O futebol é maravilhoso!

Schalke 04 e Manchester United fizeram o primeiro jogo das semifinais da Champions League, em Gelsenkirchen, na Alemanha.

Teoricamente, um confronto entre Davi e Golias, um pouco menos depois que o time alemão destroçou a Inter de Milão – atual campeã – nas quartas de final.

Mas o jogo começou como a teoria indicava, Manchester como um rolo compressor e o Schalke assustado, se segurando pelas defesas do goleiro Manuel Neuer.

Só no 1º tempo foram 11 finalizações inglesas, 9 de dentro da área. E nada de gol.

A 2ª etapa começou como terminou a 1ª, Manchester em cima e Schalke se defendendo como podia. Até que Ralf Rangnick sacou Baumjohann e colocou em campo o volante Peer Kluge, equilibrando a partida.

E justo quando o jogo havia se tornado mais parelho, o Manchester encontrou seu 1º gol, Ryan Giggs depois de um passe primoroso de Wayne Rooney. Dois minutos depois, Rooney dobrou a diferença, Schalke 0 X 2 Manchester United.

O Manchester massacrou o Schalke por 60 minutos, mas não encontrou o gol. E só conseguiu vazar a meta defendida por Manuel Neuer quando o time alemão equilibrou a partida.

É por isto que o futebol é maravilhoso!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo

Anúncios

Análise e Palpite da Disputa pelo 3º lugar

Alemanha e Uruguai entram em campo neste sábado, em Porto Elizabeth, para saber quem fica com o 3º lugar da Copa do Mundo. As duas seleções podem ser consideradas as grandes sensações do Mundial. Os alemães pelo belo futebol apresentado, especialmente contra Inglaterra e Argentina, já a Celeste pela garra e superação, características marcantes da campanha uruguaia.

A Alemanha fez aquilo que está acostumada e aquilo que dela se espera. É a décima primeira vez os germânicos ficam entre os 4 primeiros da Copa, sem dúvida a seleção mais copeira da história dos Mundiais. Muita gente anda dizendo que o time de Joachim Low entra desmotivado na partida deste sábado, mas quem conhece a história do país e do futebol alemão sabe que isto não é verdade. A Alemanha entrará pra ganhar e igualar a posição na última Copa. Além do objetivo coletivo, faltam apenas dois gols para que Miroslav Klose ultrapasse Ronaldo e se torne o maior artilheiro de todas as Copas. E o time vai querer ajudá-lo a atingir a marca histórica.

Diante das expectativas, podemos dizer que o Uruguai fez um Mundial soberbo! Alcançou as semifinais, algo que não acontecia há 40 anos. A Celeste voltou a ser grande e a missão já foi mais do que cumprida. Mesmo assim o jogo de amanhã vale muito para os sulamericanos que, com certeza absoluta, querem fechar a campanha com a vitória e a terceira posição na competição, ultrapassando a campanha de 1970. Aliás, no México os uruguaios foram derrotados na disputa de terceiro lugar pela própria Alemanha, 1 X 0, gol de Overath.

Indiscutivelmente a Alemanha tem mais time que o Uruguai. Os sulamericanos podem estar mais motivados pelo retorno à elite do futebol mundial, mas os germânicos não entrarão em campo pra brincar. Thomas Muller volta querendo mostrar que poderia ter feito a diferença na semifinal, Klose que quer virar o maior artilheiro da história das Copas.

Meu Palpite: Alemanha 4 X 2 Uruguai.

Imagens Originais: ETF Trends e DHnet
Colagem: Picnik

Análises e Palpites das Semifinais – II

Alemanha e Espanha fazem a segunda semifinal da Copa do Mundo da África do Sul, uma repetição da decisão da última Eurocopa. Há dois anos, em Viena, deu Espanha 1 X 0, gol de Fernando Torres. Em Mundiais, estas duas seleções já se encontraram 3 vezes. Duas vitórias alemãs por 2 X 1 – em 66 e em 82 – e um empate, 1 X 1 em 94.

Muita expectativa em torno deste jogo. De um lado a tradicional Alemanha, equipe veloz, organizada e letal; melhor time da Copa até aqui. Do outro a Espanha da posse de bola, dos toques curtos e envolventes; a Fúria que jogou o melhor futebol entre as Copas de 2006 e 2010.

O favoritismo, logicamente, é alemão. Pela camisa, pela história, pela tradição copeira e, principalmente, pelo futebol apresentado na África do Sul. A Alemanha passou bem pela Inglaterra e simplesmente não tomou conhecimento da Argentina, 4 X 0, fora o baile. Para a semi, Joachim Low não poderá contar com o ótimo Thomas Muller, suspenso pelo segundo cartão amarelo, o que é um grande problema. O favoritismo germânico existe, mas é moderado. A Espanha é um grande time e pode sim chegar à final.

Fernando Torres, autor do gol do título na Euro 2008, está muito mal fisicamente e deve perder a vaga de titular na semifinal. Infelizmente, as notícias dão conta que Vicente del Bosque escolherá David Silva para seu lugar, eu preferia Cesc Fàbregas. Com Busquets e Xabi Alonso no time, acho que o treinador espanhol poderia tentar uma linha de 3 armadores atrás de David Villa, com Iniesta, Xavi e Fàbregas. Outra coisa, se pro lugar de Torres a opção é por algum jogador que atue mais pelo lado do campo, que coloque o Pedro, muito melhor que o David Silva e que o Jesús Navas.

Promessa de jogão! Eu também considero a Alemanha a grande favorita ao caneco. Mas, contraditoriamente, aposto na Espanha para a conquista do título. Nem sempre os favoritos vencem e acho que chegou a hora da Fúria.

Meu Palpite: A Espanha vence por 3 X 1.

Imagens Originais: Spanskespanol e ETF Trends
Efeitos: Picnik

A Alemanha do inexplicável e a tradição copeira

A Alemanha é apontada por quase todos como o grande time da Copa do Mundo. Um futebol rápido e extremamente coletivo que vem encantando a todos.

Dois jogadores, pilares desta equipe, são exemplos de que o futebol nem sempre é muito lógico.

Arne Friedrich é o equilíbrio da defesa alemã. Bem no combate, bem na sobra e nas eventuais subidas ao ataque, Friedrich aparece em quase todas as listas dos melhores da Copa. Algo pouco provável se olharmos para sua temporada.

Friedrich foi o líder e capitão do Hertha Berlim, time que teve uma temporada pífia e acabou rebaixado para segunda divisão do campeonato alemão. Depois de 34 rodadas, o Hertha venceu apenas 5 jogos, marcou somente 24 pontos e terminou na última colocação da Bundesliga. E a defesa tomou notáveis 56 gols.

O atacante Miroslav Klose já balançou as redes 4 vezes neste Mundial. Briga pela artilharia não só desta edição, mas da história das Copas. Com 14 gols anotados em 3 mundiais, o alemão está a apenas um golzinho de igualar e dois de ultrapassar o recorde de Ronaldo. Sem falar que está a dois jogos do título.

Em compensação, Klose fez apenas 11 partidas como titular do Bayern de Munique nesta temporada. Saindo do banco, entrou em campo outras 14 vezes e marcou somente 3 gols. Números bem modestos para aquele que pode se tornar o maior artilheiro da história das Copas.

Mais que inexplicável, a atuação de Friedrich e Klose em seus clubes e no Mundial mostra uma coisa, o quão copeira é a Alemanha.

O melhor time da Copa!

Não sei se a Alemanha vencerá a Copa do Mundo da África do Sul, mas os germânicos já garantiram o título de melhor time do Mundial.

Foram 3 goleadas em cinco jogos e duas partidas simplesmente memoráveis, históricas.

A primeira foi o 4 X 1 na Inglaterra. A turma de Joachim Low deu aula de contra ataques e foi bem superior ao badalado English Team.

O segundo show aconteceu neste sábado, irrefutável 4 X 0 contra a Argentina de Messi, Higuaín e companhia. Foi uma verdadeira aula de futebol. Fiquei impressionado com as saídas em bloco dos alemães, com a velocidade e a eficiência do time germânico.

Mauro Cezar Pereira definiu muito bem esta equipe alemã no pós jogo da Espn Brasil:

Pra Alemanha não basta vencer, tem que triturar.

Apesar de apostar na Argentina, eu disse aqui que a Alemanha era o time que havia jogado o melhor futebol nesta Copa. E depois do massacre da Cidade do Cabo só me resta ratificar esta posição.

Mesmo sem tanta grife, a Alemanha joga uma bola fina neste Mundial. Joga bonito sem fugir à sua característica histórica de força, coletividade e aplicação tática.

Salve o bom futebol alemão, o melhor desta Copa do Mundo!

Imagem: Fifa

Análises e Palpites das Quartas de Final – III

Argentina e Alemanha fazem o confronto mais tradicional nestas quartas de final da Copa. 5 títulos em campo e muita história entre estas duas seleções que já se enfrentaram outras cinco vezes em mundiais, duas delas em finais consecutivas.

Em 58, na Suécia, os alemães venceram por 3 X 1. Em 66, na Inglaterra, o único jogo sem gols entre as duas equipes. Em 86, no México, a primeira final e a primeira e única vitória argentina sobre os alemães em copas. Em um jogo alucinante, a Argentina vencia por 2 X 0 até os 29 do segundo tempo, quando os alemães deram início á reação que culminou com o gol de empate de Rudi Voller, aos 35 minutos da etapa final. Mas aos 38 apareceu a genialidade de Maradona que, com um lindo passe de primeira, colocou Burruchaga na cara do gol para marcar o tento que daria o segundo título mundial aos nosos vizinhos. Em 90, na Itália, outra final. Desta vez um joguinho chato, amarrado, que foi decidido com um gol de pênalti aos 40 do segundo tempo. A penalidade, bem duvidosa, foi convertida pelo lateral Andreas Brehme e valeu o terceiro título alemão.

O último confronto entre alemães e argentinos aconteceu na Copa passada. Miroslav Klose e Roberto Ayala marcaram os gols que decretaram o empate no tempo regulamentar. Na prorrogação ninguém balançou as redes e na disputa de pênaltis deu Alemanha, 4 X 2, com direito a papelzinho do goleiro Jens Lehmann com informações sobre os batedores argentinos.

Na África do Sul, nenhum time jogou como a Alemanha na partida contra a Inglaterra. Eu sei que o gol mal anulado de Frank Lampard poderia ter mudado os rumos daquele jogo, mas mesmo assim foi uma aula de futebol dos comandados de Joachim Low, um show de contra ataques.

Já há algum tempo que venho dizendo que esta Seleção Alemã é a mais talentosa desde a geração do título de 90 que tinha Voller, Klinsmann, Matthaus, Karlheinz Riddle, Littbarski e Brehme, entre outros. Mesut Ozil, Thomas Muller, Marko Marin e Sami Khedira agregaram não só sangue novo, mas também qualidade técnica à este equipe germânica. E apesar da juventude, o grupo assimilou bem alguns golpes, como por exemplo o corte do líder Michael Ballack.

Já a Argentina ainda não fez aquela partida neste mundial. Não que tenha jogado mal, pelo contrário. Venceu seus 4 jogos até aqui e venceu com segurança. Mas é só olhar nome por nome que qualquer um que acompanha futebol sabe que esse time pode dar mais, são muitos craques reunidos.

Do meio pra frente a Argentina tem o melhor time da Copa e digo mais, se juntarmos jogadores de todas as outras seleções para formar uma linha ofensiva, ainda assim ela estará abaixo do ataque argentino. Messi ainda não marcou nesta Copa, mas mesmo assim vem fazendo um bom mundial, só está faltando o gol, mas eu tenho certeza que de hoje não passa. Messi, aos 19 anos, foi um dos jogadores que mais sofreu a eliminação para os alemães no mundial passado. Pekerman não o colocou na partida e, do banco, era visível o descontentamento da Pulga. Estou seguro que hoje é o dia, que algo bem grande está guardado para o camisa 10 do Barça e da seleção alvi celeste.

Eu acredito que Alemanha e Argentina farão um dos melhores jogos desta Copa na África do Sul. Imagino que será uma partida muito corrida, intensa, cheia de gols e viradas. Dois times técnicos e a promessa de um grande futebol!

Meu Palpite: 3 X 3 no tempo normal e a Argentina vence na prorrogação por 1 X 0.

Imagens: ETF Trends e International Education
Efeitos: Picnik

A Alemanha dos novos tempos

Pergunta da Marida

Quem é o destaque da Alemanha na Copa?

Respondo

Pra mim, Mesut Ozil.

Marida

Pára Bê, esse não existe. Nem é nome de alemão.

Realmente, Mesut Ozil não soa nada germânico. Mas o meia do Werder Bremen é genuinamente alemão, nascido em Gelsenkirchen ele carrega no nome as origens turcas, assim como seu companheiro de seleção, Serdar Tasci, nascido na cidade alemã de Esslingen.

A Seleção Alemã dirigida por Joachim Low é a cara desta nova Alemanha, renascida depois da queda do muro. A Alemanha dos imigrantes, dos filhos dos imigrantes, a Alemanha da diversidade.

Miroslav Klose, Lukas Podolski e Piotr Trochowski nasceram na Polônia e foram bem pequenos para a Alemanha. Marko Marin também ingressou ao país quando criança, mas nasceu na Bósnia.

Além de Mesut Ozil e Serdar Tasci, filhos de turcos, outros 4 jogadores nascidos na Alemanha carregam no nome e no sangue suas origens estrangeiras. Jérôme Boateng de Gana, Dennis Aogo da Nigéria, Sami Khedira da Tunísia e Mario Gómez da Espanha.

E ainda tem Cacau, paulista de Santo André que, depois de 10 anos vivendo na terra da cerveja, adotou o país como sua pátria.

Pode não ser a mais pura, mas nenhuma time poderia representar melhor o que é Alemanha hoje.

A seleção alemã que disputa a Copa na África do Sul é a Alemanha dos novos tempos!

Imagem: Federação Alemã de Futebol