O Mal da Copa

Tenho ouvido muitas reclamações sobre a Copa do Mundo.

A bola é horrível, as vuvuzelas são insuportáveis, os gramados estão soltando tufos, a arbitragem erra como sempre e o futebol apresentado é feio como nunca.

Mas pra mim, nada tem sido pior na África do Sul que a atuação dos técnicos.

Javier Aguirre só fez lambança. Escolheu um goleiro titular de um metro e setenta e um, deixando no banco o bom Guillermo Ochoa, do América do México. Utilizou mais o ex jogador Cauahtémoc Blanco que os jovens Chicharito Hernández e Pablo Barrera. Sem falar na inexplicável reserva de Andrés Guardado, melhor meio campista da Seleção Azteca.

Capello não conseguiu fazer o timaço da Inglaterra jogar. Mesmo com Carrick, Barry, Lampard e Gerrard, o meio de campo inglês não existiu na Copa. E o que dizer da preferência por Heskey ao invés de Jermain Defoe ou mesmo Peter Crouch?

Milovan Rajevac, o técnico Rayovac de Gana, inexplicavelmente deixou Sulley Muntari no banco. Eu sei que eles tiveram seus atritos antes do Mundial, mas em hipótese alguma Muntari deveria ficar fora deste time. Ainda mais sem Michael Essien. Outra coisa que não entendo, como o garoto Dominic Adiyiah não tem uma chance pra jogar pelo menos 30 minutos? Ele é bem melhor que qualquer atacante de Gana, até mesmo que o artilheiro Asamoah Gyan.

Bert Van Marwijk tirou Van Persie de campo para colocar Huntelaar e o atacante do Arsenal chiou. Se você já viu o centroavante do Milan jogar você sabe que Van Persie tem razões suficientes para reclamar.

Sobre Marcello Lippi há pouco o que dizer. Basta falar que ele levou para a Copa o miolo de zaga da Juventus, sétima colocada no fraquíssimo Campeonato Italiano. Também poderíamos lembrar que ele deixou de convocar Totti, Balotelli, Cassano, ou que preferia jogar com Iaquinta e Gilardino e deixar Di Natale e Quagliarella no banco, mas enfim.

Não é que Carlos Queiróz tenha montado um esquema defensivo, ele simplesmente traumatizou os jogadores portugueses que agora se negam a entrar na área adversária, os estudiosos andam chamado a enfermidade de golfobia. Brincadeira como Queiróz armou a equipe, dava pena ver o Cristiano Ronaldo jogar completamente isolado neste time.

Dunga paga pela má convocação e com o que possui no banco até que tem se virado bem. Mas fora de campo a mesma grosseria e estupidez de outros carnavais. Esperar o que de um cara que ao levantar a taça de campeão do mundo xingou ao invés de comemorar.

Sven Goran Eriksson foi o confuso professor de sempre. Preferiu o limitado Tiotê ao eficiente Romaric, o travado Dindane ao insinuante Gervinho. Na partida contra o Brasil errou ao deixar Kalou no lado esquerdo, se invertesse o possicionamento do jogador do Chelsea, e ele fosse bater com Michel Bastos, o resultado do jogo poderia ter sido diferente.

Vicente del Bosque nem provou uma formação com Xavi, Iniesta e Fabregas, o que me parece um absurdo. Com três meias deste porte ele tinha que pelo menos tentar jogar com todos eles.

Pra fechar, Raymond Domenech – técnico da França e de longe o maior trapalhão do Mundial da África do Sul. Sobre Domenech não vou falar nada, prefiro dar a palavra ao atacante Nicolas Anelka.

Se os professores gostam mesmo de futebol ou só estão nessa pelo dinheiro e pelo prestígio? Sinceramente não sei.

Imagem: Futuri Campioni Sport Sordi
Anúncios

O Salário dos Professores

Quem acompanha o Ópio sabe do respeito que tenho pela escola italiana de técnicos de futebol. Há muito que defendo o criticado Carlo Ancelotti, só pra ficar em um exemplo.

Não que eu seja retranqueiro, não que eu goste de defesa, mas que os italiaanos sabem armar um time, isto pra mim é inegável.

Outro ponto que venho defendendo aqui é que a Inglaterra, dirigida pelo italiano Fabio Capello, é sim a grande favorita pra Copa do ano que vem, por vários motivos.

Porque joga praticamente em casa (quem conhece a África do Sul sabe o que falo, o país é – até hoje – de propriedade dos ingleses e dos holandeses), por ter o melhor meio de campo do mundo com Barry, Lampard, e Gerrard, por ter Wayne Rooney na frente, por ter John Terry e Ferdinand no miolo de zaga, timaço! Mas também porque a Inglaterra tem em seu comando Fabio Capello.

Hoje vi um post no blog da Marília Ruiz com os salários dos 32 técnicos que estarão no Mundial da África do Sul. O mais bem pago dos 32 professores, Fabio Capello. O segundo, Marcelo Lippi. Nosso treinador anão, Dunga, só aparece na 11ª posição ao lado de Maradona (Argentina), Takeshi Okada (Japão) e Ricki Herbert da Nova Zelândia.

E o mais surprrendente pra mim foi saber que o menor salário dos treinadores da Copa não é do técnico da Coréia do Norte, Kim Jong Hun. O norte coreano é o 31º mais bem pago, à frente do treinador da Nigéria, Shaibu Amodu.

Confira a lista completa no Blog da Marília Ruiz!

Imagem: N K Ashokbharan

Capello, o onipresente

fabio_capello-inglaterra-english_teamHá algumas semanas a Globo – querendo pagar pouco, jejejejeej – lançou a campanha O Melhor Emprego do Mundo que selecionará um jornalista formando ou recém formado para o cargo de correspondente internacional dos seus canais à cabo.

Ser correspondente deve ser legal mesmo, mas o melhor emprego do mundo – da perspectiva de um viciado em futebol – é sem sombra de dúvidas o do senhor Fabio Capello.

Neste fim de semana o técnico da seleção inglesa esteve em 4 estádios diferentes acompanhando partidas da Premier League. E não foram joguinhos quaisquer.

No sábado Capello visitou o noroeste inglês. Foi a Bolton assistir a partida do time local contra o Tottenham. Jogo pra lá de emocionante que terminou empatado em 2 X 2.

Logo depois o técnico do English Team estava no Old Trafford vendo Manchester United X Sunderland. Com um golaço do búlgaro Berbatov e outro golzinho chorado do lateral Evra aos 47 do segundo tempo, os Red Devils garantiram o empate em 2 X 2 e mantiveram um tabu que já dura 41 anos. A última vitória do Sunderland contra o United em Manchester foi em 1968.

Mas se o sábado já havia sido bom, o que falar do domingo?

Primeiramente Capello teve a oportunidade de acompanhar a melhor partida do fim de semana, Arsenal 6 X 2 Blacburn Rovers no Emirates Stadium, com direito a show dos comandados de Arsène Wenger. O passeio dos Gunners foi 6 X 2, mas não é nenhum exagero dizer que poderia ter sido 10 x 4 ou 11 X 5. Detalhe, 8 gols marcados por 8 jogadores diferentes, eu nunca havia visto algo assim. Jogo histórico, inesquecível! E tenho quase certeza que o treinador da seleção inglesa se lamentou demais por Cesc Fabregas ser espanhol, que maturidade aos 22 anos, que grande craque!

Fabio Capello saiu do Emirates e se dirigiu ao Stamford Bridge para assistir o clássico Chelsea X Liverpool. Mais uma grande partida que terminou com a vitória da equipe londrina por 2 X 0 com gols dos franceses Anelka e Malouda. E excepcional apresentação do ebúrneo Didier Drogba.

Pra muita gente o fim de semana de Fabio Capello pode parecer um martírio, sábado e domingo trabalhando, viagens e tal. Mas pra mim, um viciado em futebol, este fim de semana mais parece um sonho. Não bastasse, hoje à tarde provavelmente ele estará em Birmingham pra mais uma partida que promete, Aston Villa X Manchester City que fecha a rodada da Premier League.

Da onipresença do Capello fica um ensinamento; técnico de seleção tem que viver em estádio. É só no campo que se vê um jogo em sua perfeição. O treinador anão da nossa seleção por exemplo, raramente é visto nos estádios do Brasil e da Europa. É por esta e por outras que o English Team é meu favorito pra levar a Copa de 2010.

Imagem: Estadão