O filho do seu Iomar

thiago_alcantara barcelona-cropIbrahimovic estreou com a camisa do Barça no Troféu Joan Gamper, contra o badalado e endinheirado Manchester City. Ibra não fez gol e o Barcelona saiu de campo derrotado por 1 X 0, gol do búlgaro Martin Petrov.

Apesar da derrota, o Barça dominou toda a partida e a dupla Messi-Ibra deu algumas pequenas amostras do que poderá fazer nesta temporada.

Quem deixou ótima impressão pra torcida azul grená e para o técnico Pep Guardiola foi o jovem meia Thiago Alcântara. O garoto de apenas 18 anos atuou como gente grande, com ótima visão e distribuição de jogo, bem ao estilo de seu pai.

Thiago Alcântara é filho de Iomar do Nascimento. Ainda não sabe quem é o pai da criança?

mazinho-seleçao_brasileiraO Mazinho, campeão da Copa de 94 com o Brasil. Pros mais novos, Mazinho surgiu no Santa Cruz e alcançou grande destaque na lateral do Vasco, onde foi campeão brasileiro em 1989.

Também jogou na Fiorentina, Valencia e Celta de Vigo entre outros, mas pra mim seu auge foi no Palmeiras nos primeiros anos de Parmalat. Lá ele foi bi campeão brasileiro em 93 e 94.

E foi no Verdão que Mazinho descobriu-se um excelente volante, fazendo uma inesquecível dupla na cabeça de área palestrina com César Sampaio.

Hoje Mazinho dirige o Aris Tessalônica da Grécia, ao lado do ex volante hispano brasileiro Donato, que fez nome jogando no Deportivo La Coruña.

Voltando a seu filho, Thiago, o menino mostra qualidades de jogo muito parecidas ao pai quando jogava pelo meio, porém com mais agressividade, mais pra meia que pra volante.

Thiago nasceu na Itália, na época em que Mazinho defendia o Lecce. Antes de jogar pelo Barça passou pela base do Flamengo e pelo Ureca, um pequeno clube da Galícia.

E antes que os cartolas brasileiros cresçam o olho, Thiago já tem nacionalidade espanhola e desde as categorias de base defende a Fúria, seleção pela qual sagrou-se campeão europeu Sub 17 em 2008.

thiago_alcantara-furia-seleção_espanhola

Imagens: Barça Transfer Zone e Sporting Heroes
Anúncios

Fiel Fenomenal

ronaldo-camiseta-corinthians

O Corinthians fechou a contratação do atacante Ronaldo Fenômeno.

O anúncio foi feito na tarde desta terça feira.

O departamento de marketing do Parque São Jorge havia definido, em novembro, que o clube faria uma contratação bombástica para movimentar o mercado neste fim de ano.

Rosemberg e sua turma fizeram então uma lista.

Levaram a idéia pro Mano e mandaram ele escolher um entre vários nomes.

A lista tinha Ronaldo, Liédson (Sporting), David (Fener), Alex (Fener), o pacote Mineiro (Chelsea)-Josué (Wolfsburg), Marcos (Palmeiras), Teves (Manchester United), Juninho Pernambucano (Lyon), Fred (Lyon), Elano (Manchester City) e até o holandês Edgar Davids (sem clube).

Mano disse: Eu quero o Tcheco! Mas não se opôs ao Fenômeno, quando consultado.

E hoje Ronaldo foi anunciado. 

É de longe a contratação mais barulhenta do futebol brasileiro neste século

Comparada somente ao retorno de Romário ao Brasil em 1994. Aliás, ano em que Ronaldo deixou o futebol brasileiro.

Só na tarde de ontem a diretoria corintiana contabilizou em seus cofres a entrada de 25 mil reais referente às vendas da nova camisa 9.

E vamos combinar, se Ronaldo jogar, 15 partidas que sejam, serão 15 dias de sonhos para a Fiel.

Tempos Modernos

Ronaldo já havia declarado que no Brasil só jogaria no Flamengo, clube do coração.

Mas o que o Fenômeno não imaginava é que Márcio Braga se rebelaria contra a toda poderosa Nike.

E sem a fabricante estadounidense o sonho do Ronaldo Rubro Negro ficou impossível.

Isto porque  – embora seja remunerado, e muito bem – o atacante é uma espécie de escravo moderno.

Milionário e mundialmente famoso, Ronaldo não pode escolher onde quer jogar.

Não é livre, mesmo com toda grana, mesmo com toda fama.

É mais uma destas distorsões malucas só possíveis no mundo de hoje.

Só contrata o Fenômeno quem carrega a Nike no peito.