Sobre amadores e amistosos

Enviado pela leitora Val Prochnow

Não me lembro a 1ª vez que ouvi o pai falar sobre futebol, mas acho que isso se deu antes mesmo de eu ter nascido, na barriga da mãe. Seu Ezio foi jogador, dos bons, segundo um tio que o acompanhava, Nem era casado ainda, e defendia a camisa 8 no time da Escola Agrotécnica de Muzambinho, futebol amador, como gosta sempre de frisar.

pai no time de muzambinho

Já em Belo Horizonte, teve o tempo do clube e das peladas no sítio da família em que pudemos acompanhar, as três filhas, sua alegria aos finais-de-semana. O clube da esquina (da nossa antiga casa) reunia a turma do bairro. As mulheres, raras, ficavam na arquibancada com crianças e adolescentes pediam pra entrar em campo. Lembro-me que não raro, meus amigos – os meninos da turma da rua debaixo – jogavam com os pais e o meu, coitado, só podia mesmo contar com os aplausos das filhas na platéia.

Era o tempo do futebolzinho falado assim por puro carinho, do domingo descompromissado, da farra masculina que eu, até hoje, invejo: nada tinha importância além daquilo que acontecia em campo. Achava engraçado: eles se xingavam, brigavam, e era só o juiz improvisado marcar fim de jogo e todos se abraçavam, numa confraternização própria. Coisas de futebol.

Numa dessas voltas pra casa, num desses finais de semana, caminhando no estreito passeio que ladeava o campo, ouvi pela primeira vez duas palavras, ainda novas no meu vocabulário infantil.  E desde esse dia, fiquei sabendo que o pai jogava amistosos e que o futebol praticado pela sua turma era futebol amador.

Fui pra escola pronta pra dividir as descobertas do fim de semana. Aproximei-me da professora e disparei, orgulhosa que só:

_ Sabia que meu pai joga um futebol diferente? É um tal de futebol amistoso. Ah, e ele é é amador, sabia?

A professora sacou que eu não sabia o que estava falando e seguiu o papo, perguntando se eu sabia o que significavam as tais palavras.

Diante do meu não tímido, ela me explicou assim:

_ Seu pai é amador, pois ele não joga profissionalmente. Ele é veterinário, não é isso?

_ É. E mágico também…

_ Então, veterinário é a profissão dele. O futebol, por sua vez, é o seu passatempo, entende? Ele não ganha pra jogar…

_ Hum.

_ Então ele não é jogador profissional, ele é um não profissional do futebol, logo, amador, entende?, E ele joga amistoso porque o jogo não tem disputa por título, não tem campeonato pra disputar, ou qualquer outra coisa assim. Eles jogam sem a preocupação de colocação, embora joguem pra vencer… entendeu?

Fiz que sim com a cabeça, mas na real achei tudo muito estranho – principalmente isso da professora sempre me perguntar se eu tinha entendido como se fosse obrigação minha entender. Em casa, na hora do almoço, fiz as mesmas perguntas pro pai antecipando as respostas que recebi e enchendo-o de novas interrogações.

friendship_football-futebol_e_amizade-companheirismo-futebol_amador_ A professora disse que amador é quem joga lá no clube e que não estuda pra isso. Disse também que o jogo de vocês é diferente desses que passam na TV porque vocês não jogam pra ganhar taça, mas que mesmo assim todo mundo quer ganhar. Ela disse assim, que vocês jogam sem precisar ganhar, mas que querem ganhar e se ganham não ganham nada…Como é que é isso?

O pai interrompeu a garfada, assentou os talheres no prato, riu e me contou:

_ A professora tá um bocado certa filha, mas eu prefiro pensar que lá no clube a gente é amador porque a gente ama, sobretudo: o jogo, a bola, os amigos, os lances todos que acontecem por causa dessa reunião. E são jogos amistosos sim, tentaram até botar um campeonato no clube, mas a turma achou uma bobagem e desistiu. Bom mesmo é jogar bonito, leal, preocupado com o colega que também tá jogando, mesmo que ele seja do time oposto. Na verdade, a turma lá do clube ama ser amador e ama jogar amistosamente. Amistoso vem ou devia vir de amigo, sabia? Então é isso, somos amantes do futebol entre amigos!

Ele nem perguntou se eu tinha entendido. Acho que meus olhos já tinham lhe dado a resposta.

Valéria Prochnow é uma jornalista belo horizontina especializada em redes sociais. Colaboradora, entre outros, do Projeto Eutanásia.

Imagens: Acervo pessoal de Valéria Prochnow e Harvey Finch

Fotos de Galo X Santos

Enviado pelas leitoras
Luciana de Campos e Luciana Louzeiro

As leitoras Luciana de Campos e Luciana Louzeiro estiveram no Mineirão neste último fim de semana para acopanhar a partida Galo X Santos, que terminou 3 X 1 para o alvinegro mineiro.

Além de comemorar a vitória as meninas puderam curtir aquele momento tiete no hall principal do estádio. Tem foto com Diego Tardelli, Corrêa – o grande nome da vitória atleticana – Márcio Araújo e até com o Professor Luxa.

É só clicar na imagem abaixo – ou no botão ver todas as imagens – e curtir o slide com as fotos!

slide-galo_santos

Dia Internacional da Pessoa

Ótima idéia da Lápis Raro.

Fora a idéia, o resultado é lindodemais!

E não encontrei melhor forma de dizer feliz Dia Internacional da Mulher às leitoras, que me arrisco a dizer, são maioria neste blog.

Espero que gostem!

Nota: A seção Elas no Ópio não acabou… mas está sendo reformulada pra ganhar uma cara mais leve, menos amarrada… sem dia certo, sem obrigação.

Mobile TV: Radinho a pilha do século XXI?

Enviado por Suzana Cohen do Bricolagem High Tech

Sou da classe que não entende nada de futebol, que vai ao estádio quando – numa ocasião especial – um namorado insiste e que torce pro time que está ganhando. Mas que na copa do mundo bate palminhas e torce como uma louca pra fatídica seleção brasileira para, no fim das contas, encher a cara de “árco”.

Quando penso em futebol logo lembro de Glorinha Kalil explicando o porquê das mulheres geralmente não compreenderem essa fixação, euforia e loucura masculina pela modalidade esportiva em questão (assim como shopping para homens é geralmente sinônimo de tortura). Quando no mundo mulheres se encontrariam com outras mulheres, para ir a um estádio lotado de mulheres, para ver 2 times de mulheres correndo atrás de uma bola, e depois sair com mulheres para lugares cheios de mulheres para comemorar ou afogar as mágoas, dançar com mulheres e voltar para casa bêbada da noitada anterior? Aparentemente pavoroso, coisa de tarado (no bom sentido)! rsrsrs.

Mas mesmo com a comparação de Glorinha, convenhamos, futebol é um esporte apaixonante, que move vidas e que dá muita alegria aos torcedores de plantão.

samsung mobile tvAproveito, portanto, o tema futebolístico pra falar daquilo que – suponho eu – entendo um pouco melhor: novas tecnologias. Para facilitar a vida desses “footy fans” uma nova tecnologia promete fazer a alegria da garotada. Seu nome? Mobile TV – a TVzinha que pode ser vista na telinhazinha do celula.

En Brassil a mobile TV já está na área, funcionando numa transposição da TV tradicional, com o sinal das emissoras de TV que já operam de forma digital. Num futuro próximo – que não sei exatamente quando (2012?) – programas de TV específicos para o dispositivo móvel existirão. Mas o fato é que, quando o assunto é futebol, a TV móvel na atualidade já pode ser bem aproveitada.

Já pararam pra pensar que muito em breve a mobile TV pode substituir o tradicional radinho a pilha nos estádios, nos ônibus ou onde quer que seja? Dizem que para partidas de tênis a telinhazinha não funciona. Mas que para futebol é uma maravilha! Li por aí que a mobile TV já tem sido amplamente usada em alguns lugares na Zoropa durante partidas de futebol. O cara vai ao estádio, vê o jogo ao vivo e a cores, e acompanha os detalhes pela telinhazinha.

Pelo visto a mobile TV para fins futebolísticos já pegou na Itália, no resto da Zoropa ainda não. Mas a previsão é de que na próxima copa do mundo essa nova mídia esteja dominante. E ela estará presente não apenas nos estádios, mas também em situações em que você não tem acesso fácil a um aparelho de TV tradicional: escritorio, trânsito, em deslocamento (carro, ônibus, metro), faculdade, sala de aula etc etc etc. Muito lindo! E pros fanáticos por futebol, uma mão na roda.

Será a Mobile TV o radinho a pilha do século XXI?

* Como tem tempos que não piso no Mineirão, não posso falar se esse tipo de coisa já tem rolando por aqui. Mas a tecnologia já está na área. Basta ter tutu pra adquirir seu super-aparelho-marmotinha

** Por enquanto o celula + futebol tem sido mais usado para ações de mobile marketing. Vez ou outra ouvimos falar de cases pra lá de interessantes. Mas PAUSA. O assunto é vasto, melhor deixar pra uma próxima. 

Só pra ter um gostinho:

*** Mais infos sobre mTV + futebol podem ser lidas aqui:

 Catching Euro 2008 on the two-inch screen

Will the mobile TV carry the ball for Super Bowl? 

A Comedora de Ópio

suavatardefinidoNome: Suzana Cohen

Cidade: Belo Horizonte

Profissão: Publicitária, mestra em estudos linguísticos pela UFMG, marketeira jurídica e professora de novas mídias da Faculdade de Comunicação e Artes do Centro Universitário UNA. Além de otras cositas más…

Time do coração: ???

Blog: Bricolagem High Tech

A Mulher do Zico

Enviado por Valéria Prochnow

zicoposterizado

Jesuína nasceu em Vitória da Conquista e se um dia ela me contou o porquê de ter vindo parar nas Minas Gerais sinceramente não me lembro. Minha memória de criança sempre se ateve àquela figura espalhafatosa que viveu por um tempo conosco – comigo e com família – na rua Chenade Nasser esquina com Monteiro Lobato – e é assim que me lembro dela hoje. Jesuína dormia num pequeno quarto que tinha uma cama beliche e um armário cheio de recortes de revistas colados nas portas. Lembro das risadas. E dos apelidos que ela botava na gente. Lembro de e das coisas dela, mas não me lembro exatamente da sua silhueta. Sei que é gorda, dessas que abraçam com o corpo todo e que estava sempre cheirando a tempero e a pimenta. E me lembro que Jesuína amava o Zico.

Queria trabalhar pra ele. Pra sempre. Ia ser feliz assim. Mas não só assim. Vivia cantando o Hino do Flamengo e não perdia um jogo: enchia de foguetes seu quarto e a cada gol ou lance bonito, sabe-se lá como, atravessava a avenida Monteiro Lobato e se metia a soltá-los. Vários. Sempre sonhei em ter um portão no muro da minha casa que abrisse para a avenida Monteiro Lobato. Avenida de tráfego intenso e que, ao atravessar minha esquina, dava de encontro com um enorme lote vago, cujo matagal botava medo nos passantes ao anoitecer. E era lá que Jesuína se metia: Ziiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiico! E chorava. Era verdadeira e ingenuamente apaixonada por ele. E pelos jogos e pelo Mengão.

Eu que devia ter uns nove, de anos, custava a entender: tudo terminava em Zico. Digo, as palavras: pra minha irmã mais nova, a mamadeira era mamazico. Pra mim e pra minha irmã quase da minha idade (mas ainda mais nova) era o papazico tá na mesa! Pra minha mãe era o cafezico, pro meu pai o pãozico e por aí vai… Jesuína falava e vivia essas coisas do futebol sempre com um radinho ou com um novo pôster do Zico. Fanatismo? Não. Coisas de Jesuína, a mulher que sonhava em trabalhar pro Zico e que soltava foguetes. Jesuína genuína, que chorava a cada gol, que ficava ansiosa logo cedo e que torcia com a camisa, fazendo a comidinha, sorrisão no rosto, gestos grandes, generosos. 

Jesuína foi morar com a gente na década de 80, ficou por pouco tempo. Teve que ir pra São Paulo cuidar dos sobrinhos e da irmã que estava doente. Sei que continua por lá, cuidando dos sobrinhos; casou-se de novo, já deve ser avó. Imagino-a ainda gorda, cabelos grisalhos, cercada pelos netos na cozinha. Exceto em dias de jogo

A Comedora de Ópio

valzitaavatarNome: Valéria Prochnow, mais conhecida por Val

Cidade: Belo Horizonte

Profissão: Jornalista de estudo, Sonhadora de ideal e Interneteira de paixão

Clube do Coração: Cruzeiro pelo pai, Galo e Barça por mim, jejejeje!

Blog: Não deixa de ler o Ópio, mas curte mesmo os Devaneios. Atualmente está atolada demais em seus freelas, sem tempo para Blogs.

Quase Quase

Enviado por Kaka´ do Futebolistas Roxas

Fim de Campeonato Brasileiro. Meu Grêmio ficou em 2º, quase quase conseguimos, se o Goiás tivesse ganho! E o Inter, time com o melhor plantel, só foi se entrosar realmente no final da competição, mas mesmo assim, ontem, com o time misto, perdeu para o Figueirense, que foi rebaixado, por 3×1.

Mas o assunto não é Brasileirão e sim o Mundial de Clubes FIFA, que começa dia 12 e termina dia 21. Entre os clubes participantes:

Pachuca, atual time do Christian, ex-Inter e ex-Grêmio, que disputa seu segundo Mundial, sendo o primeiro em 2005 pelo São Paulo. Clube mais antigo do México, já venceu três CONCACAFs, sendo que duas seguidas, 2007 e 2008. Ano passado, no Mundial não duraram, perderam a primeira partida para o Étoile Du Sahel. Espero que durem mais este ano, vamos Pachuca!

Al Ahly, campeão da CAF Champions League, a Champions africana, participa do seu terceiro mundial e sua primeira partida é justamente contra o Pachuca. Treinado por um português, vai novamente ao Japão para tentar o título mundial, coisa que ainda não tem.

Waitakere United, participante da Nova Zelândia, clube recente! Foi fundado em 2004, e participando de seu primeiro campeonato neozelandês, foi segundo colocado. E claro que já tem um brasileiro por lá, Adriano Pimenta, que começou jogando no Guarani de Campinas em 2000, e após passar pela Suíça, Japão, voltou ao Brasil para atuar pelo Bragantino, indo, em outubro, para o Waitakere e se diz pronto para encarar o Mundial. Ano passado caíram logo no primeiro jogo, levando 3×1 para o Sepahan.

Gamba Osaka, pela primeira vez campeão da AFC Champions League, os japoneses contam com três brasileiros para vencer o Mundial. Entre eles, Mineiro, zagueiro que jogou pelo Inter até o ano passado, Lucas Severino, que jogou pelo Corinthians em 2003, e Roni, que atuou ainda este ano pelo Cruzeiro. E sabe quem é tido como um dos ídolos do time? Marcelinho Carioca, isso aí, ídolo corintiano, que passou por lá em 2002.

Outra vaga ficou com o Adelaide United, Romário jogou lá, lembra? Ééé, eles ganharam o direito de participar pois as regras da FIFA determinam que se o clube vencedor do campeonato do país sede vencer outra competição e assim acabar participando do Mundial, o segundo melhor colocado da outra competição, no caso a AFC Champions League, de outra nacionalidade, assume o lugar daquele. Neste mundial, o Adelaide. Clube novo também, fundado em 2003, nunca foi a um Mundial, mas com a grande quantidade de títulos que já tem, é um bom adversário. Claro que tem brasileiros jogando lá. Três, para ser mais precisa.

LDU, vencedora da Libertadores deste ano em cima do Fluminense, primeira vez que vai ao Mundial, primeira vez que vence a Libertadores. Mas bah, nem é tão bom time. Seu primeiro jogo é contra o vencedor de Al-Ahly e Pachuca.

E, finalmente, Manchester United, o grande favorito a campeão do mundo este ano. Não é pra menos, venceu o Chelsea na final da Champions deste ano nos pênaltis. Tem como principais jogadores Rooney, que eu acho O Cara, joga demais demais, e usa muito bem o jogo de corpo. Cristiano Ronaldo, bom jogador, não acho TÃO bom, mas o pessoal adora, acho que ele tem um bom futebol, mas não é tudo isso. Anderson, ex-Grêmio, tá jogando muito melhor do que quando saiu do Tricolor em 2005 após vencermos aquele jogo contra o Náutico e subirmos para a primeira divisão.

Esse Mundial vai ser bom de ver, pegado, mas o Manchester tem tudo pra ganhar, time, vontade, tudo. Espero que vença, pelo Anderson, ele merece =D, e aquele guri novo também, Rafael, eu o vi no jogo contra o Arsenal pelo campeonato inglês e ele fez ótimos passes. Vamo lá, que venha o Mundial, ano que vem espero que o Grêmio esteja lá!!

A Comedora de Ópio

kakafutroxas2Nome: Caroline Conter

Cidade: Porto Alegre

Profissão: Futura advogada e fotógrafa nas horas vagas

Clube do Coração: Grêmio

Blog: Futebolistas Roxas

Bem Vindas ao Ópio

futebol coisa de mulherHoje o Ópio do Povo se veste de rosa.

É que estréia a seção colaborativa Elas no Ópio.

Mais um espaço que Elas conquistaram!

A primeira convidada, Camila Paulos, aceitou de cara a proposta.

Só na base do buchicho, a idéia do Elas no Ópio foi se espalhando…

E pra minha surpresa e alegria recebi algumas contribuições antes mesmo da seção começar.

Não dá pra colocar todas de uma vez, então serão duas Comedoras de Ópio por mês.

Começamos com as jornalistas Andrea Vieira e Camila Paulos.

A partir de hoje, todo dia 08 Elas estarão aqui… falando de futebol!

Meninas, bem vindas ao Ópio!

Hoje o Blog é de vocês!!!!