Eu já sabia não, todo mundo já sabia!

Eu poderia começar este post com a famosa frase dos profetas do acontecido, eu já sabia! Mas como diz o título, esta todo mundo já sabia.

Após a expulsão de Felipe Melo liguei para o amigo Thiaguinho Lesadão e antes do alô ele disse: A gente já tinha cantado essa pedra hein Bê.

Pois é, não era preciso nenhuma mediunidade para saber que isto aconteceria. Foi só a coisa apertar que Felipe Melo mostrou todo seu destempero, um pisão covarde em Arjen Robben quando o Brasil já perdia por 2 X 1 e vivia seu momento de maior pressão no mundial da África do Sul.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.
Eu já sabia não, todo mundo já sabia!, postado via vodpod

Mas Felipe Melo não se limitou a fazer bobagens só dentro de campo. Na zona mista após o jogo suas declarações foram lamentáveis. Disse que aquilo foi um lance de jogo, sem deslealdade, e que se ele tivesse entrado com maldade Robben não teria continuado em campo pois ele, Felipe Melo, teria força suficiente para quebrar a perna do holandês.

não fiquei atônito com as declarações porque era o Felipe Melo falando. E isto é exatamente o que eu e todos que acompanham futebol além da Copa esperam do volante da Juventus. Desequilibrado é pouco pro garoto.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.
Eu já sabia não, todo mundo já sabia! – 2, postado via vodpod

Vídeos: Globo
Anúncios

Medíocre dos pés à cabeça

felipe_melo-fiorentina-juventus-seleção_brasileiraQuem me conhece sabe o que penso sobre Felipe Melo, é um jogador medíocre na essência da palavra, médio mesmo.

Com um agravante, pensa que joga mais, mas muito mais, do que realmente joga. E como isto é perigoso.

Ontem à tarde mesmo eu conversava com Thiaguinho – o lesadão – sobre esta característica do volante da Juve e da Seleção Brasileira. Não imagino Felipe Melo fazendo 7 jogos de Copa seguidos – partidas tensas pela natureza e grandeza do torneio – sem ser expulso, fazer um pênalti e entregar pelo menos 2 gols aos adversários.

Como pensa que joga muito mais do que realmente joga tá sempre inventando, dando um calcanhar desencessário, tentando um chapéu em um momento que exige o famoso bola pro mato que o jogo é de campeonato.

Não consigo ver as grandes qualidades dele que a imprensa, de forma geral, tanto exalta. Assim como não concebo a idéia de que ele arrumou o meio de campo da seleção.

Sua saída de bola é só regular e seu passe tembém não passa disto. A chegada na frente e a finalização também não são lá estas coisas e está longe de ser um exímio marcador como muitos têm falado. É violento demais para isto. Bom marcador é aquele que rouba muitas bolas e faz poucas faltas. E ele pára mais jogadas com infrações que propriamente com desarmes.

Ontem depois de sua expulsão Felipe Melo mostrou que não é medíocre só com a bola no pé. Tentando justificar o injustificável – uma desleal solada na coxa do adversário, totalmente desnecessária – veio com a famigerada e ultrapassada frase:

Futebol é coisa pra homem.

Aí ficam as perguntas: Ser homem é dar porrada? Eu não sabia disto… E será que ele não conhece uma tal de Marta? Ou a Cristiane? Ou a Birgit Prinz?…

Tenha dó Felipe Melo, futebol é um esporte como outro qualquer que pode ser praticado tanto por homens como por mulheres.

E vê se aprende com seu companheiro de profissão e de posição, o volante Elias do Corinthians que outro dia, em uma coletiva do time do Parque São Jorge, soltou a seguinte pérola – no bom sentido da expressão:

Futebol masculino é coisa pra homem, assim como o feminino é coisa pra mulher!

Imagem: Blog do Torcedor

Expulsão Insólita

Panathinaikos e Asteras Tripolis jogavam pela Liga Grega.

Aos 45 do segundo tempo um torcedor do Pao invadiu o campo.

O argentino Adrián Bastía, do Asteras, passou a famosa rasteirinha no invasor.

E por facilitar o trabalho dos seguranças acabou expulso.

Bastía havia marcado o gol do Asteras. A partida terminou 1X1.