Noite de bruxas e um silêncio azul

la_brujita_veron

O Estudiantes conseguiu o que pouca gente acreditava, bateu o Cruzeiro no Mineirão e sagrou-se, pela quarta vez, campeão da Copa Libertadores.

Sob a batuta de Juan Sebastian Verónla Brujita – o time pincharrata jogou como um legítimo campeão.

Time por time, até acho o Cruzeiro ligeiramente superior. Mas também não tenho dúvidas que nas duas partidas finais o Estudiantes foi melhor. Em La Plata sufocou o Cruzeiro que se salvou graças à atuação perfeita do goleiro Fábio e só ameaçou nos últimos 10 minutos de jogo. Já na decisão do Mineirão, o Estudiantes encontrou muito espaço nos contra ataques e o time celeste não conseguiu sufocar os argentinos como eles fizeram em La Plata.

Então, levando-se em conta os dois jogos finais não tem como negar, o título ficou em ótimas mãos.

A china azul lotou o Gigante da Pampulha, mas com o passar do tempo e o aumento da tensão foi se calando e o time sentiu a falta do tão falado 12º jogador.

silencio_azul

Dentro de campo o jogo foi como queria o Estudiantes. Trancado, truncado, parado.

O Cruzeiro não conseguia ultrapassar as duas linhas de 4 armadas pelo treinador Alejandro Sabella e não ameaçava o goleiro Andújar. Já nos contra ataques, Gastón Fernández e Mauro Boselli levavam perigo ao gol de Fábio, embora faltasse um pouco de capricho nas finalizações.

veron_beija_a_taçaO gol de Henrique, aos 7 do segundo tempo, poderia ter mudado o jogo. Mas foi aí que o Estudiantes se apresentou como um verdadeiro campeão. E foi aí que apareceu a bruxa, o maestro argentino, Verón.

O time argentino não sentiu o golpe. 4 minutos depois do gol cruzeirense la brujita – que foi o jogador que mais roubou bolas na partida, 7 ao todo – recebeu um passe na esquerda, levou para o meio sem ser incomodado e encontrou Cellay livre livre na ponta direita. O cabeludo cruzou fechado e dentro da pequena área Gastón Fernández só empurrou para as redes.

Após o empate o Estudiantes tomou conta da partida e parecia jogar em La Plata. A torcida cruzeirense emudeceu por completo e dentro de campo o time se perdeu.

Aos 27 minutos Boselli marcou o gol da virada. O gol que lhe garantiu a artilharia da competição (8 gols) e assegurou a 4ª Copa Libertadores da história do Estudiantes.

Na base do abafa o Cruzeiro ainda tentou empatar, até meteu uma bola na trave, mas nada de gol.

Não acredito que houve oba oba por parte do time cruzeirense. O Adílson me parece sério e centrado demais pra deixar que o grupo se contaminasse pelo clima de já ganhou. Pra mim o Estudiantes venceu na bola mesmo, nem essa de catimba argentina cola.

Oba oba houve, e disto não há dúvida, nos órgãos de imprensa que levam a sério a história do É o Brasil na Libertadores. Mas o bairrismo profissional de Globo, Sportv e afins também já não surpreende ninguém.

Com soberba e salto alto ou não, deu Estudiantes na final da Libertadores.

Noite de bruxas e um silêncio azul no Mineirão…

O famoso gol de Juan Ramón Verón contra o Manchester United no Mundial de 68. O gol da Bruja, pai da Brujita, valeu o título intercontinetal aos Pinchas.

O famoso gol de Juan Ramón Verón contra o Manchester United no Mundial de 68. O gol da Bruja, pai da Brujita, valeu o título intercontinetal aos Pinchas.

Imagem Original: Notas de FútbolSuperesportes e Sport Vintage
Efeito: Picnik

E dá-lhe cotovelos

0 X 0 na primeira decisão da Libertadores. E se faltaram gols pra Cruzeiro e Estudiantes em La Plata, sobraram cotovelos pra todos os lados.

estudiantes cruzeiro

O jogo foi muito pegado e faltoso, 58 infrações ao todo, 33 do time mineiro e 25 do platense.

Mesmo com tanta porrada houve tempo para o futebol. O time de La Plata teve 5 boas oportunidades para marcar e em todas elas o goleiro Fábio foi perfeito. Das cinco defesa destaco 3 como realmente excepcionais. A falta do Verón no primeiro tempo, o chute de fora da área do mesmo camisa 11 dos Pinchas que Fábio nem deu rebote e, principalmente, a cabeçada de Rolando Schiavi no segundo tempo. Sem dúvida o empate tem nome.

Mas apesar do goleiro cruzeirense ter sido o melhor em campo, a melhor chance da partida foi da equipe mineira. Em um despretensioso cruzamento da esquerda o goleiro Andújar, atual titular da seleção argentina, soltou a bola no pé do atacante Kléber, pouco a frente da marca do pênalti. E inexplicavelmente ele, que joga tanto, perdeu o gol. Bola pra fora que fez o narrador global, tão bairrista, enrolar a língua e segurar o grito.

taça libertadoresE não foi só esta, nos últimos 10 minutos o Estudiantes se desestruturou e o Cruzeiro tomou conta do jogo. Se tivesse caprichado um pouquinho mais tinha vencido a partida.

De qualquer forma o resultado foi bom para o Cruzeiro que decide em casa. Mas os mais eufóricos que segurem a onda. Tradicionalmente os argentinos jogam com as duas partidas sem pesar muito o mando de campo, sem tanta pressão por fazer o resultado em casa. Basta lembrarmos a final da Copa Sulamericana do ano passado quando o mesmo Estudiantes perdeu em La Plata para o Inter, foi ao Beira Rio e venceu no tempo normal, perdendo o título só na prorrogação.

A decisão da Copa Libertadores ainda está aberta, mas sem dúvida o Cruzeiro entra como favorito na Mineirão.

Imagens: Olé e Lazer Esportes

Com Drama…

inter campeao sul americanaFoi dramático. Como toda boa decisão deve ser.

A final da Copa Sul Americana foi um jogaço.

Não pela técnica. O jogo foi pegado demais e as trombadas foram mais frequentes que os dribles.

Mas não faltou emoção. A partida deixou tensos colorados, pinchas, basureros, gremistas e corações de todas as cores. 

O Gigante da Beira-Rio estava lindo, tingido de vermelho e confiança.

Mas não podia ser fácil.

O Inter começou bem. Dominou a faixa central do campo e acuou o Estudiantes. Mas agredia pouco.

A melhor chance foi com Nilmar, em impedimento, que depois de um cruzamento de Alex meteu a bola na trave de Andújar.

Depois disso o time argentino passou a gostar do jogo, como bem dizia o canhotinha de ouro.

Boselli chegou a marcar. Mas o bandeira, equivocadamente, assinalou impedimento.

Aliás, péssima a arbitragem do senhor Larrionda.

O Estudiantes voltou melhor no segundo tempo.

Com uma maior movimentação e o tradicional toque de bola hermano, a equipe argentina envolveu o time gaúcho.

A solução de Tite foi trocar Andrézinho por Gustavo Nery. 

Não deu outra, 2 minutos depois gol do Estudiantes. Alayes.

Silêncio absoluto no Beira-Rio.

O Inter sentiu o gol. Alex, o craque do time, não acertava um passe. A torcida calada parecia ausente.

Beira-Riaço?

Depois que Taison entrou no lugar de Alex as duas equipes só esperaram o término do tempo normal.

A prorrogação foi mais tensa ainda. Na primeira etapa a única chance foi de Bolívar, mas Andújar salvou.

Na segunda etapa o Inter voltou mais agressivo.

Tentou na classe com D´Alessandro, na força com Taison.

Aos 8 minutos do segundo tempo da prorrogação, o goleiro do Estudiantes salvou milagrosamente uma cabeçada de Danny Moraes e o rebote de Gustavo Nery.

Mas Nilmar estava lá. E o goleiro nada pôde fazer.

No meio do bate-rebate o centroavante colorado só empurrou para as redes.

Era a explosão encarnada.

O último título oficial que faltava ao Inter.

O primeiro brasileiro a conquistá-lo.

Com muito drama, a América voltou a ser colorada.

Parabéns Inter!

titulos oficiais inter