Análises e Palpites das Quartas de Final – II

Gana e Uruguai fazem as quartas de final das supresas na África do Sul. Depois das sofríveis eliminatórias, ninguém esperava que a Celeste chegasse tão longe, ainda mais com uma campanha tão consistente. O mesmo pode ser dito em relação às Estrelas Negras. Depois do corte de Michael Essien, pra mim o melhor volante do mundo, ficou difícil imaginar que os atuais vice campeões africanos chegassem tão longe, mas chegaram!

Gana e Uruguai nunca se enfrentaram em Copas do Mundo. De um lado, o orgulho africano com sua única seleção viva na primeira Copa disputada no continente negro. Do outro, uma história de glórias e tradições que se perdeu no tempo, mas que pode ser agora resgatada.

Gana fez uma primeira fase oscilante. Venceu a Sérvia na estréia por 1 X 0, depois só empatou com a Austrália em 1 X 1 e, por último, foi derrotada pela Alemanha por 1 x 0, o que no fim das contas foi bom já que, com o resultado, a equipe africana se classificou em segundo lugar e fugiu do confronto contra os ingleses. Nas oitavas Gana precisou da prorrogação para eliminar o Estados Unidos, 1 X 1 no tempo normal e 1 X 0 no tempo extra.

O Uruguai tem uma campanha bem sólida até aqui. Empatou na estréia com a França, 0 X 0, e depois fez dois excelentes jogos, 3 X 0 contra a África do Sul e 1 X 0 contra o México. Primeiro lugar do grupo e a Coréia do Sul nas oitavas. Contra os asiáticos a Celeste Olímpica não jogou bem, mas venceu por 2 X 1 e seguiu adiante.

Gana carrega a esperança do sofrido povo africano de ver um time do continente pela primeira vez em uma semifinal de Copa. Já a Celeste carrega uma camisa de peso, uma história de glórias que incluem duas Copas do Mundo, uma delas vencendo o Brasil na final em pleno Maracanã. O Uruguai – menor país dos que seguem na Copa, apenas 3 milhões de habitantes – também traz a alegria de um povo simpático que, com o futebol, sonha novamente em ser grande.

As duas equipes têm seus méritos futebolísticos por chegar até aqui e trazem consigo fortes apelos emocionais para esta partida de quartas. Time por time, sem Essien, eu sou mais Uruguai. Forlán e Suárez são os dois jogadores mais técnicos do confronto, os dois mais capazes de desequilibrar.

Meu Palpite: Uruguai vence por 1 X 0.

Imagens Originais: DHnet e Tizona
Colagem: Picnik
Anúncios

Análises e Palpites das Quartas de Final – I

Brasil e Holanda é um dos confrontos mais bonitos do futebol. Duas escolas de natureza ofensivista, que prezam pelo jogo bonito. Isto é o que diz a história, porque os atuais times de Brasil e Holanda nada têm a ver com esta cultura do ataque, do jogo vistoso, plástico. As duas seleções se importam com uma única coisa, o resultado.

Dunga e Bert Van Marwijk dirigem times espelhados. No esquema da moda, 4-2-3-1. Uma linha de quatro atrás, dois volantes de pegada, uma linha com 3 teóricos armadores e na frente, solitário, um único atacante. E é assim que entrarão em campo nesta sexta feira, 2 de julho.

Os dois times já se enfrentaram 3 vezes em Copas do Mundo. Em 74 baile holandês, 2 X 0 e muita porrada por parte da seleção canarinho. Em 94 vitória brasileira, 3 X 2 naquele jogo do gol de falta do Branco, uma das partidas mais emocionantes que já vi em mundiais. Em 98 empate em 1 X 1 no tempo normal, 0 X 0 na prorrogação e triunfo verde e amarelo nos pênaltis, 4 X 2.

Na África do Sul nenhuma das duas equipes encantou, mas ambas vêm em uma trajetória segura até as quartas de final. A Holanda venceu seus 4 jogos, 2 X 0 na Dinamarca, 1 X 0 no Japão, 2 X 1 em Camarões e na Eslováquia. Já o Brasil empatou em 0 X 0 com Portugal e bateu a Coréia do Norte por 2 X 1, a Costa do Marfim por 3 X 1 e o Chile por 3 X 0.

No Brasil, Elano está fora do jogo das quartas e possivelmente do restante da Copa. Ramires suspenso e Felipe Melo ainda é dúvida. Na Holanda o maior problema é o relacionamento. Ao ser substituído no jogo contra a Eslováquia, Van Persie se desentendeu com o treinador Bert Van Marwijk e foi taxativo, quem tinha que sair era o Sneijder.

Esta é, de longe, a partida mais difícil para o time de Dunga até aqui. Embora individualmente a defesa holandesa não seja nenhuma maravilha, o esquema protege bem esta fragilidade e não sei se a burocrática seleção brasileira encontrará espaços para jogar. Do outro lado, se Robben bater diretamente com Michel Bastos será um carnaval laranja. O meia do Lyon, que na seleção é lateral, não tem a menor condição de segurar Robben. Dunga terá que destacar um dos volantes para o trabalho de ajuda na marcação do atacante do Bayern de Munique. E aí pode sobrar espaço para Wesley Sneijder. Aquela velha história do se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

Meu Palpite: Holanda vence por 2 X 0.

Imagens Originais: NowPublic e Café com Ciência
Colagem: Picnik