Mais que um clube, uma família

Em outras oportunidades já disse aqui que concordo inteiramente com essa história do Mais que um Clube do Barça. Pra mim não há uma expressão capaz de definir melhor o que representa o pavilhão azul e grená da Catalunha.

O vídeo promocional do time culé para o início desta temporada vai além do conceito de que o Barcelona é mais que um clube… é uma família.

Esta é a essência da belíssima peça da Barça TV! A música é super envolvente e as imagens são um verdadeiro tesouro. Os craques do atual elenco catalão em cenas familiares ou atuando pela base do time, pra quem gosta é realmente emocionante! Meus destaques são o então jogador Pep Guardiola entregando uma medalha a um pequenino Andrés Iniesta e um minúsculo Messi fazendo embaixadas com uma bola de tênis.

Bem, com vocês Torna La Gent Normal, uma produção da Barça TV.

Vídeo: FC Barcelona
Anúncios

O futebol agradece

Iniesta curtindo o troféu de campeão. O meia do Barça foi o autor do gol do inédito título espanhol.

A Espanha é campeã do mundo… e o futebol agradece!

A conquista espanhola mostra que a beleza não exclui a competitividade e coloca um ponto final na falácia de que para vencer uma Copa os elementos fundamentais são força, garra e brutalidade. Depois da Fúria, ninguém há de dizer que é necessário jogar feio pra ser campeão.

A Espanha venceu a Copa na África do Sul com todos os méritos. Trabalho árduo que teve início na primeira metade dos anos 90, momento em que o país ibérico descobriu e acreditou que o esporte seria capaz de mudar a nação. Desde 1999, os títulos e os bons resultados nas seleções de base se acumulam. O reflexo do trabalho sério e duradouro nas categorias inferiores apareceu no time adulto com os títulos da Euro 2008 e da Copa do Mundo de 2010.

Falando só sobre dentro do campo, também não dá pra falar que a Espanha não seja uma campeã meritória. Nas últimas 54 partidas a Fúria venceu 49, empatou 3 e só perdeu duas. No Mundial os comandados de Vicente del Bosque não começaram bem, mas cresceram ao longo da competição.

Nos 7 jogos da Copa, em 6 a Espanha teve mais que 57% de posse de bola. É o time que mais gosta de ter a gorducha nos pés, é o time que melhor a trata. Dos 7 maiores passadores do Mundial, 6 são espanhóis. O principal deles o genial Xavi Hernández que acertou nada menos que 544 passes em 669 tentados, uma eficiência de 81%. Xavi acertou 116 passes a mais que o segundo colocado, o alemão Bastian Schweinsteiger. E se engana quem acha que a Espanha só toca a bola de lado e por isto detém números tão expressivos. A efetividade do time impressiona, 81% nos passes curtos, 84% nos passes médios e 63% nos lançamentos longos.

A Espanha também mereceu porque soube ousar. Pedro, que antes do Mundial nunca havia vestido a camisa da seleção profissional, foi titular na final da Copa. Uma lição pra Dunga que se negou a chamar o Ganso porque o meia do Santos não tinha experiência com a amarelinha.

Na final não teve muita discussão. A Holanda chegou a assustar e poderia até ter vencido no tempo normal, mas a Espanha foi bem superior. Começou o jogo marcando pressão e ao longo da partida teve 57% da posse de bola. Sem muito o que fazer, os holandeses abriram a caixa de ferramentas, cometeram 28 faltas e terminaram o cotejo com um jogador expulso e 9 amarelados.

Xavi e Iniesta foram verdadeiros maestros, ditaram o ritmo e deram o compasso ao jogo. Busquets e Xabi Alonso também tiveram boas atuações, assim como a dupla de zaga Piqué e Puyol e o goleiro Iker Casillas, que salvou a Fúria em pelo menos duas oportunidades claras nos pés de Robben.

A Espanha é campeã do mundo com todos os méritos e glórias! Um time de jogadores virtuosos que consegue encantar e ser competitivo, um futebol maravilhosos e envolvente, de muito toque de bola e refinada técnica.

O futebol comemora seu novo campeão e mostra a todos que, antes de tudo, para vencer é preciso jogar bem. E parafraseando o poetinha, que me perdoem os guerreiros, mas beleza – até no futebol – é fundamental.

Imagem: Fifa

Princípios, valores e o Barça campeão

barcelona campeao da uefa champions league 08 09

Em um mundo onde o que vale é ganhar a qualquer custo, o Barcelona insiste em ser leal a seus princípios. Resistência pura de quem teima em ser diferente. Não pela diferença, mas por não querer trair seus valores fundamentais.

Esta é a essência do Barça e não é a toa que seu lema é Mais que um clube. Não há exageros ou hipérboles na frase, o Barça é bem mais que um clube, é uma bandeira da Catalunha, da contracultura e da resistência.

Tenho um amigo catalão que diz que se você – de uma forma ou de outra – apóia ou admira a resistência às imposições, sejam elas culturais, sociais, econômicas ou de qualquer outra porra, você tem que torcer para o Barça

Na época em que a Espanha não podia sorrir, o Barcelona foi perseguido e seu estádio era o grande palco da resistência à ditadura franquista; o único lugar em território espanhol onde podia-se falar, gritar, cantar e xingar em sua língua materna, o catalão, então proibido no país. No país Basco, outro foco anti Franco, o estádio San Mamés do Athletic Bilbao desempenhava o mesmo papel do Camp Nou.

Voltando ao futebol, onde o que vale também é vencer a qualquer custo, o Barcelona se mantém firme em seus princípios, em seus valores. Quer ganhar como qualquer time, mas como não é um qualquer, prefere ganhar ovacionado por seus fãs e até mesmo pelos rivais. No futebol competição o Barcelona não desiste de ser arte, de ser verso de César Vallejo. Joga bonito por prazer, joga bonito por que que vencer assim, com poesia.

Aqui temos uma imagem que o Barça é um time milionário, destes Chelsea ou Real Madrid que despejam dinheiro e sabão no mercado internacional. O Barcelona é rico sim, sem dúvidas. Mas é muito diferente destes outros. O dinheiro serve pra trazer Daniel Alves e Henry no auge de suas formas. Mas o time catalão carrega um orgulho imaculado por suas divisões de base

Na final da Champions de ontem, 7 dos 11 titulares foram formados em casa. Víctor Valdés, Gerard Piqué, Xavi Hernandéz, Andrés Iniesta, Sergi Busquets, Carles Puyol e Lionel Messi. Orgulho catalão! Ainda mais que com a exceção do argentino fantástico, os outros 6 são da terra protegida por São Jorge

Leal a sua excência, fiel a sua história. E o Barça segue firme e forte! Reensinando ao universo da bola que aquele que joga bonito também pode ganhar. E mostrando ao mundo que para ter sucesso não é necessário se esquecer de princípios, assim como não é preciso passar por cima de seus valores e estipular um preço, pra tudo.

Barça campeão!!!

Imagem original: Sítio do Barça
Efeitos: Picnik