Amor e ódio

Os argentinos odeiam amar os brasileiros. Já os brasileiros amam odiar os argentinos.

brasil_argentina-ódio_e_amor

Já vi muita gente assumindo a paternidade desta frase, o que não me assusta já que atualmente andam aparecendo pais de tudo, até o Jason do Sexta Feira 13 tem jornalista marqueteiro que diz que inventou.

Mas a frase que resume com excelência a relação que geralmente se estabelece entre brasileiros e argentinos é do sociólogo Ronaldo Helal, pesquisador da UERJ muito interessado e atento à área esportiva, comunicacional e aos assuntos da Bacia do Prata.

E pra mim – embora eu não me sinta parte dos que amam odiá-losa frase do Helal é a mais pura verdade!

Pra quem não conhece nada  do trabalho do professor Helal sugiro o excelente livro A Invenção do País do Futebol obra realizada conjuntamente com Antônio Jorge Soares e Hugo Lovisolo.

Imagem: Religião Urbana
Anúncios

Reconciliação

Este foi o primeiro gol de Messi sob o comando de Diego Maradona. A narração é do histórico e folclório Victor Hugo Morales, o mesmo que narrou com puro sentimento de pós guerra os gols de Diego contra a Inglaterra, na copa do México em 86.

No primeiro gol Morales diz, em um tom carregado de satisfação, que a Argentina vence por 1X0, com um gol de mão, o que querem que eu diga?

No segundo, o emocionado narrador chega a agradecer a Deus pelo futebol, por Maradona. E inocentemente chama o craque de barrilzinho cósmico.

Não escondo de ninguém o quanto torço para que a aventura maradoniana na alviceleste dê certo. Neste blog mesmo já manifestei meu desejo, afinal, é o melhor jogador que minha geração viu jogar, os brasileirinhos aceitando ou não. Mas vai além da vontade, sigo afirmando que existem alguns argumentos pra lá de plausíveis de que a experiência pode render bons frutos.

Diego é o único capaz de fazer os argentinos perderem sua conhecida soberba. A arrogância que talvez explique tão poucas copas na prateleira mesmo com tantos craques desfilando pelos campos do mundo ao longo destes quase 80 anos de mundiais.

Com Maradona no comando os jogadores, outrora tão blazés, tão pedantes, se jogam de cabeça nos pés dos adversários, suam sangue, deixam tudo

O 10 foi contratado pra recuperar a mística da azul e branca. Pra recuperar o prestígio e o respeito de uma das escolas mais importantes do futebol mundial. E pra ensinar à nova safra que no futebol também é possível se jogar por uma causa.

O jogo contra a França não valia copa do mundo, não valia nada, era simplesmente um amistoso. Mas o time argentino jogou como se fosse uma final. Final de copa, de champions, de campeonato de pelada na Villa Fiorito.

E se a vitória não rendeu taça nem ao menos 3 pontinhos, valeu pelo menos para o treinador. A estréia foi contra a fraquíssima Escócia, então a França era o batismo de verdade. Quem sabe agora as chacotas não cessam?  

Independente das piadas, a verdade é que qualquer time que tenha um ataque com Messi, Aguero e Tévez deve ser respeitado, e muito. É um trio de dar inveja aos grandes esquadrões do futebol mundial, ao Manchester, ao Barça, à qualquer seleção, até a nossa. Ou você não gostaria que os 3 fossem brasileiros?

Hoje vi França X Argentina torcendo de verdade. Torcendo como se fosse um jogo do Galo, torcendo bem mais que torci na terça. Foi a primeira vez, depois que voltei ao Brasil, que me permiti torcer pela Argentina.  Quando lá estava isto era impossível.

Mas hoje, passado mais de um ano do meu regresso, permito-me reatar esta pequena parte, adormecida em meio às lágrimas vertidas na bacia platina. Sem sentimentos piegas, sem eximir minhas divergências ao sonho europeu que vive Buenos Aires, sem esquecer minhas reticências sobre a pseudo politização de seu povo, sobre a falsa roupagem de cultura que esconde a verdadeira cara argentina, a cara de Carlitos, a cara do povo.

Ainda com todos estes poréns, hoje me reconciliei com um dos meus amores mais antigos, o futebol argentino. O mesmo futebol que me encantou na vitória de 86 e na derrota de 94. O futebol que me apresentou os compassos descontrolados de Piazzola, as narrativas fantásticas de Cortázar, os olhos arregalados e assustados de Spilimbergo. A classe imperturbável de Redondo, a genialidade delirante de Maradona.

O futebol argentino que eu nego, ou melhor, que nos últimos 3 anos tanto neguei, mas que hoje eu confesso… o futebol que voltei a amar.

A Mulher do Zico

Enviado por Valéria Prochnow

zicoposterizado

Jesuína nasceu em Vitória da Conquista e se um dia ela me contou o porquê de ter vindo parar nas Minas Gerais sinceramente não me lembro. Minha memória de criança sempre se ateve àquela figura espalhafatosa que viveu por um tempo conosco – comigo e com família – na rua Chenade Nasser esquina com Monteiro Lobato – e é assim que me lembro dela hoje. Jesuína dormia num pequeno quarto que tinha uma cama beliche e um armário cheio de recortes de revistas colados nas portas. Lembro das risadas. E dos apelidos que ela botava na gente. Lembro de e das coisas dela, mas não me lembro exatamente da sua silhueta. Sei que é gorda, dessas que abraçam com o corpo todo e que estava sempre cheirando a tempero e a pimenta. E me lembro que Jesuína amava o Zico.

Queria trabalhar pra ele. Pra sempre. Ia ser feliz assim. Mas não só assim. Vivia cantando o Hino do Flamengo e não perdia um jogo: enchia de foguetes seu quarto e a cada gol ou lance bonito, sabe-se lá como, atravessava a avenida Monteiro Lobato e se metia a soltá-los. Vários. Sempre sonhei em ter um portão no muro da minha casa que abrisse para a avenida Monteiro Lobato. Avenida de tráfego intenso e que, ao atravessar minha esquina, dava de encontro com um enorme lote vago, cujo matagal botava medo nos passantes ao anoitecer. E era lá que Jesuína se metia: Ziiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiico! E chorava. Era verdadeira e ingenuamente apaixonada por ele. E pelos jogos e pelo Mengão.

Eu que devia ter uns nove, de anos, custava a entender: tudo terminava em Zico. Digo, as palavras: pra minha irmã mais nova, a mamadeira era mamazico. Pra mim e pra minha irmã quase da minha idade (mas ainda mais nova) era o papazico tá na mesa! Pra minha mãe era o cafezico, pro meu pai o pãozico e por aí vai… Jesuína falava e vivia essas coisas do futebol sempre com um radinho ou com um novo pôster do Zico. Fanatismo? Não. Coisas de Jesuína, a mulher que sonhava em trabalhar pro Zico e que soltava foguetes. Jesuína genuína, que chorava a cada gol, que ficava ansiosa logo cedo e que torcia com a camisa, fazendo a comidinha, sorrisão no rosto, gestos grandes, generosos. 

Jesuína foi morar com a gente na década de 80, ficou por pouco tempo. Teve que ir pra São Paulo cuidar dos sobrinhos e da irmã que estava doente. Sei que continua por lá, cuidando dos sobrinhos; casou-se de novo, já deve ser avó. Imagino-a ainda gorda, cabelos grisalhos, cercada pelos netos na cozinha. Exceto em dias de jogo

A Comedora de Ópio

valzitaavatarNome: Valéria Prochnow, mais conhecida por Val

Cidade: Belo Horizonte

Profissão: Jornalista de estudo, Sonhadora de ideal e Interneteira de paixão

Clube do Coração: Cruzeiro pelo pai, Galo e Barça por mim, jejejeje!

Blog: Não deixa de ler o Ópio, mas curte mesmo os Devaneios. Atualmente está atolada demais em seus freelas, sem tempo para Blogs.