Os dias em que eu era Sócrates

Após os jogos da Copa de 86, as crianças saíam entusiasmadas para bater uma bola no asfalto da rua Manaus, zona leste de Belo Horizonte.

Meus amigos e eu, no auge da ilusão com o futebol.

Cada um tinha seu craque preferido.

Lu, o matador, era Careca. Maurício o Galinho de Quintino e Raul, goleiro desde sempre, até no nome, era Carlos.

Eu era Sócrates…

Com a bola de plástico eu tentava repetir os calcanhares do Magrão, do Doutor.

Doutor da bola, capaz de curar qualquer amargura ou defeito da redonda.

Jogador clássico e de extrema classe que, desde os meus primeiros reparos ao futebol, me encantava.

Mais velho, descobri outras facetas brilhantes do Doutor.

A caneleira amarela que, silenciosamente, gritava por democracia! O punho cerrado que dizia não aos poderosos.

Sócrates, como o filósofo, contestador.

Em 21 de junho de 1986, naquele sábado, não houve futebol na rua Manaus.

A alegria das crianças e da bola na rua fora substituída pela tristeza cinzenta de um dilúvio.

E nós, garotos da Manaus, colamos a cara no vidro da janela esperando que a chuva passasse e que o tempo voltasse, fazendo o Brasil vencer a França no México e a bola rolar no asfalto da rua de nossas infâncias.

25 anos depois, Belo Horizonte voltou a acordar cinzenta.

O 4 de dezembro de 2011 chegou com a notícia triste da morte do Magrão.

A rua Manaus já não é a mesma. As casas aconchegantes viraram prédios enormes, frios e sem sentimento. As jabuticabeiras foram cortadas e os pés de jambo são apenas lembranças cheirosas de um bairro que praticamente não existe mais.

Eu já não tenho tamanho nem idade pra fingir de Sócrates. Já não me atrevo aos calcanhares com a bola dente de leite e os amigos daquele tempo estão cada um em um canto, todos adultos, com suas vidas e preocupações.

Mas uma coisa ainda me permito, colar a cara no vidro da janela e esperar que a chuva passe, que o tempo regresse desfazendo aquilo que não quero acreditar.

Imagem: Gazeta Press
Efeitos: Picnik

Um beija flor entre os leões indomáveis

O Giuseppe Meazza nunca mais foi o mesmo depois daquele oito de junho. Quantos derbys dellaa madonnina já passaram, quantos craques já pisaram seu gramado, quantas vezes as redes já balançaram ali, mas nunca mais como naquela mágica tarde de oito de junho.

De um lado os argentinos com toda sua tradição, classe e soberba. Envoltos no manto alviceleste, os hermanos desfilavam pálidos, lúridos, atônitos com tamanho fulgor vindo dos adversários; aqueles verdadeiros leões vestidos de verde, amarelo e vermelho que, com seu negrume, pareciam carregar todas as cores do mundo.

El pibe deoro não conseguia brilhar, era ofuscado pelas presas africanas que logo se converteriam em predadoras, destruindo em segundos a glória de dois mundiais, a história de mais de um século de futebol em terras platinas.

Aos vinte e dois minutos do segundo tempo uma falta que Makanaky desviou meio sem jeito no primeiro pau. A bola subiu, roçou as nuvens de Milão e, provavelmente, foi tocada por um dos Deuses dos estádios, quem sabe Schiavio, quem sabe Santagostino ou até mesmo Meazza.

Quando a esfera atingiu o topo de sua parábola, faltando muito pra voltar ao campo de jogo, François Omam-Biyik saltou e os argentinos o olharam com estranheza. O camisa sete esguio e desengonçado não se deteve com o assombro dos adversários e simplesmente pairou. Durante minutos ficou ali, parado sobre a cabeça de Néstor Sensini, como um beija flor. Sem se importar com o tempo nem com a distância, só esperando pacientemente a bola voltar.

E quando ela voltou bastou um leve toque de cabeça para vencer o goleiro argentino e encher de alegria as redes do San Siro. As cores da África invadiam a Itália, pintavam o mundo.

Naquela tarde de oito de junho, o verde, o amarelo e o vermelho representaram muito mais que a união do continente negro, simbolizaram o conúbio de todo universo da bola com aqueles guerreiros de ébano, com aqueles leões indomáveis.

E entre os leões, havia um beija flor.

Imagem: Kenyan List
Vídeo: Obsessional TV

10 motivos para apoiar o #ForaRicardoTeixeira

Se você acha um disparate que uma entidade, dita como democrática, seja presidida por mais de duas décadas pelo mesmo homem, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha uma toleima que um sujeito vá rotineiramente a Zurique nos últimos 20 anos e nunca tenha visto os vitrais de Marc Chagall, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha uma contrassenso que um presidente de qualquer entidade dê uma canetada prolongando seu próprio mandato de 4 para 7 anos, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha um despautério que alguém venda seu voto em qualquer tipo de eleição, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha um absurdo que alguém compre votos em qualquer tipo de eleição, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha uma estolidez um sujeito passar por uma vitrine e ficar impressionado com um casaco de pele que custa apenas mil euros, apoie o #ForaRicardoteixeira.

Se você acha sem razão que todo o poder do futebol brasileiro fique nas mãos de um único homem, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha bizarro que a Copa do Mundo, que tem como sede um PAÍS, esteja nas mãos de um único homem, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha um dislate que o presidente do comitê organizador de uma Copa do Mundo ameace a imprensa, inclusive com promessas de não credenciamento para o evento, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Se você acha uma vergonha qualquer tipo de arrogância e prepotência, apoie o #ForaRicardoTeixeira.

Desde a meia noite desta quinta, 21 de julho, está no ar o #ForaRicardoTeixeira, site que se propõe a aglutinar tudo que sai nas redes sobre o reizinho Ricardo Teixeira, o déspota do futebol brasileiro.

O Ópio do Povo aprova esta idéia!

E se você concorda com um destes 10 motivos ou possui qualquer outro, então apoie o

#ForaRicardoTeixeira!

Imagem: Print do #ForaRicardoTeixeira

I Seminário do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa

Neste fim de semana, Belo Horizonte recebe o I Seminário do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa.

O objetivo é discutir os impactos da Copa de 2014 no Brasil e, principalmente, em BH.

Embora a grande mídia apresente a Copa como uma consolidação da estabilidade econômica no país e uma fonte de oportunidades e criação de renda para a população, megaeventos desta magnitude trazem também uma série de interferências sociais que podem culminar em um Estado de Exceção, propício a todos os desmandos e desrespeitos aos direitos humanos e sociais.

Sem falar na torneirinha de dinheiro público que jorra, jorra, sem o menor controle das autoridades que deveriam ser responsáveis pelo correto uso do erário público.

Além dos painéis de debate e dos grupos de trabalho que se formarão no Seminário, o evento terminará com um campeonato de pelada que será realizado na Praça da Estação, um dos espaços públicos de BH com uso mais questionado pela poluação no último ano.

Abaixo, a programação do I Seminário do Comitê Popular dos Atingidos pela Copa.

Sexta – 13/05

18 Horas – Painel 1 – Os Megaeventos e as violações aos direitos humanos e sociais

Sábado – 14/05

9 Horas – Painel 2 – A Cidade de Exceção e a Copa do Mundo

11 Horas – Painel 3 – Mobilidade Urbana pra quem?

14 – HorasGrupos de Trabalho

18 Horas – Painel 4 – Impactos de economia e urbanística decorrentes da realização do Mundial da Fifa no Brasil

Local dos painéis e dos grupos de trabalho: Auditório da Faculdade de Direito da UFMG (avenida João Pinheiro, 100, centro de Belo Horizonte).

Domingo – 15/05

Copelada – Campeonato de Pelada (inscrições às 15 horas e início dos jogos às 16 horas).

Local do Copelada: Praça da Estação, centro de Belo Horizonte.

O Comitê Popular dos Atingidos pela Copa 2014 é composto por pessoas de diversos setores da sociedade e busca discutir e entender os processos para a realização da Copa do Mundo de 2014. O objetivo do coletivo é fiscalizar e pressionar as autoridades quanto à utilização do dinheiro público na Copa, assim como o usofruto dos benefícios do evento por parte das cidades e suas populações.

Pra quem curte o tema, o Ópio do Povo tem a campanha 2014 – Eu não quero pagar a conta, participe!

Imagens: Comitê Popular dos Atingidos Pela Copa – BH

Abram se as torneiras…

Nesta segunda, 19 de julho, o presidente Lula anunciou investimentos na ordem de 23,5 bilhões de reais para as obras necessárias para a realização da Copa do Mundo de 2014 e assinou a medida provisória que aumenta o limite de endividamento das cidades que sediarão jogos do mundial.

Sobre os investimentos, a maior parte será destinada à questão da mobilidade urbana, metrôs, linhas de ônibus, anéis rodoviários, viadutos e afins. 11,5 bilhões de reais serão alocados nesta questão que engessa as metrópoles brasileiras.

5,5 bilhões de reais serão destinados à melhoria dos aeroportos e outros 740 milhões de reais serão investidos na revitalização de 7 portos.

1 bilhão de reais será investido na ampliação e incremento da rede hoteleira. O BNDES também criará uma linha especial de crédito para a construção e reforma de estádios estimada em 4,8 bilhões de reais.

Sobre a MP, ela passa por cima de um acordo firmado em 2001 entre União e Municípios que fixava o limite de endividamento das cidades em 100% de suas receitas líquidas anuais. Com a assinatura da medida provisória, os municípios podem agora contrair dívidas no valor de 120% da receita.

Lula disse que não quer que a história do Pan de 2007 se repita. Pelas primeiras páginas do conto, dá pra imaginar que o final não será o mesmo?

Os Destaques da Copa

Craque Andrés Iniesta (Espanha).

Jogador Revelação (Sub 21) – Thomas Müller (Alemanha).

Melhor GoleiroIker Casillas (Espanha).

Melhor DefensorPer Mertesacker (Alemanha).

Melhor MeiaAndrés Iniesta (Espanha).

Melhor Atacante Diego Forlán (Uruguai).

Melhor TécnicoJoachim Löw (Alemanha).

Melhor ÁrbitroRavsham Irmatov (Uzbequistão).

Melhor Bandeira Rafael Ilyasov (Uzbequistão).

Melhor Defesa Luis Suárez (Uruguai) no jogo contra Gana nas quartas.

Gol Mais Bonito Quagliarella (Itália) no jogo contra a Eslováquia na primeira fase.

Personagem – Polvo Paul.

Melhor Imagem: A entrada em campo da seleção sulafricana na partida inaugural contra o México.

Melhor Jogo Alemanha 4 X 1 Inglaterra.

Jogo Mais EmocionanteUruguai 1 X 1 Gana.

A Seleção da Copa

Publico agora a minha, ou melhor, as minhas seleções da Copa.

Primeiro e segundo time porque escolher só 11 é muito difícil.

Primeiro Time (3-2-3-2)

Segundo Time (4-1-3-2)

Imagem Original: Submarino
Efeitos: Picnik