai – onde era considerada a terceira força – e mais, ainda venceu e mandou pra casa a poderosa Squadra Azzurra, atual campeã do mundo. Hamsik, que vinha apagado, já fez uma boa partida contra os italianos e é a grande esperança eslovaca ao lado do artilheiro Róbert Vittek.

Historicamente a Holanda é conhecida por jogar bonito e não ganhar nada, com exceção feita à Eurocopa de 1988. Esta geração quer mudar este rótulo e tem condições técnicas para isto. Ou alguém duvida que um time com Robben, Sneijder e Van Persie pode ser campeão mundial? Pra mim, a Eslováquia encerra sua participação na África do Sul nesta segunda feira.

Meu Palpite: 1 X 0 Holanda.

Brasil e Chile repetem o confronto das oitavas de final da Copa de 1998. Naquela ocasião, Brasil 4 X 1 com dois gols de César Sampaio e dois gols de Ronaldo. Marcelo Salas marcou para os chilenos. Voltando à África do Sul, não haveria melhor adversário para o time de Dunga. O Chile é um time leve, que gosta de jogar e é dirigido por um técnico utópico demais para montar um ferrolho. Bielsa gosta do jogo. E a Seleção do Dunga gosta de adversários assim.

O Brasil passou sem sustos pela primeira fase da Copa. Sem sustos e sem a menor graça. O time de Dunga foi nos 3 jogos aquilo que foi nos últimos 3 anos; forte, vencedor e sem sal. Felipe Melo não deve jogar, o que no final das contas é uma ótima notícia pra quem torce pro Brasil. Josué deve ser seu substituto, tornando o pesado meio de campo brasileiro um pouco mais leve.

Eu gostei do Chile na primeira fase da Copa. Um time bem leve, rápido, que toca muito bem a bola, mas que peca demais nas finalizações das jogadas. A equipe de Marcelo Bielsa terá 3 desfalques no já não tão confiável setor defensivo. O volante Estrada, expulso no jogo contra a Espanha e os zagueiros Ponce e Medel que tomaram o segundo amarelo na mesma partida. O que já era difícil ficou ainda pior.

Confrontando os estilos dos dois times, acho muito improvável que o Chile apronte para cima do Brasil. Acredito que este seja o jogo mais tranquilo para os comandados de Dunga na África do Sul. O Chile é um velho freguês que, agora, tem um time interessante. Mas ainda não é capaz de eliminar o Brasil em um mata mata de Copa.

Meu Palpite: Brasil 4 X 2.

Imagens: NowPublic, Wikimedia Commons, Café com Ciência e Travel Pod.
Efeitos: Picnik