Não se esqueçam do Mazembe!

Desde que o Santos se classificou para a final da Copa Libertadores começou-se a falar sobre o hipotético confronto contra o Barcelona de Xavi, Iniesta e Messi na final do Mundial Interclubes.

Agora então que o alvinegro praiano confirmou o título só se ouve falar do embate entre Messi e Neymar, Santos e Barcelona.

É impressionante como, quando o assunto é futebol, o torcedor e, boa parte da imprensa pacheca, não perde a soberba.

Será que todo mundo já se esqueceu do Todo Poderoso Mazembe?

Com certeza Celso Roth, os jogadores e a torcida colorada não.

Eu, como amante da bola, também quero ver uma final entre Barça e Santos. Mas antes da decisão, tem que passar pela semifinal.

Se o Santos chegar ao Mundial pensando no Barcelona corre o risco de repetir a história colorada que entrou em campo contra o Mazembe pensando na Inter de Milão e teve que ver a final pela televisão.

Imagem: Wecreator
Vídeo: 6ooOoo6

Copa América Peronista

Nada melhor que o futebol para vencer uma eleição.

E disto sabe bem Cristina Kirchner.

Em 2009, a presidenta da Argentina aproveitou o imbróglio entre AFA e TyC Sports para comprar os direitos de transmissão do campeonato argentino de futebol para a TV Pública, o famoso Canal 7.

O acordo foi fechado em 600 milhões de pesos, o Governo acabou pagando 900 e arrecadando apenas 6 milhões de dólares com a publicidade nas transmissões das partidas. Mas a presidenta não pareceu se importar com o déficit monstruoso, afinal, o futebol é do povo! Sem falar nas inúmeras propagandas estatais durante os jogos que versam sobre as grandes obras e os vanços de sua administração, ou seja, na ótica peronista do Partido Justicialista, acabou sendo um bom negócio.

Outro grande negócio é a Copa América. A 43ª edição do torneio acontecerá na Argentina e terá início no dia 1º de julho, meses antes das eleições presidenciais dos nossos vizinhos.

Serão 8 sedes, 6 delas capitais de províncias comandadas pelo Partido Justicialista ( o mesmo da presidenta Cristina Kirchner, partido detentor do legado Peronista) ou por seus aliados peronistas. São elas:

Córdoba – Capital da província homônima, governada por Juan Schiaretti, do UpC (Unión por Córdoba), aliado do governo central. Schiaretti vem de uma corrente radical do peronismo de esquerda, viveu exilado em Belo Horizonte durante a ditadura Videla e, na capital mineira, chegou ao cargo de vice diretor administrativo da Fiat.

La Plata – Capital da província de Buenos Aires, governada por Daniel Scioli, da Frente para la Victoria, aliança de partidos de orientação peronista. Scioli é um ex esportista (piloto de lanchas, chegou a ser vice campeão mundial de Motonáutica) e foi vice presidente no mandato de Néstor Kirchner, o ex marido e predecessor de Cristina no governo central do país.

Mendoza – Capital da província homônima, governada por Celso Jaque, do Partido Justicialista. Jaque tem mais de 25 anos na militância peronista.

Salta – Capital da província homônima, governada por Juan Manuel Urtubey. O governador tem suas raízes políticas fincadas no Peronismo e no Partido Justicialista, mas se elegeu através da aliança entre a Frente para la Victoria e o PRS (Partido Renovador de Salta), considerado um dos mais radicais entre os partidos de extrema direita Argentina.

San Juan –  Capital da província homônima, governada por José Luis Gioja, do Partido Justicialista. Gioja é um dos ícones do chamado Kirchnerismo, a vertente recauchutada do velho peronismo.

San Salvador de Jujuy – Capital da província de Jujuy, governada por Walter Barrionuevo, do Partido Justicialista. Barrionuevo fez parte do Governo Menem e foi nesta época que cunhou uma das maiores pérolas da história da política alvi celeste: “Resolver o problema da Argentina é muito fácil. Se todos nós parássemos de roubar por um ano, pronto, tudo estaria resolvido”, parece brincadeira, mas não é.

Depois desta pequena explanação, nos faltam duas sedes da Copa América 2011, Santa Fé e Buenos Aires.

A província de Santa Fé é, historicamente, um dos grandes focos da resistência ao poder peronista. Atualmente a província é governada por Hermes Juan Binner, oposicionista do governo Cristina Kirchner. No entanto, existe uma explicação para a escolha da cidade como uma das sedes da Copa América. O nome mais cogitado para ser vice de Cristina nas próximas eleições é o de Carlos Reutemann, ex piloto de Fórmula 1 e atual senador da província de Santa Fé. E Reutemann é natural da cidade de Santa Fé. A escolha da terra natal de Reutemann fez com que Rosario, tradicional palco do futebol argentino e uma das sedes da Copa do Mundo de 1978, ficasse fora da Copa América 2011. Rosario é a maior cidade da província de Santa Fé, tem dois times de primeira linha no futebol argentino (Rosário Central e Newell’s Old Boys), mas é controlada pelo Partido Socialista, antagônico ás idéias peronistas. Outro ponto contra Rosario, seu intendente, Miguel Lifschitz, um dos principais articuladores dos protestos ruralistas de Rosario contra o governo Cristina Kirchner.

A última sede, logicamente, é Buenos Aires. A capital federal que congrega, junto com seu entorno conurbado, 35% da população argentina e 70% dos times da primeira divisão do campeonato de futebol dos hermanos não poderia ficar de fora da Copa América, mas quase ficou. Como esperado, os portenhos receberão a final da Copa América e só, nem um joguinho a mais. Isto porque a cidade autônoma é controlada por Mauricio Macri, ex presidente do Boca e ferrenho adversário político de Cristina Kirchner. Macri é um dos fundadores do partido CPC (Compromiso para el Cambio) uma das 3 bases de sustentação da aliança PRO (Propuesta Republicana) movimento oposicionista de direita. As outras duas são o Recrear (Recrear para el Crecimiento) e a Alianza Popular Federalista. Macri é o preferido do PRO para brigar com Crsitina Kirchner nas próximas eleições presidenciais na Argentina. Em 2007 seu nome foi muito aventado para a corrida presidencial, mas acabou desistindo da disputa em virtude da morte do sindicalista Carlos Fuentealba, escândalo que envolveu Jorge Sobisch, que seria seu vice.

Como disse no início do post, nada melhor que o futebol para vencer uma eleição. A velha idéia romana do panis et circenses parece funcionar até hoje.

Imagem: Pan Con Circo

A força dos carboneros!

Eu cresci com o mito do gigante Peñarol.

O campeão do século, o esquadrão aurinegro de craques históricos que aterrorizava as Américas e até os grandes times europeus.

Peñarol pentacampeão da Libertadores, tricampeão mundial.

Peñarol dos monstros sagrados do futebol, como José Leadro Andrade, Leônidas da Silva, Ghiggia, Schiaffino, Elías Figueroa e o incomparável capitão dos capitães, el negro jefe Obdulio Varela, entre tantos outros.

Mas este Peñarol é um clube que só existe no passado.

Dos anos 90 pra cá, foi só decadência. E o brilho da camisa amarela e negra parecia até ter se apagado.

De 2000 pra cá foram 7 participações carboneras na Libertadores; 4 eliminações na primeira fase e uma ainda na fase prévia da competição.

É o que digo, em nada se parece com o Peñarol dos meus sonhos, dos meus livros.

Mas ontem surgiu um facho de esperança. Como diz a histórica canção dos torcedores manyas,

…o Peñarol é eterno como tempo e florescerá a cada primavera!

A vitória sobre o Godoy Cruz deixou o time uruguaio na liderança do Grupo 8 da Libertadores, um dos mais difíceis da atual edição. Já com 5 partidas jogadas, os aurinegros de Montevidéu estão com 9 pontos, 2 a mais que o vice líder Godoy Cruz, que também já jogou 5 vezes. LDU (Equador) e Independiente (Argentina) jogaram 4 vezes e possuem respectivamente 6 e 4 pontos.

Na rodada decisiva o Peñarol recebe o Independiente e conta com a força do Estádio Centenário para, depois de 9 anos, voltar ao mata mata do principal torneio continental da América do Sul.

A mística da camisa amarela e negra – pra mim a mais bela do futebol mundial – dá mostras de que segue viva e que, em breve, pode voltar com toda sua força!

Que me desculpem os genéricos Liverpool e River Plate uruguaios, que nos últimos anos assumiram a posição dos Mirasoles, mas este lugar pertence ao Peñarol.

E viva os carboneros!

No vídeo abaixo você pode ver a festa da torcida peñarolense, é de arrepiar!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo

Deu no New York Times…

Vocês se lembram da música W/Brasil, do Jorge Ben, já em sua fase Ben Jor:

Deu no New York Times que
A feira de Acari é um sucesso
Tem de tudo
É um mistério!

Pois é, Neymar – o menino problema do Santos – também foi parar nas páginas do tradicional jornal nova iorquino.

A Young Star at Risk of Burning Out é o título da matéria assinada por Rob Hughes, correspondente do diário estadounidense na Inglaterra.

A tônica da reportagem é só uma, a estrela do jovem talento santista está em xeque. Entre as ponderações de Hughes, a de que Neymar estaria trilhando um caminho muito mais à Maradona que à moda Pelé.

É Neymar, como diz outra canção, não vá se perder por aí!

Champions começa com Barça exuberante!

O Barcelona vinha de uma derrota por 2 X 0 para o pequeno e inexpressivo Hercules, em pleno Camp Nou.

E quando Govou – depois de um passe genial do excelente Djbril Cissé – abriu o placar aos 20 do primeiro tempo, a torcida azul e grená se calou.

Em campo, Xavi olhou pra Iniesta que olhou pra Messi que olhou pra Xavi… e a partir daí foi só beleza.

74% de posse de bola para o Barça que finalizou 29 vezes. O Panathinaikos chutou uma única bola, a do gol do Govou.

Um show do Barcelona, uma verdadeira aula de futebol!

Deleite puro para os olhos de qualquer amante do esporte bretão.

Fora o baile, o 5 X 1 ficou barato para o time grego.

Vídeo: Gol HDTV 1

Cala a boca Robinho!

Não tive nenhum problema com o Roberto Mancini. O que acontece é que o futebol inglês não é muito bom pra jogador brasileiro, muito bola alta e a gente gosta de jogar com ela no chão.

A frase acima foi dita por Robinho em sua apresentação no Milan, seu novo clube.

Que o jogador foi pra Inglaterra a passeio, isto todo mundo já sabia! Mas eu pensava que ele pelo menos aproveitaria sua estada na terra da rainha para acompanhar o melhor torneio nacional de futebol do mundo, a Premier League.

Mas não. Se Robinho viu algum futebol na Inglaterra foi em algum especial da BBC sobre a modalidade nos anos 60 e 70. Nesta época realmente o futebol inglês vivia única e exclusivamente dos chuveirinhos. Hoje, somente times como o Bolton, o Wigan e os demais pequenos é se utilizam deste recurso.

Na elite isto é passado. A turma do Big Four (Manchester United, Chelsea, Arsenal e Liverpool) mais o Tottenham e o Manchester City – aspirantes a grandes – só jogam com a bola no chão. Mais especificamente nos casos de United, Chelsea e Arsenal, estes clubes figuram entre os que jogam o futebol mais bonito do mundo; muita posse de bola, agressividade, intensidade e toques de pé em pé. O Arsenal então – do técnico francês Arsène Wenger – nem se fala, no dia em que o jogo encaixa é mais vistoso que o Barça!

Então das duas uma: Ou Robinho viu muito pouco da Premier League em seu tempo de City ou esta foi só mais uma desculpinha pelo péssimo futebol apresentado no clube inglês.

Independente de qual seja, tá mal o cara das pedaladas.

Imagem: Folha do Mato Grosso do Sul

Mais que um clube, uma família

Em outras oportunidades já disse aqui que concordo inteiramente com essa história do Mais que um Clube do Barça. Pra mim não há uma expressão capaz de definir melhor o que representa o pavilhão azul e grená da Catalunha.

O vídeo promocional do time culé para o início desta temporada vai além do conceito de que o Barcelona é mais que um clube… é uma família.

Esta é a essência da belíssima peça da Barça TV! A música é super envolvente e as imagens são um verdadeiro tesouro. Os craques do atual elenco catalão em cenas familiares ou atuando pela base do time, pra quem gosta é realmente emocionante! Meus destaques são o então jogador Pep Guardiola entregando uma medalha a um pequenino Andrés Iniesta e um minúsculo Messi fazendo embaixadas com uma bola de tênis.

Bem, com vocês Torna La Gent Normal, uma produção da Barça TV.

Vídeo: FC Barcelona

Moltes Grácies Ronaldinho!

Quem viu a disputa do Troféu Juan Gamper na tarde de hoje, 25 de agosto, pôde perceber porque o futebol é um esporte tão apaixonante. Não pelos gols, dribles e belas jogadas, mas por ser um jogo tão lúdico e humano.

O Troféu Juan Gamper é disputado no início da temporada européia, sempre no Camp Nou, serve de preparação para o Barça, além de ser uma homenagem a um dos fundadores do clube, o suiço Juan Gamper.

Mas na edição deste ano o homenageado foi outro, Ronaldinho Gaúcho. E foi de arrepiar.

Ronaldinho foi o último a entrar em campo. Quando todos os jogadores já estavam no gramado, foi passado um vídeo no telão do estádio com alguns dos melhores momentos do craque gaúcho vestindo a camisa 10 do Barcelona. E foram tantos, o meu preferido o antológico gol da sambadinha contra o Chelsea. Só depois deste vídeo foi que Ronaldinho apareceu. E o camisa 80 do Milan foi recebido de pé pelos torcedores, ovacionado em um Camp Nou  lotado e repleto de admiração e gratidão pelo jogador.

Na hora da foto, Carles Puyol – como um grande capitão – puxou o amigo Ronaldinho que saiu, com a camisa do Milan, na fotografia oficial do Barça.

Aos 31 do segundo tempo o Gaúcho foi substituído. E para retribuir o carinho tirou a camisa do Milan e deixou à mostra sua camiseta com os dizeres: Barça ti amo, Ronaldinho.

Mas as homenagens não pararam por aí. O Barça ficou com o título após bater o Milan nos pênaltis, mas o troféu não ficou na Catalunha. Em mais um gesto nobre, Puyol ofereceu a taça do Juan Gamper a Ronaldinho Gaúcho que ainda recebeu das mãos de Sandro Rossel, presidente do Barcelona, um placa comemorativa aos seus 5 anos no clube azul e grená.

Emocionado, Ronaldinho declarou à TV do Barça:

Não esperava que fosse tão bonito. Uma homenagem deste tipo geralmente é feita quando o jogador já não está vivo. Pra mim fizeram ainda em vida e por isto estou tão emocionado.

Abaixo, um pouco das homenagens no Camp Nou.

Imagem: Barcelona
Vídeo: MrALBHD

Brasil: Segunda divisão do futebol mundial

Vamos ser sinceros, se ele estivesse 100% em forma não estaria jogando no Brasil.

A sintomática frase foi dita por Andrés Sánchez, presidente do Corinthians, em entrevista ao repórter Mauro Naves, exibida no Arena SporTV desta terça, 17 de agosto.

A pérola foi proferida em resposta à pergunta sobre a condição física de Ronaldo, há cem dias afastado dos campos.

Eu não sou nem um pouco fã do presidente do Timão – acho um cara arrogante, despreparado e populista ao extremo – mas a frase é bem verdadeira.

E como disse pouco acima, sintomática. Com certeza absoluta se Ronaldo estivesse em forma, não digo nem na plenitude, mas em forma física aceitável, apto para a prática esportiva, seguramente não estaria jogando no Brasil.

Alguns teimam em negar, mas quando o assunto é clube o Brasil habita a segunda ou quiçá a terceira divisão do futebol mundial. Quem acompanha os principais campeonatos europeus sabe do que estou falando, a diferença de intensidade e qualidade das partidas é nítida.

Então nos resta o consolo de desfrutarmos os futuros craques em formação – vide a molecada do Santos – ou gozarmos da melancólica presença de estrelas decadentes e, em alguns casos, até barrigudas.

Um coração futebolista

Quando vi que Raúl estava de saída do Real Madrid me preparei pra descer a lenha aqui no Ópio. Tudo bem que o camisa 7 está no fim da carreira, mas mesmo assim me pareceu um absurdo que o time merengue se desfizesse do segundo maior artilheiro de sua história e, pra mim, o jogador mais importante da era moderna do Real. Sem comparar o futebol, Raúl representa pra gerações mais novas o que o argentino Alfredo Di Stéfano representou com o esquadrão branco que dominou a Europa na segunda metade dos anos 50 e início dos 60.

Pode parecer exagero, mas não é. Di Stéfano comandou o Real na conquista de 5 Ligas dos Campeões, 8 Campeonatos Espanhóis, uma Copa do Rei e um Mundial de Clubes. O argentino ainda marcou 507 gols com a camisa merengue, sendo o maior artilheiro da história do time. Raúl conquistou 3 Liga dos Campeões, 6 Campeonatos Espanhóis e dois Mundiais. O camisa 7 balançou as redes 308 vezes, é o maior artilheiro do Real em competições européias e de quebra – tamanha sua identificação com  o clube – ganhou a alcunha de Raúl Madrid.

Quem diz que Raúl foi um jogador comum que teve a sorte de atuar ao lado de gênios e craques como Zidane, Ronaldo e Seedorf, está muito enganado. Só defende esta posição quem não acompanhava o futebol europeu no início desta década. O que Raúl jogou na Liga dos Campeões de 2000 e 2001 é brincadeira. Inclusive na segunda edição citada, ele foi artilheiro com nada menos que 17 gols, se não me engano o recorde da competição. Por muitos anos Raúl também ostentou o título de maior artilheiro da história da Champions e em 2001 foi eleito o terceiro melhor jogador do mundo.

16 anos como profissional no Real Madrid, e há 18 no clube, não entendi sua dispensa. Até ouvir seu discurso na despedida no Santiago Bernabéu.

Raúl está de saída porque quer. Porque sabe que não terá mais espaço em Madrid. Com ou sem Mourinho, seu anos de glória já foram. Mas o coração futebolista, como disse o próprio atacante, o fez buscar novos desafios, uma nova casa onde ainda pode ser útil.

Ontem, 28 de julho, Raúl foi apresentado no Schalke 04 da Alemanha. Um time de torcida enorme e fanática e que não conquista a Liga Alemã a mais de 50 anos. Cerca de duas mil pessoas estiveram presentes em sua primeira aparição na Veltins Arena.

É o fim de uma era em Madrid. Espero que ainda não seja o fim do camisa 7.

Abaixo, o discurso de despedida de Raúl no Santiago Bernabéu.

Canal do Youtube: ligafutbol32

Eu preferia o Zico…

A novela chegou ao fim e Mano Menezes foi anunciado como o novo técnico da Seleção Brasileira de futebol.

A primeira opção da CBF foi Muricy Ramalho que disse não. A desculpa oficial foi que o Fluminense não liberou, mas há quem diga que o treinador mais vitorioso nos últimos anos em território tupiniquim não botou fé no famoso projeto da alta cúpula do futebol brasileiro.

Depois, o convite foi feito a Mano Menezes. Que aceitou. E hoje, 26 de julho, ele faz sua primeira convocação.

Após a Era Dunga, não há como falar nada contra Mano. Primeiramente, Mano é treinador de futebol, coisa que Dunga não era. Sem falar nas outras questões que permeiam o trabalho de um técnico de futebol, aspectos nos quais o novo gaúcho está anos luz à frente do antigo.

Eu não queria ver nem Mano nem Muricy na seleção. Admiro o trabalho dos dois e, pessoalmente, gosto muito do ex treinador do São Paulo, um cara que é sinônimo de ética no corrompido mundo da bola.

Mas em meio à minha incansável utopia, eu queria ver mesmo o Zico na seleção. O cara tem experiência de Copa do Mundo – treinou o Japão em 2006 – e fez bons trabalho na Europa, principalmente no Fenerbahçe, onde conseguiu chegar às quartas de final da Champions League.

Zico já passou pela administração Ricardo Teixeira. Fez parte da comissão técnica que foi à França, na Copa de 98. E pelo visto, já sabendo como a banda toca, não voltará a trabalhar com o monarca do futebol brasileiro.

A Seleção da Copa

Publico agora a minha, ou melhor, as minhas seleções da Copa.

Primeiro e segundo time porque escolher só 11 é muito difícil.

Primeiro Time (3-2-3-2)

Segundo Time (4-1-3-2)

Imagem Original: Submarino
Efeitos: Picnik

O futebol agradece

Iniesta curtindo o troféu de campeão. O meia do Barça foi o autor do gol do inédito título espanhol.

A Espanha é campeã do mundo… e o futebol agradece!

A conquista espanhola mostra que a beleza não exclui a competitividade e coloca um ponto final na falácia de que para vencer uma Copa os elementos fundamentais são força, garra e brutalidade. Depois da Fúria, ninguém há de dizer que é necessário jogar feio pra ser campeão.

A Espanha venceu a Copa na África do Sul com todos os méritos. Trabalho árduo que teve início na primeira metade dos anos 90, momento em que o país ibérico descobriu e acreditou que o esporte seria capaz de mudar a nação. Desde 1999, os títulos e os bons resultados nas seleções de base se acumulam. O reflexo do trabalho sério e duradouro nas categorias inferiores apareceu no time adulto com os títulos da Euro 2008 e da Copa do Mundo de 2010.

Falando só sobre dentro do campo, também não dá pra falar que a Espanha não seja uma campeã meritória. Nas últimas 54 partidas a Fúria venceu 49, empatou 3 e só perdeu duas. No Mundial os comandados de Vicente del Bosque não começaram bem, mas cresceram ao longo da competição.

Nos 7 jogos da Copa, em 6 a Espanha teve mais que 57% de posse de bola. É o time que mais gosta de ter a gorducha nos pés, é o time que melhor a trata. Dos 7 maiores passadores do Mundial, 6 são espanhóis. O principal deles o genial Xavi Hernández que acertou nada menos que 544 passes em 669 tentados, uma eficiência de 81%. Xavi acertou 116 passes a mais que o segundo colocado, o alemão Bastian Schweinsteiger. E se engana quem acha que a Espanha só toca a bola de lado e por isto detém números tão expressivos. A efetividade do time impressiona, 81% nos passes curtos, 84% nos passes médios e 63% nos lançamentos longos.

A Espanha também mereceu porque soube ousar. Pedro, que antes do Mundial nunca havia vestido a camisa da seleção profissional, foi titular na final da Copa. Uma lição pra Dunga que se negou a chamar o Ganso porque o meia do Santos não tinha experiência com a amarelinha.

Na final não teve muita discussão. A Holanda chegou a assustar e poderia até ter vencido no tempo normal, mas a Espanha foi bem superior. Começou o jogo marcando pressão e ao longo da partida teve 57% da posse de bola. Sem muito o que fazer, os holandeses abriram a caixa de ferramentas, cometeram 28 faltas e terminaram o cotejo com um jogador expulso e 9 amarelados.

Xavi e Iniesta foram verdadeiros maestros, ditaram o ritmo e deram o compasso ao jogo. Busquets e Xabi Alonso também tiveram boas atuações, assim como a dupla de zaga Piqué e Puyol e o goleiro Iker Casillas, que salvou a Fúria em pelo menos duas oportunidades claras nos pés de Robben.

A Espanha é campeã do mundo com todos os méritos e glórias! Um time de jogadores virtuosos que consegue encantar e ser competitivo, um futebol maravilhosos e envolvente, de muito toque de bola e refinada técnica.

O futebol comemora seu novo campeão e mostra a todos que, antes de tudo, para vencer é preciso jogar bem. E parafraseando o poetinha, que me perdoem os guerreiros, mas beleza – até no futebol – é fundamental.

Imagem: Fifa

Análise e Palpite da Disputa pelo 3º lugar

Alemanha e Uruguai entram em campo neste sábado, em Porto Elizabeth, para saber quem fica com o 3º lugar da Copa do Mundo. As duas seleções podem ser consideradas as grandes sensações do Mundial. Os alemães pelo belo futebol apresentado, especialmente contra Inglaterra e Argentina, já a Celeste pela garra e superação, características marcantes da campanha uruguaia.

A Alemanha fez aquilo que está acostumada e aquilo que dela se espera. É a décima primeira vez os germânicos ficam entre os 4 primeiros da Copa, sem dúvida a seleção mais copeira da história dos Mundiais. Muita gente anda dizendo que o time de Joachim Low entra desmotivado na partida deste sábado, mas quem conhece a história do país e do futebol alemão sabe que isto não é verdade. A Alemanha entrará pra ganhar e igualar a posição na última Copa. Além do objetivo coletivo, faltam apenas dois gols para que Miroslav Klose ultrapasse Ronaldo e se torne o maior artilheiro de todas as Copas. E o time vai querer ajudá-lo a atingir a marca histórica.

Diante das expectativas, podemos dizer que o Uruguai fez um Mundial soberbo! Alcançou as semifinais, algo que não acontecia há 40 anos. A Celeste voltou a ser grande e a missão já foi mais do que cumprida. Mesmo assim o jogo de amanhã vale muito para os sulamericanos que, com certeza absoluta, querem fechar a campanha com a vitória e a terceira posição na competição, ultrapassando a campanha de 1970. Aliás, no México os uruguaios foram derrotados na disputa de terceiro lugar pela própria Alemanha, 1 X 0, gol de Overath.

Indiscutivelmente a Alemanha tem mais time que o Uruguai. Os sulamericanos podem estar mais motivados pelo retorno à elite do futebol mundial, mas os germânicos não entrarão em campo pra brincar. Thomas Muller volta querendo mostrar que poderia ter feito a diferença na semifinal, Klose que quer virar o maior artilheiro da história das Copas.

Meu Palpite: Alemanha 4 X 2 Uruguai.

Imagens Originais: ETF Trends e DHnet
Colagem: Picnik

2014 – Eu Não Quero Pagar a Conta!

Ontem, 8 de julho, foi apresentada ao mundo a logomarca da Copa de 2014 que, como todos devem saber, acontecerá no Brasil.

A logo é até bonita, mas conhecendo a realidade tupiniquim fica impossível não relaciona-la às falcatruas e ao mau uso do dinheiro público, coisas tão comuns em nosso país.

Aproveitando a deixa da mãozinha na taça, o Ópio do Povo lança a campanha: 2014 – Eu Não Quero Pagar a Conta!

Nada contra uma Copa do Mundo no Brasil, uma espécie de Disneylândia para um viciado em futebol como eu. O problema não é o Mundial em si, mas quem vai pagar a conta. E conhecendo nossa história, é óbvio que o dinheiro virá – quase em sua totalidade – do setor público. E com isto não posso concordar.

Apóio a Copa do Mundo do Brasil, desde que o dinheiro para bancá-la saia do setor privado. Afinal, é só ele que ganha com o evento. Que os governos estaduais, municipais e, claro, o federal coloquem recursos públicos em infra estrutura das cidades, tudo bem, este é um de seus deveres. Mas pelo que vimos do Pan de 2007 e pelo nosso histórico, o suado dinheiro do contribuinte será despejado aos milhões na construção e reforma de estádios, o que é um absurdo. Sem falar nos tradicionais superfaturamentos e desvios de verba, realidades que não podemos ignorar.

Um exemplo disto vem de São Paulo. O Morumbi não agrada Fifa e CBF que pressionam o poder público pela construção de um novo e desnecessário estádio na capital paulista. Como sempre lembra o Mauro Cezar Pereira, por que a entidade máxima do futebol brasileiro não junta seus 10 patrocinadores e constrói uma nova arena em São Paulo? Porque nossa cultura e nossa história dizem que é só esperar para que o Estado – pai dos pobres e amigo dos poderosos – abra as torneiras e despeje o dinheiro público nesta Copa.

Eu quero ver a Copa do Mundo no Brasil, mas não quero pagar a conta pois entendo que existem um milhão de coisas bem mais urgentes em nosso país. Se você também pensa assim, apóie nossa Campanha, ponha o selo em seu blog, divulgue! Como cidadãos, devemos dizer aos nossos representantes eleitos que não apoiamos a farra do boi.

2014 – Eu Não Quero Pagar a Conta!

Pra participar é só colocar o selo em seu blog ou sítio. O código html está logo abaixo, basta colá-lo na barra lateral do seu blog ou onde queira estampar a campanha!

Código HTML: <a href=”httphttps://opiodopovo.wordpress.com/2010/07/09/2014-eu-nao-quero-pagar-a-conta/” target=”_blank”><img src=”https://opiodopovo.files.wordpress.com/2010/07/selo1-copia.jpg ” width=”170″ height=”268″>

Arte: Val Prochnow