A força dos carboneros!

Eu cresci com o mito do gigante Peñarol.

O campeão do século, o esquadrão aurinegro de craques históricos que aterrorizava as Américas e até os grandes times europeus.

Peñarol pentacampeão da Libertadores, tricampeão mundial.

Peñarol dos monstros sagrados do futebol, como José Leadro Andrade, Leônidas da Silva, Ghiggia, Schiaffino, Elías Figueroa e o incomparável capitão dos capitães, el negro jefe Obdulio Varela, entre tantos outros.

Mas este Peñarol é um clube que só existe no passado.

Dos anos 90 pra cá, foi só decadência. E o brilho da camisa amarela e negra parecia até ter se apagado.

De 2000 pra cá foram 7 participações carboneras na Libertadores; 4 eliminações na primeira fase e uma ainda na fase prévia da competição.

É o que digo, em nada se parece com o Peñarol dos meus sonhos, dos meus livros.

Mas ontem surgiu um facho de esperança. Como diz a histórica canção dos torcedores manyas,

…o Peñarol é eterno como tempo e florescerá a cada primavera!

A vitória sobre o Godoy Cruz deixou o time uruguaio na liderança do Grupo 8 da Libertadores, um dos mais difíceis da atual edição. Já com 5 partidas jogadas, os aurinegros de Montevidéu estão com 9 pontos, 2 a mais que o vice líder Godoy Cruz, que também já jogou 5 vezes. LDU (Equador) e Independiente (Argentina) jogaram 4 vezes e possuem respectivamente 6 e 4 pontos.

Na rodada decisiva o Peñarol recebe o Independiente e conta com a força do Estádio Centenário para, depois de 9 anos, voltar ao mata mata do principal torneio continental da América do Sul.

A mística da camisa amarela e negra – pra mim a mais bela do futebol mundial – dá mostras de que segue viva e que, em breve, pode voltar com toda sua força!

Que me desculpem os genéricos Liverpool e River Plate uruguaios, que nos últimos anos assumiram a posição dos Mirasoles, mas este lugar pertence ao Peñarol.

E viva os carboneros!

No vídeo abaixo você pode ver a festa da torcida peñarolense, é de arrepiar!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo

Anúncios

Se eu fosse o técnico…

Aproveitando esta semana de eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010 resolvi brincar de técnico!

Iria postar aqui como ficariam as principais seleções do mundo caso eu fosse o treinador.

Pensei nas 10 melhores, mas aí meu querido Uruguai ficaria de fora… e eu não faria isto com nossos amistosos vizinhos que nos deram a garra de Obdulio Varela, a classe do príncipe Enzo Francescolio ideário político de José Artigas e as palavras mágicas de um certo Eduardo Galeano.

Então estabeleci que a brincadeira partiria dos 7 campeões mundiais. E completei com os 4 países que não alcançaram a glória máxima das Copas, mas pra mim se encontram hoje – ou pelo menos poderiam se encontrar – entre as melhores seleções do mundo.

Então aí vão os 11 melhores esquadrões nacionais da atualidade… na fantasia da minha realidade!

Alemanha (4-2-3-1)
minha_alemanhaArgentina (4-4-2)
minha_argentinaBrasil (4-1-4-1)
meu_brasil03

Costa do Marfim (4-1-4-1)
minha_costa_do_marfimCroácia (4-4-2)
minha_croacia-2 Espanha (3-2-3-2)
minha_espanhaFrança (4-4-2)
minha_françaHolanda (4-4-2)
minha_holandaInglaterra (4-4-2)
minha_inglaterra

Itália (4-3-3)
minha_italiaUruguai (4-4-2)
meu_uruguai

Imagem Estrelão: Submarino

Cala a boca Zangado!

leonidas_da_Silva - bicicletaContra a história não há argumentos e a seleção brasileira fez história na tarde deste sábado.

4 X 0 contra um cambaleante Uruguai no mítico Estádio Centenário de Montevidéu, palco onde brilharam alguns dos maiores jogadores do futebol mundial, Jose Leandro Andrade, Pedro Cea e Obdulio Varela, pra ficarmos só em 3 exemplos.

Foi a maior derrota da celeste no Centenário, batendo o 4 X 1 pra Alemanha em 1981.

E foi a 3ª vitória brasileira sobre o Uruguai no estádio que cediou a final da Copa do Mundo de 1930.

A 1ª vitória verde e amarela foi na lendária Copa Rio Branco de 1932, torneio imortalizado nas letras do mestre Mário Filho. 2 X 1 com 2 gols do Diamante Negro Leônidas da Silva que estreava com a amarelinha.

A segunda vitória brasileira no Centenário veio em 76, com mais um gol de estreante. Debut de Zico na seleção e 1 X 0 com gol dele.

A vitória histórica de hoje marcou mais uma estréia, a de Ramires, sem gol. Tomara que não seja só uma coincidência, mas um presságio de que Ramires tenha uma longa e vitoriosa história na seleção brasileira.

Como disse no início do post, contra a história não há argumentos.

Hoje não tem cornetada, calo minha boca… até quarta.

∞ Zangado é um dos 7 anões que acompanham a Branca de Neve e escreve para o Ópio do Povo quando o assunto é seleção brasileira.

Imagem: CBF