Opções pro Real Madrid sair do buraco

O Real Madrid vai ao Camp Nou com uma baita desvantagem nas costas.

Se vencer o Barcelona já não é fácil, vencê-lo por 2 gols de diferença no Camp Nou lotado é tarefa quase impossível. Mesmo para um galáctico Real Madrid.

No jogo de ida, na capital espanhola, o time merengue se limitou a defender. Com 3 ótimos centroavantes no elenco – Higuaín, Benzema e Adebayor – Mourinho optou por Cristiano Ronaldo na referência do ataque. Aliás, a única peça do ataque branco.

Se quiser chegar à final da Champions, o Real vai ter que mostrar mais. Apenas se defender a garantir o zero a zero, como na final da Copa do Rei, não basta.

Segundo o sítio da Espn Brasil, apenas 4 vezes na história o Real Madrid conseguiu bater o Barça na casa azul e grená pela diferença necessária para se classificar hoje. Na última, os merengues ainda contavam com a dupla histórica formada pelo húngaro Ferenc Puskas e o argentino Alfredo Di Stéfano, 5 X 1 pelo espanhol, em 1963. As outras 3 vezes que o Real foi à casa do Barcelona e voltou com uma vitória por dois gols de diferença ou mais aconteceram em 1930, 1935 e 1960.

Abaixo, listo algumas possibilidades mais ofensivas para o Real Madrid, levando em conta as ausências de Sergio Ramos e Pepe, suspensos.

Pra começar de leve, poucas mudanças. Abandono os 3 volantes – escalados nos 3 primeiros jogos nesta sequência de 4 partidas contra o Barça – mas a alteração para o esquema da moda, o 4-2-3-1, é quase mínima. Uma mudança um pouco mais radical seria manter Ozil na linha de armadores e recuar Kaká para volante, no lugar de Lass Diarra.

Mais uma opção com apenas um atacante é o 4-1-4-1, igual ao Chelsea de Avram Grant que chegou à final da Champions em 2008. É um esquema que eu gosto muito e, com um elenco tão vasto e qualificado, o Real pode muito bem jogar assim.

Já passando para dois dianteiros, a primeira opção é o 4-4-2 à inglesa, com dois homens centralizados e dois meias abertos, quase pontas recuados, igual ao Manchester quando joga com dupla de ataque. Aqui também temos a opção de colocar Kaká para fazer um dos homens centralizados, saindo do time Lass Diarra ou Xabi Alonso. Di Maria também poderia dar lugar a Ozil, embora pra mim esta substituição não faça muito sentido.

Uma opção mais ofensiva com dois atacantes é o 4-1-3-2. Cuca já fez isto com o Cruzeiro, prendendo Marquinhos Paraná e adiantando Henrique para formar uma linha com Montillo e Róger. Pensando em mais segurança, Lass Diarra poderia ser o único volante, abrindo mão assim da excelente saída de bola de Xabi Alonso.

Abrindo mais o time, chegamos ao 4-3-3 com dois volantes. A Inter de Milão jogou assim na primeira partida das semis da Champions na temporada passada, contra o Barça, e venceu por 3 X 1. Naquela ocasião Mourinho postou Thiago Motta e Cambiasso na cabeça da área, com total liberdade para o meia Sneijder e os 3 atacantes – Eto’o, Pandev e Milito.

Outra possibilidade é o 4-3-3 com apenas um volante, mas contra o Barça da posse de bola – desde maio de 2008 o Barcelona tem mais posse de bola que o seu adversário, em todos os jogos! – me parece um suicídio. Uma opção seria entrada de Granero em uma das meias e de Lass Diarra no lugar de Xabi Alonso, o que daria mais pegada ao time.

Agora chegamos aos esquemas com 3 zagueiros, que já adianto, pra mim não funcionam contra este Barça. Mas mesmo assim aparecem aqui como opções. A primeira é o 3-4-3 clássico, muitas vezes já utilizado por Cuca, principalmente em seus tempos de Botafogo. Rijkaard também jogou assim no Barça.

Outra formação com 3-4-3 poderia incluir 3 centroavantes enfiados na área do Barcelona. Como o time catalão é baixo e os merengues contam com grandes cruzadores, sem falar que os 3 homens de referência dos blancos sabem jogar, este esquema poderia trazer problemas para os comandados de Guardiola. Embora eu não acredite que dê certo, é uma possibilidade.

A última alternativa é um 3-2-3-2, com Marcelo e Di Maria fazendo as pontas e Cristiano Ronaldo como segundo atacante. Uma opção mais ofensiva para esta forma de jogar seria recuar Kaká pro lugar do Xabi Alonso ou do Lass Diarra, colocando Ozil por dentro na linha de 3 armadores.

Anúncios

Éric Wolverine Abidal

Há cerca de um mês e meio, Abidal teve que dar um tempo na bola em virtude de um câncer no fígado.

A cirurgia para a extração do tumor foi um sucesso e a expectativa dos médicos era que, para a próxima temporada, o lateral francês do Barça estaria zero bala.

Há uma semana Abidal voltou a se exercitar.

E pra surpresa de todos, ontem foi relacionado para a partida de hoje contra o Real Madrid, válida pelas semifinais da Uefa Champions League.

Com as lesões de Gabriel Milito e Martín Montoya neste fim de semana, restou como opção para o sistema defensivo de Pep Guardiola apenas os garotos Muniesa e Fontás, ainda mais presentes no time B do Barça. Daí a aparição do Éric Wolverine Abidal.

Segundo a equipe médica do Barcelona, o francês perdeu um pouco de peso durante todo o processo, mas se encontra bem fisicamente.

Então vai pro jogo!

A notícia de que Abidal estaria no banco nesta terça foi recebida sob aplausos pelo elenco catalão, como mostra o vídeo da ESPN Brasil.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Abidal Wolverine, postado via vodpod
Vídeo: ESPN Brasil

Gol de placa? Não, gol de Messi!

O Barcelona venceu o Real Madrid no Santiago Bernabéu, 2 x 0 com 2 gols de Lionel Messi.

O segundo, uma pintura!

Um gol maradoniano que me fez lembrar o gol do eterno 10 argentino em outra semifinal, a da Copa de 86, contra a Bélgica.

site oficial do Barça preferiu a expressão Messídico para ilustar a obra prima do melhor do mundo.

Mas a definição que eu mais gostei foi a do André Kfouri na transmissão da ESPN, “um gol de Messi”, simples assim.

O repórter ainda completou com maestria, “temos que nos acostumar com esta expressão”.

Como se Messi fosse um sinônimo de beleza, de genialidade.

E por acaso não é?
Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Messídico!, postado via vodpod

Vídeo: Globo

11 contra 11

Não tenho muito o que escolher, alguém entra no lugar dele, jogaremos com 11.

A frase, um tanto irônica, foi proferida por Josep Guardiola, treinador do Barcelona, na entrevista coletiva desta terça, 26 de abril, antes do clássico contra o Real Madrid.

Sem seus 3 laterais esquerdos – Abidal, Adriano e Maxwell – Guardiola ganhou mais um desfalque nesta terça, o meia Andrés Iniesta que sofreu uma contratura na panturrilha direita e está fora do jogo no Bernabéu.

Seydou Keita deve entrar no lugar de Iniesta.

Já na defesa o problema é mais complicado e Guardiola terá que improvisar. O mais provável é que Mascherano apareça no miolo de zaga com Puyol sendo deslocado para a lateral esquerda.

Imagem: tpower1978

O futebol é maravilhoso!

Schalke 04 e Manchester United fizeram o primeiro jogo das semifinais da Champions League, em Gelsenkirchen, na Alemanha.

Teoricamente, um confronto entre Davi e Golias, um pouco menos depois que o time alemão destroçou a Inter de Milão – atual campeã – nas quartas de final.

Mas o jogo começou como a teoria indicava, Manchester como um rolo compressor e o Schalke assustado, se segurando pelas defesas do goleiro Manuel Neuer.

Só no 1º tempo foram 11 finalizações inglesas, 9 de dentro da área. E nada de gol.

A 2ª etapa começou como terminou a 1ª, Manchester em cima e Schalke se defendendo como podia. Até que Ralf Rangnick sacou Baumjohann e colocou em campo o volante Peer Kluge, equilibrando a partida.

E justo quando o jogo havia se tornado mais parelho, o Manchester encontrou seu 1º gol, Ryan Giggs depois de um passe primoroso de Wayne Rooney. Dois minutos depois, Rooney dobrou a diferença, Schalke 0 X 2 Manchester United.

O Manchester massacrou o Schalke por 60 minutos, mas não encontrou o gol. E só conseguiu vazar a meta defendida por Manuel Neuer quando o time alemão equilibrou a partida.

É por isto que o futebol é maravilhoso!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo

UEFA Champions League 09/10

Hoje começa a UEFA Champions League, o melhor torneio de futebol de clubes do mundo e pra mim, técnicamente melhor até que a Copa do Mundo, tendo esta última um componente extra que é a disputa entre nações, mas do ponto de vista técnico não tenho a menor dúvida que a Champions é melhor.

O Barça defende o título da última temporada e mais uma vez é um dos faoritos. O Real Madrid começa a disputa da competição cheio de pompa, com Kaká e Cristiano Ronaldo, dois campeões dos últimos 3 anos. Mas eu tenho a sensação que este ano é do Chelsea. Os azuis de Londres passaram raspando nas duas últimas edições da Champions. Na temporada 07/08 foi finalista e na decisão teve uma grande chance de levantar a taça. Com 4 X 4 na disputa de pênaltis bastava o capitão John Terry converter a última cobrança, mas o zagueirão acabou escorregando e na sequência o Manchester faturou.

Na edição anterior o Chelsea repetiria a final com o Manchester até os 49 do segundo tempo da partida de volta da semi contra o Barça. Mas Iniesta acertou um chute fantástico da entrada da área desclassificando o time de Stamford Bridge. E na finalíssima deu Barça, 2 X 0 sobre os pupilos do Sir Alex Ferguson.

Pra este ano o Chelsea manteve a base da temporada passada. Só perdeu Shevchenko – que hoje em dia não faz muita diferença – e contratou o russo Zhirkov que é um bom jogador, mas nada de excepcional. Em compensação no banco de reservas tem agora o italiano Carlo Ancelotti, retranqueiro convicto, mas que sabe o caminho do título. Ele foi campeão com o Milan por duas vezes como jogador (88/89 e 89/90) e outras duas como treinador (02/03 e 06/07). O futebol dos times dirigidos por Ancelotti também não me agradam, em nada! Mas que ele sabe armar equipes vencedoras e difíceis de serem batidas, isto é inegável.

Abaixo uma rápida análise dos 32 times da Uefa Champions League 09/10

Os Favoritos

barçaBarcelona

Como não poderia deixar de ser o Barça entra na Champions deste ano como um dos grandes favoritos. E não há outra expctativa para uma equipe que tem um ataque formado por Messi, Ibrahimovic e Henry. Sem falar em Xavi, Iniesta, Yaya Touré, Daniel Alves e Piqué, um timaço!

Ponto Positivo: São muitos os pontos fortes do Barcelona. Sua escola de jogo, tão própria, tão bela. A divisão de base catalã que não para de fornecer jóias à equipe principal. O meio de campo formado por Yaya Touré, Xavi e Iniesta. Mas sem dúvida a grande expectativa é para o que farão juntos Messi, Ibrahimovic e Thierry Henry.

Ponto Negativo: Por outro lado é difícil ressaltar alguma coisa negativa no time dirigido por Josep Guardiola. Talvez apenas a pressão de defender o título. Lembro que na temporada passada eu e Thiaguinho Lesadão conversávamos sobre a dificuldade de vencer duas vezes consecutivas uma competição deste peso.

Estádio: Camp Nou – Capacidade: 98.772 expectadores.

chelseaChelsea

Como já disse acima tenho a sensação que este será o ano do Chelsea. O time londrino bateu na trava nas duas edições anteriores e penso que Carlo Ancelotti pode trazer a fagulha vencedora que faltou aos azuis nas temporadas passadas.

Ponto Positivo: O Chelsea manteve sua base da temporada passada. Perdeu o ucraniano Shevchenko e contratou o russo Zhirkov. O time é muito forte com uma defesa sólida, um meio de campo excelente que conta com os ótimos Essien e Lampard. Além de um ataque letal com a dupla Drogba e Anelka.

Ponto Negativo: A pouca camisa. Embora o Chelsea tenha se transformado em uma grande potência, seus concorrentes ainda o olham de cima. O time londrino ainda não conseguiu perder a cara de novo rico, de emergente. E isto pode pesar na hora da decisão.

Estádio: Stamford Bridge – Capacidade: 42.055 expectadores.

liverpoolLiverpool

Se tem um time que pode ser enquadrado no rótulo de copeiro no velho continente este é o Liverpool. Tá sempre chegando e vez por outra ganhando. Ou vocês não se lembram da fantástica decisão de 2005 em Istambul?

Ponto Positivo: A essência copeira. O Liverpool é daqueles times chatos. E quando faz a primeira fase meio capenga, aí que os rivais devem se preocupar mesmo. É uma espécie de Itália dos clubes europeus. Também conta com uma fanática torcida e dois jogadores que eu julgo muito acima da média, o espanhol Fernando Torres e o inglês Steven Gerrard, este último absolutamente fantástico!

Ponto Negativo: O time atravessa uma grave crise financeira. Perdeu um de seus pilares no meio campo, o volante espanhol Xabi Alonso que foi para o Real Madrid, juntamente com o lateral Arbeloa. Faltam peças de reposição e isto pode fazer a diferença.

Estádio: Anfield Road – Capacidade: 45.362 expectadores.

manchester_unitedManchester United

É verdade que o Manchester perdeu seu principal craque para o Real Madrid, o português Cristiano Ronaldo, melhor jogador do mundo na temporada passada. Também perdeu seu principal reserva, o argentino Carlos Tévez que foi para o rival de cidade, o City. Mas o Manchester é o Manchester e só isto já vale o favoritismo.

Ponto Positivo: Com a saída de Cristiano Ronaldo, Wayne Rooney assume cada vez mais o papel de protagonista do time de Alex Ferguson. E pelo início da temporada, o Shrek Rooney tem mostrado que a torcida dos Diabos Vermelhos pode se empolgar. Ele tá jogando muito e tem tudo pra se firmar este ano como um dos 5 melhores jogadores do planeta.

Ponto Negativo: É um momento de reestruturação do Manchester. Sem Ronaldo ainda não sabemos como o time se comportará. Em outras oportunidades em que Ferguson perdeu seu camisa 7 (Beckham e anteriormente Cantoná) o time passou por maus momentos. Mas eu não descarto o Manchester.

Estádio: Old Trafford – Capacidade: 76.212 expectadores.

Continue lendo

Questão de feeling

Josep-Guardiola-feelingsSem ele não teríamos alcançado tudo que conquistamos na temporada passada. Não existem motivos futebolísticos, pessoais nem comportamentais. Simplesmente, é uma questão de feeling, é assim que eu sinto. Creio que temos que mudar algumas coisas. Talvez eu esteja errado, mas a responsabilidade é minha. Assim como a decisão.

Samuel_Etoo e filhoJosep Guardiola,  técnico do Barcelona,  ao explicar – em sua primeira coletiva da temporada – porque não pretende contar com o futebol de Samuel Eto’o, autor de um dos gols na final da Champions 08/09.

Segundo o treinador é tudo uma questão de feeling, simples assim.

Eu sinceramente não estava entendendo os motivos do Barça rifar o excelente centroavante camaronês.

Vale lembrar que Eto’o participou de 2 dos 3 títulos europeus da história do Barça, e fez gols nas finais das duas conquistas em que esteve presente. Um jogador de talento e muita história no clube.

Continuo sem entender muito bem, mas contra o argumento do feeling não há o que retrucar. Se Pepe Guardiola sente que é hora de mudar, quem sou eu pra questionar…

Imagem: Bojan Krkic e Football Pictures