Dois tetras em jogo no Rio

Flamengo e Botafogo se classificaram para a decisão da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca.

E agora dois tetras estão em jogo!

Pela primeira vez em sua história o Flamengo pode conquistar o carioca por 4 anos seguidos. O tri clássico já aconteceu em 5 oportunidades (1942, 1943, 1944 – 1953, 1954, 1955 – 1978, 1979, 1979 Especial – 1999, 2000, 2001 – 2007, 2008, 2009), mas o tetra nunca veio para o clube da Gávea.

O tetra no Rio de Janeiro só aconteceu uma vez, mas mesmo assim existe discórdia sobre o tema. O Fluminense foi campeão em 1906, 1907, 1908 e 1909, mas o título de 1907 foi parar na justiça e acabou divido com o Botafogo. É um tetra, mas manchado pela divisão de um dos troféus.

O outro tetra que está em jogo no Rio não é cercado de glórias e alerias, mas é inédito mesmo, sem discussão. O Botafogo pode ser o primeiro time carioca a ser vice campeão estadual por 4 anos seguidos. Isto nunca aconteceu, nem nos anos da Guanabara.

Em todas suas versões, o Campeonato Carioca de Futebol já teve 6 tri vices, Flamengo (1936 pela Liga Carioca de Futebol, 1937 pela Liga Carioca de Futebol, 1938), Botafogo (1945, 1946, 1947), Flamengo (1982, 1983, 1984), Flamengo (1987, 1988, 1989), Vasco (1999, 2000, 2001) e Botafogo (2007, 2008, 2009). Mas tetra vice seria mesmo inédito.

Pra mim, a chance do Botafogo de cortar sua macabra sequência de vice campeonatos e evitar o primeiro tetra rubro negro é vencer a Taça Rio no próximo domingo. Se o Flamengo vencer o segundo turno e levar a decisão para mais 2 jogos acredito que o Fogão não resita. Tecnicamente o time dirgido por Andrade é bem superior à equipe do Joel Santana e em 2 jogos esta superioridade tem mais chances de prevalecer.

Imagem: Justiça Desportiva
Anúncios

Dá-lhe Vuvuzelas

É, europeu é cheio de disse me disse mesmo… A gente faz qualquer coisinha e eles logo ficam incomodadinhos.

Joel Santana em defesa das criticadas Vuvuzelas, as cornetas sul africanas que tem um som parecido ao de uma abelha gigante e vêm irritando a imprensa internacional que cobre a Copa das Confederações na África do Sul.

vuvuzelas crianças

Imagem: East Coast Radio

Eu me assumo

junkieO incomparável Fiódor Dostoievski dizia que a história de um homem é a história de seus vícios. Quem me conhece sabe o quanto sou propenso ao vícios, diariamente fumo pelo menos 2 maços de cigarro, tomo 2 litros de café. Sou um contundente comedor de açucar – principalmente na forma de chocolate ou sorvete -, sem falar em tantos outros vícios, alguns lícitos ouros nem tanto, que cultivei e sigo a cultivar ao longo dos anos.

Neste fim de semana pude me deparar, ou pelo menos reconhecer mais um destes vícios.

Sempre gostei muito de futebol, embora não carregue comigo o fanatismo clubístico. Já fui fanático, é verdade, mas em outros tempos. O passar das primaveras e dos carnavais trouxeram pra mim um gosto pelo esporte bretão em seu sentido mais amplo, afastado do amor ao clube e levando o coração a acercar-se da bola propriamente dita.

Mas neste fim de semana não tive mais como fugir. Na manhã fria de domingo assisti, na íntegra, a partida África do Sul X Iraque pela Copa das Confederações. Minha desculpa interna era que queria ver o time do seu Natalino. Simplesmente horrível, não há outra palavra pra definir a partida. Quase tão ruim como aquele fatídico Brasil 0 X 0 Bolívia no Engenhão, pela eliminatórias pra Copa de 2010.

Depois de ver os mais de 90 minutos de África do Sul 0 X 0 Iraque – placar mais que lógico e justo pela bola jogada – não tive outra opção se não encarar de frente, me assumir.

Sou, inveteradamente, viciado em futebol

africa_do_sul_0_X_0_iraque_sofre-bola

Imagens: Twoday e Fifa