A força dos carboneros!

Eu cresci com o mito do gigante Peñarol.

O campeão do século, o esquadrão aurinegro de craques históricos que aterrorizava as Américas e até os grandes times europeus.

Peñarol pentacampeão da Libertadores, tricampeão mundial.

Peñarol dos monstros sagrados do futebol, como José Leadro Andrade, Leônidas da Silva, Ghiggia, Schiaffino, Elías Figueroa e o incomparável capitão dos capitães, el negro jefe Obdulio Varela, entre tantos outros.

Mas este Peñarol é um clube que só existe no passado.

Dos anos 90 pra cá, foi só decadência. E o brilho da camisa amarela e negra parecia até ter se apagado.

De 2000 pra cá foram 7 participações carboneras na Libertadores; 4 eliminações na primeira fase e uma ainda na fase prévia da competição.

É o que digo, em nada se parece com o Peñarol dos meus sonhos, dos meus livros.

Mas ontem surgiu um facho de esperança. Como diz a histórica canção dos torcedores manyas,

…o Peñarol é eterno como tempo e florescerá a cada primavera!

A vitória sobre o Godoy Cruz deixou o time uruguaio na liderança do Grupo 8 da Libertadores, um dos mais difíceis da atual edição. Já com 5 partidas jogadas, os aurinegros de Montevidéu estão com 9 pontos, 2 a mais que o vice líder Godoy Cruz, que também já jogou 5 vezes. LDU (Equador) e Independiente (Argentina) jogaram 4 vezes e possuem respectivamente 6 e 4 pontos.

Na rodada decisiva o Peñarol recebe o Independiente e conta com a força do Estádio Centenário para, depois de 9 anos, voltar ao mata mata do principal torneio continental da América do Sul.

A mística da camisa amarela e negra – pra mim a mais bela do futebol mundial – dá mostras de que segue viva e que, em breve, pode voltar com toda sua força!

Que me desculpem os genéricos Liverpool e River Plate uruguaios, que nos últimos anos assumiram a posição dos Mirasoles, mas este lugar pertence ao Peñarol.

E viva os carboneros!

No vídeo abaixo você pode ver a festa da torcida peñarolense, é de arrepiar!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo

Anúncios

Reconciliação

Este foi o primeiro gol de Messi sob o comando de Diego Maradona. A narração é do histórico e folclório Victor Hugo Morales, o mesmo que narrou com puro sentimento de pós guerra os gols de Diego contra a Inglaterra, na copa do México em 86.

No primeiro gol Morales diz, em um tom carregado de satisfação, que a Argentina vence por 1X0, com um gol de mão, o que querem que eu diga?

No segundo, o emocionado narrador chega a agradecer a Deus pelo futebol, por Maradona. E inocentemente chama o craque de barrilzinho cósmico.

Não escondo de ninguém o quanto torço para que a aventura maradoniana na alviceleste dê certo. Neste blog mesmo já manifestei meu desejo, afinal, é o melhor jogador que minha geração viu jogar, os brasileirinhos aceitando ou não. Mas vai além da vontade, sigo afirmando que existem alguns argumentos pra lá de plausíveis de que a experiência pode render bons frutos.

Diego é o único capaz de fazer os argentinos perderem sua conhecida soberba. A arrogância que talvez explique tão poucas copas na prateleira mesmo com tantos craques desfilando pelos campos do mundo ao longo destes quase 80 anos de mundiais.

Com Maradona no comando os jogadores, outrora tão blazés, tão pedantes, se jogam de cabeça nos pés dos adversários, suam sangue, deixam tudo

O 10 foi contratado pra recuperar a mística da azul e branca. Pra recuperar o prestígio e o respeito de uma das escolas mais importantes do futebol mundial. E pra ensinar à nova safra que no futebol também é possível se jogar por uma causa.

O jogo contra a França não valia copa do mundo, não valia nada, era simplesmente um amistoso. Mas o time argentino jogou como se fosse uma final. Final de copa, de champions, de campeonato de pelada na Villa Fiorito.

E se a vitória não rendeu taça nem ao menos 3 pontinhos, valeu pelo menos para o treinador. A estréia foi contra a fraquíssima Escócia, então a França era o batismo de verdade. Quem sabe agora as chacotas não cessam?  

Independente das piadas, a verdade é que qualquer time que tenha um ataque com Messi, Aguero e Tévez deve ser respeitado, e muito. É um trio de dar inveja aos grandes esquadrões do futebol mundial, ao Manchester, ao Barça, à qualquer seleção, até a nossa. Ou você não gostaria que os 3 fossem brasileiros?

Hoje vi França X Argentina torcendo de verdade. Torcendo como se fosse um jogo do Galo, torcendo bem mais que torci na terça. Foi a primeira vez, depois que voltei ao Brasil, que me permiti torcer pela Argentina.  Quando lá estava isto era impossível.

Mas hoje, passado mais de um ano do meu regresso, permito-me reatar esta pequena parte, adormecida em meio às lágrimas vertidas na bacia platina. Sem sentimentos piegas, sem eximir minhas divergências ao sonho europeu que vive Buenos Aires, sem esquecer minhas reticências sobre a pseudo politização de seu povo, sobre a falsa roupagem de cultura que esconde a verdadeira cara argentina, a cara de Carlitos, a cara do povo.

Ainda com todos estes poréns, hoje me reconciliei com um dos meus amores mais antigos, o futebol argentino. O mesmo futebol que me encantou na vitória de 86 e na derrota de 94. O futebol que me apresentou os compassos descontrolados de Piazzola, as narrativas fantásticas de Cortázar, os olhos arregalados e assustados de Spilimbergo. A classe imperturbável de Redondo, a genialidade delirante de Maradona.

O futebol argentino que eu nego, ou melhor, que nos últimos 3 anos tanto neguei, mas que hoje eu confesso… o futebol que voltei a amar.