A Fifa, a pizza e as farinhas do mesmo saco

Na última semana, Joseph Blatter foi reeleito para seu 4º mandato à frente da Fifa.

Candidato único, Blatter foi eleito entre uma tempestade de escândalos e acusações.

Suborno, compra de votos e abuso de poder, coisas que fazem parte da Fifa desde que Havelange desbancou o Sir Stanley Rous do comando do futebol mundial, em 1974.

Nesta última crise da cartolagem mundial do futebol, 3 nomes foram escolhidos para pagar o pato.

Mohammed Bin Hammam, ex presidente da Federação do Catar e atual presidente da Federação Asiática, foi impedido de enfrentar Blatter na eleição e suspenso de suas atividades.

Jack Warner, vice da Fifa e presidente da Concacaf. A exemplo de Bin Hammam, também foi suspenso de suas atividades.

Chuck Blazer, vice presidente da Federação Estadounidense de Futebol e Secretário Executivo da Concacaf. Blazer foi quem jogou a merda no ventilador nesta última onda de acusações e acabou afastado da Concacaf pelo presidente interino, Lisle Austin, presidente da Federação de Barbados.

O interessante é que se olharmos para trás, veremos que tanto Bin Hammam, como Jack Warner e Chuck Blazer faziam parte do séquito, quase real, de Sepp Blatter na família Fifa.

Bin Hammam foi o presidente do Projeto Goal, carro chefe da primeira administração de Blatter na Fifa. Em tese, o Projeto Goal serviria para promover melhorias estruturais nas federações de futebol pelo mundo. Com uma verba monstruosa e fiscalização quase zero do Comitê Financeiro da Fifa, do qual o próprio Bin Hammam também era membro, o Goal transformou-se em moeda de troca, constituindo-se em um importante instrumento para a aquisição de votos e aliados políticos para a turma de Blatter. E segundo o livro Jogo Sujo, do escocês Andrew Jennings, Bin Hammam foi um dos responsáveis pelos sacos de dinheiro que garantiram a primeira reeleição de Joseph Blatter.

Jack Warner era o vice do argentino Julio Grondona no Comitê Financeiro da Fifa. Sempre foi um cão de guarda e um cego defensor de Sepp Blatter. Ex presidente da Federação de Futebol de Trinidad e Tobago, estava à frente da Concacaf desde 1990. Nas eleições da Fifa, sua Confederação sempre votou em bloco e, desde que Blatter lá está, sempre apoiou o suiço. Warner é responsável por uma série de tretas envolvendo Fifa, Concacaf e o futebol nas Américas do Norte, Central e Caribe. Com seu poder político, Warner levou o Mundial Sub 17 de 2001 para Trinidad e como faturou! Alugou à Fifa o Centro de Treinamento da Federação trinitina, construído pela própria Fifa com dinheiro do Projeto Goal. Cobrou as hospedagens no hotel do tal centro de treinamento, também construído com dinheiro Fifa. A alimentação dos atletas, árbitros e dirigentes ficou a cargo de um  de seus filhos, assim como um projeto piloto de totens e internet, que teve o mundial sub 17 como plataforma teste. Até as passagens aéreas para o mundial saíram de uma agência trinitina, não respeitando um contrato prévio da Fifa com uma agência suiça de viagens.

Chuck Blazer sempre foi uma espécie de cachorrinho de estimação de Jack Warner. Criado pelo trinitino, Blazer cresceu no futebol levando para o mundo da bola toda sua experiência de mercado. É um dos responsáveis pela mudança da Concacaf para a Trump Tower, em Nova Iorque, um dos espaços comerciais mais caros do mundo. A ascensão de Blazer no futebol foi meteórica, muito em virtude de sua canina fidelidade a Jack Warner. Blazer foi uma das figuras fundamentais no processo de desmoralização do camaronês Issa Hayatou – presidente da Confederação Africana de Futebol e candidato à presidência da Fifa em 2002 – na primeira reeleição de Blatter.

Para aqueles que pensam que a Fifa viverá novos tempos, de transparência e moralidade, é bom colocar as barbas de molho. As denúncia de corrupção, suborno e compra de votos mais uma vez acabaram em pizza. E o pior, nada de novo se avista no mundo da cartolagem, as farinhas continuam as mesmas, as velhas farinhas do mesmo saco.

Imagens: BBCSumadhura
Anúncios

O Mal da Copa

Tenho ouvido muitas reclamações sobre a Copa do Mundo.

A bola é horrível, as vuvuzelas são insuportáveis, os gramados estão soltando tufos, a arbitragem erra como sempre e o futebol apresentado é feio como nunca.

Mas pra mim, nada tem sido pior na África do Sul que a atuação dos técnicos.

Javier Aguirre só fez lambança. Escolheu um goleiro titular de um metro e setenta e um, deixando no banco o bom Guillermo Ochoa, do América do México. Utilizou mais o ex jogador Cauahtémoc Blanco que os jovens Chicharito Hernández e Pablo Barrera. Sem falar na inexplicável reserva de Andrés Guardado, melhor meio campista da Seleção Azteca.

Capello não conseguiu fazer o timaço da Inglaterra jogar. Mesmo com Carrick, Barry, Lampard e Gerrard, o meio de campo inglês não existiu na Copa. E o que dizer da preferência por Heskey ao invés de Jermain Defoe ou mesmo Peter Crouch?

Milovan Rajevac, o técnico Rayovac de Gana, inexplicavelmente deixou Sulley Muntari no banco. Eu sei que eles tiveram seus atritos antes do Mundial, mas em hipótese alguma Muntari deveria ficar fora deste time. Ainda mais sem Michael Essien. Outra coisa que não entendo, como o garoto Dominic Adiyiah não tem uma chance pra jogar pelo menos 30 minutos? Ele é bem melhor que qualquer atacante de Gana, até mesmo que o artilheiro Asamoah Gyan.

Bert Van Marwijk tirou Van Persie de campo para colocar Huntelaar e o atacante do Arsenal chiou. Se você já viu o centroavante do Milan jogar você sabe que Van Persie tem razões suficientes para reclamar.

Sobre Marcello Lippi há pouco o que dizer. Basta falar que ele levou para a Copa o miolo de zaga da Juventus, sétima colocada no fraquíssimo Campeonato Italiano. Também poderíamos lembrar que ele deixou de convocar Totti, Balotelli, Cassano, ou que preferia jogar com Iaquinta e Gilardino e deixar Di Natale e Quagliarella no banco, mas enfim.

Não é que Carlos Queiróz tenha montado um esquema defensivo, ele simplesmente traumatizou os jogadores portugueses que agora se negam a entrar na área adversária, os estudiosos andam chamado a enfermidade de golfobia. Brincadeira como Queiróz armou a equipe, dava pena ver o Cristiano Ronaldo jogar completamente isolado neste time.

Dunga paga pela má convocação e com o que possui no banco até que tem se virado bem. Mas fora de campo a mesma grosseria e estupidez de outros carnavais. Esperar o que de um cara que ao levantar a taça de campeão do mundo xingou ao invés de comemorar.

Sven Goran Eriksson foi o confuso professor de sempre. Preferiu o limitado Tiotê ao eficiente Romaric, o travado Dindane ao insinuante Gervinho. Na partida contra o Brasil errou ao deixar Kalou no lado esquerdo, se invertesse o possicionamento do jogador do Chelsea, e ele fosse bater com Michel Bastos, o resultado do jogo poderia ter sido diferente.

Vicente del Bosque nem provou uma formação com Xavi, Iniesta e Fabregas, o que me parece um absurdo. Com três meias deste porte ele tinha que pelo menos tentar jogar com todos eles.

Pra fechar, Raymond Domenech – técnico da França e de longe o maior trapalhão do Mundial da África do Sul. Sobre Domenech não vou falar nada, prefiro dar a palavra ao atacante Nicolas Anelka.

Se os professores gostam mesmo de futebol ou só estão nessa pelo dinheiro e pelo prestígio? Sinceramente não sei.

Imagem: Futuri Campioni Sport Sordi

11 candidatos à craque da Copa

Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo dispensa apresentações. Se Portugal fizer uma boa Copa com certeza ele será um dos protagonistas. Principalmente depois do corte de Nani, todo esquema ofensivo dos lusitanos passa pelo craque do Real Madrid.

Drogba

Drogba é um dos melhores atacantes do mundo e teve uma temporada excelente no Chelsea. Mesmo com o cotovelo quebrado, o centro avante marfinense é um perigo. E Se a Costa do Marfim chegar longe será através de seus gols.

Júlio César

Em uma seleção onde o talento é reduzido, geralmente o brilho recai no sistema defensivo. Ainda mais se seu goleiro é Júlio César. Eu não acredito no Brasil, mas caso o penta vire hexa, Júlio César é o grande candidato à herói.

Maicon

Além de Júlio César, só vejo mais um brasileiro com chances de faturar o título de craque da Copa. E é seu companheiro de Internazionale, Maicon. O lateral vive fase estupenda e hoje é o melhor jogador de linha da pobre seleção do técnico anão.

Messi

Não importa quem ganhe o prêmio da Fifa ou da France Football, Messi é o melhor jogador do mundo, e sobre isto não há discussão. Na África do Sul a pulga terá a chance de mostrar que tembém pode brilhar pela Argentina, mesmo longe de Xavi, Iniesta e companhia. Continue lendo

A Copa opiácea

Com o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo da África do Sul já pipocaram previsões e simulações sobre o mundial na imprensa.

Pra não ficar de fora, aí vai a Copa do Ópio.

Grupo A

África do Sul 1 X 1 México
Uruguai 0 X 0 França
África do Sul 2 X 2 Uruguai
México 0 X 1 França
África do Sul 1 X 3 França
México 2 X 2 Uruguai

Classificação: 1º) França 7 – 2º) Uruguai 3 – 3º) México 2 – 4º) África do Sul 2

Grupo B

Argentina 1 X 2 Nigéria
Coréia do Sul 1 X 2 Grécia
Argentina 3 X 1 Coréia do Sul
Nigéria 0 X 0 Grécia
Argentina 0 X 0 Grécia
Coréia do Sul 1 X 3 Nigéria

Classificação: 1º) Nigéria 7 – 2º) Grécia 5 – 3º) Argentina 4 – 4º) Coréia do Sul 0

Grupo C

Inglaterra 3 X 0 Estados Unidos
Argélia 0 X 1 Eslovênia
Inglaterra 2 X 0 Argélia
Estados Unidos 3 X 2 Eslovênia
Inglaterra 1 X 0 Eslovênia
Estados Unidos 2 X 1 Argélia

Classificação: 1º) Inglaterra 9 – 2º) Estados Unidos 6 – 3º) Eslovênia 3 – 4º) Argélia 0

Grupo D

Alemanha 3 X 1 Austrália
Sérvia 2 X 4 Gana
Alemanha 1 X 1 Sérvia
Gana 2 X 1 Austrália
Gana 2 X 2 Alemanha
Sérvia 4 X 1 Austrália

Classificação: 1º) Gana 7 – 2º) Alemanha 5 – 3º) Sérvia 4 – 4º) Austrália 0

Grupo E

Holanda 2 X 3 Dinamarca
Japão 0 X 2 Camarões
Holanda 4 X 1 Japão
Camarões 1 X 3 Dinamarca
Dinamarca 2 X 1 Japão
Camarões 1 X 3 Holanda

Classificação: 1º) Dinamarca 9 – 2º) Holanda 6 – 3º) Camarões 3 – 4º) Japão 0

Grupo F

Itália 0 X 0 Paraguai
Nova Zelândia 0 X 4 Eslováquia
Eslováquia 1 X 1 Paraguai
Itália 5 X 0 Nova Zelândia
Eslováquia 1 X 1 Itália
Paraguai 3 X 0 Nova Zelândia

Classificação: 1º) Itália 5 – 2º) Eslováquia 4 – 3º) Paraguai 5 – 4º) Nova Zelândia 0

Grupo G

Brasil 3 X 0 Coréia do Norte
Costa do Marfim 2 X 1 Portugal
Brasil 2 X 1 Costa do Marfim
Portugal 1 X 1 Coréia do Norte
Costa do Marfim 4 X 2 Coréia do Norte
Brasil 0 X 0 Portugal

Classificação: 1º) Brasil 7 – 2º) Costa do Marfim 6 – 3º) Portugal 2 – 4º) Coréia do Norte 1

Grupo H

Honduras 1 X 3 Chile
Espanha 1 X 0 Suiça
Chile 1 X 2 Suiça
Espanha 6 X  1 Honduras
Chile 1 x 3 Espanha
Suiça 2 X 0 Honduras

Classificação: 1º) Espanha 9 – 2º) Suiça 6 – 3º) Chile 3 – 4º) Honduras 0

Oitavas de Final

França 0 X 0 Grécia – Prorrogação 0 X 0  – França passa nos pênaltis
Inglaterra 2 X 1 Alemanha
Dinamarca 2 X 2 Eslováquia – Prorrogação dá Dinamarca 1 X 0
Brasil 2 X 0 Suiça
Nigéria 3 X 1 Uruguai
Gana 2 X 0 Estados Unidos
Itália 2 X 0 Holanda
Espanha 3 X 2 Costa do Marfim

Quartas de Final

França 0 X 0 Inglaterra – Prorrogação Inglaterra 2 X 1
Dinamarca 2 X 4 Brasil
Nigéria 2 X 2 Gana – Prorrogação 0 X 0 – Gana passa nos pênaltis
Itália 1 X 3 Espanha

Semifinais

Inglaterra 1 X 0 Brasil
Gana 2 X 4 Espanha

Disputa de 3º Lugar

Brasil 5 X 3 Gana

Final

Inglaterra 2 X 0 Espanha

Imagens: FifaBlog do Edu Lima

Grupos da Copa 2010

Imagem original: Papéis de Parede
Efeito: Picnik

Com cheiro de punição

A Fifa é conhecida e reconhecida por sua falta de critérios e na escolha dos cabeças de chave para a Copa do Mundo da África do Sul não foi diferente. Para a surpresa de todos, a França – atual vice campeã e vencedora do Mundial de 98 – não entrou como cabeça de chave.

Não pela bola, já que os franceses vêm jogando um futebolzinho sofrível, digno de 4º pote. Mas pela tradição e pelos critérios utilizados até a Copa da Alemanha, era de se esperar que os Bleus estivessem entre os 8 times que encabeçam as chaves na África do Sul.

Até 2006 o critério era a participação nos últimos mundiais somado ao polêmico e contestado Ranking de Seleções da Fifa. Mas para a África do Sul a entidade máxima do futebol resolveu inovar… ou seria inventar? Decidiu ignorar a tradição mundialista e a participação nas últimas Copas, levando em conta única e somente seu controverso ranking.

E o pior, levou em consideração o Ranking de Outubro quando o Ranking atual já foi publicado pela entidade, o que – pelo menos pra mim – denota uma clara intenção de puxar a orelha dos franceses pela mão boba de Henry. Com o novo critério adotado a França 7ª colocada no ranking atual e 9ª no de outubroperdeu a condição de cabeça de chave. Outro país que se deu mal nessa foi Portugal. No atual ranking os lusos aparecem em 5º lugar, mas no de outubro – que foi o que valeu para a formação dos potes – os portugueses apareciam em 10º lugar.

Quem se deu bem com essa história foi a Argentina do melhor jogador do Mundo eleito pela tradicional revista France Football, Lionel Messi, do Barcelona. Em outubro a alviceleste era a 6ª colocada do ranking e na atualização de novembro aparece em 8º, o que deixaria os hermanos fora dos cabeças de chave já que o grupo A é reservado ao país sede.

Chamar a atitude da Fifa de novo critério é até brincadeira… tá com cara, cheiro e jeito de punição à mão boba de Thierry Henry na repescagem contra a Irlanda. E com Portugal e França no pote 4 ficou mais fácil que exista um afamado grupo da morte na África do Sul.

Abaixo, veja como ficou a distribuição dos 4 potes para o sorteio dos grupos que acontece nesta sexta, na belíssima Cidade do Cabo.

Pote 1 (Cabeças de Chave)

África do Sul – Alemanha – Argentina – Brasil – Espanha – Inglaterra – Holanda – Itália.

Pote 2 (Ásia, Concacaf  e Oceania)

Austrália – Coréia do Norte – Coréia do Sul – Estados Unidos – Honduras – Japão – México – Nova Zelândia.

Pote 3 (África e América do Sul)

Argélia – Camarões – Chile – Costa do Marfim – Gana – Nigéria – Paraguai – Uruguai.

Pote 4 (Europa)

Dinamarca – Eslováquia – Eslovênia – França – Grécia – Portugal – Sérvia – Suiça.

Imagem: The Mistery Spot

Já temos os 32

Ontem foram definidas as últimas vagas para a Copa do Mundo da África do Sul, em 2010.

19 seleções que estiveram na Alemanha em 2006 participarão novamente do Mundial.

Embora muitos digam que não teremos estreantes e outros ainda afirmem que há apenas 1, no meu ponto de vista 2 países estrearão em mundiais, a Sérvia e a Eslováquia.

Não imputo ao eslovacos as participações da antiga Tchecoslováquia, assim como não considero que a Sérvia herde a participação da Sérvia e Montenegro na Alemanha em 2006, mesmo que aquele grupo possuísse apenas um jogador montenegrino.

Abaixo a lista dos 32 países que jogarão na África do Sul e, assim que eu tiver tempo, prometo publicar o 1º Ranking de Forças do Mundial 2010 do Ópio do Povo.

África
África do Sul (país-sede)
Costa do Marfim
Gana
Camarões
Nigéria
Argélia

Ásia
Austrália (embora pertença à Oceania, o país dos cangurus disputou as eliminatórias pela confederação asiática)
Japão
Coréia do Sul
Coréia do Norte

Caribe, Américas do Norte e Central
Estados Unidos
México
Honduras

América do Sul
Brasil
Paraguai
Chile
Argentina
Uruguai

Europa
Dinamarca
Suíça
Eslováquia
Alemanha
Espanha
Inglaterra
Sérvia
Itália
Holanda
Eslovênia
Portugal
Grécia
França

Oceania
Nova Zelândia

Imagem: QueBarato!