Cheirinho de pizza

Trilha Sonora: Réu Confesso - Tim Maia. Clique no radinho para ouvir!

Trilha Sonora: Réu Confesso - Tim Maia. Clique no radinho para ouvir!

Amanhã será uma espécie de Dia D para o futebol brasileiro. Não se trata de uma final de Copa do Brasil, de Mundial nem de Libertadores. É que nesta quinta, 6 de agosto, a justiça julgará o habeas corpus de Edílson Pereira de Carvalho, ex árbitro que foi o pivô do escândalo conhecido como Máfia do Apito.

Edílson foi a ponta de um grande esquema de manipulação de resultados no Campeonato Brasileiro de 2005. Na época, 11 partidas foram anuladas e jogadas novamente em virtude de arbitragens fraudulentas, que tinham como objetivo manipular resultados com fim de favorecer um grupo de apostadores que faziam dinheiro com os jogos em sítios de apostas do exterior.

O caso em julgamento amanhã não é especificamente o da Máfia do Apito, mas do habeas corpus de seu personagem principal, o réu confesso Edílson Pereira de Carvalho. Mas o lance é que o mantenimento do habeas corpus pode resultar em um posterior arquivamento do caso principal, que corre em Jacareí, no interior de São Paulo.

E pelo que leio no blog do PVC, com desembargadores garantistas – pra usar a linguagem jurídica – a tendência é que o habeas corpus seja mantido e tudo acabe em pizza.

maior_pizza_do_mundoSeria uma pena. Esquemas como este descoberto em 2005 pela equipe do delegado Protógenes Queiroz – que inclusive declarou que as investigações poderiam envolver muito mais gente, inclusive jogadores, caso os repórteres André Rizek e Thaís Oyama não tivessem se apurado em publicar as denúncias – são muito difíceis de serem comprovados.

E quando temos todas as provas, confissões e tudo mais, corremos o risco de não dar em nada. Ou dar em pizza.

O mantenimento do habeas corpus de Edílson Pereira de Carvalho e o possível arquivamento do processo da Máfia do Apito representarão grandes retrocessos para o futebol brasileiro.

Pior que a dificuldade para se comprovar as tretas da bola, é a impunidade que se desenha neste caso, mesmo com todas as provas jogadas em nossas caras.

Só pra constar, os desembargadores que julgarão o habeas corpus de Edílson Pereira de Carvalho nesta quinta feira são Christiano Kuntz, Fernando Miranda e Francisco Menin.

A bola agora está com eles!

Trilha Sonora: Réu Confesso – Tim Maia
Imagem: Rádio Sara Brasil

Conheça a Sociedade Futeboleira do Brasil, a rede social do futebol!

Anúncios

Sem intermediários

Você quer namorar uma moça? Então fale com ela, não com o irmão…

paulo_vinicius_coelhoExcelente analogia do PVC no Bate Bola primeira edição da ESPN Brasil explicando o porquê da demora do acerto entre Palmeiras e Muricy Ramalho.

Segundo se comenta, nas primeiras tratativas o negócio havia sido atravancado por Márcio Rivelino, representante do técnico tri campeão brasileiro.

O certo é que quando o presidente palmeirense Luiz Gonzaga Beluzzo e Muricy Ramalho se encontraram pessoalmente, o acerto saiu.

Imagem: Telesporte

O país do médico de futebol

medicina esportiva o país do futebol o país do médico de futebolQue o mundo de hoje já não é o mesmo dos tempos em que nasci, isto é fato. E consumado. Assim como também é vero que as mudanças são cada vez mais velozaes e, às vezes, até imperceptíveis.

Eu nasci em 1980 e, mesmo com a seca de copas que só teve fim em 94, cresci em uma Terra conhecida e reconhecida como o País do Futebol. Do carnaval também, da corrupção, da malandragem, da hipocrisia. Mas hoje falaremos só de bola.

Os anos se passaram, vieram dois títulos mundiais, craques que ousamos comparar, ou equiparar, aos grandes monstros sagrados do futebol. E o Brasil seguia sendo o País do Futebol

Os anos 90 inseriram neste contexto a tal globalização, que finalmente aportava, de uma vez por todas, no universo da bola. Os senhores do mundo começaram a vir aqui com mais frequência para fazer a feira do futebol. Pernas baratas, parafraseando e distorcendo, um pouquinho, o ídolo Galeano. Que não confundam com Galiani, este só aparecerá no texto depois.

Janelas abertas, debandada geral. E mesmo assim seguíamos sendo o País do Futebol

De uns anos pra cá um novo elemento apareceu. Jogadores brasileiros contundidos que atuam na Europa começaram a vir ao Brasil para se recuperarem. Eu sempre desconfiei do discurso de que aqui, a estrutura de recuperação é muito melhor que a dos clubes europeus. É um discurso difícil de acreditar visto a realidade precária dos nossos clubes.

Sempre acreditei mais na teoria de que essa era uma ótima desculpa pra voltar pra casa, rever amigos e família, comer feijoada e se divertir com aquele pagodinho pavoroso. E claro, serem mimados como lá fora não são. 

Ontem Kaká anunciou que da próxima vez que se machucar tomará decisões diferentes em relação a seu tratamento. Nas entrelinhas, que não irá tratar-se mais no Milan Lab. No dia anterior, Dunga falou que o meia havia se tratado 5 semanas no Milan sem muito resultado e que, com 6 dias com a equipe médica da seleção, já estava pronto pra jogar. Kaká também foi por este lado e a diretoria milanista não gostou das declarações.

Do outro lado do Atlântico, Eduardo Galiani respondeu dizendo que o tratamento médico-fisioterápico tem uma sequência e que é lógico que Kaká tenha melhorado aqui, onde foi feita a última parte da recuperação. E acrescentou que o mesmo teria acontecido se ele tivesse ficado na Itália.

Comentando a notícia, rápido como é, do Beira Rio o PVC soltou esta na Espn Brasil:

Engraçado né, éramos  oPaís do Futebol, agora somos o País do Médico de Futebol. Todo mundo quer jogar lá e se tratar aqui.

Perfeita a colocação do Paulo Vinícius. Ainda mais depois de ver a seleção do anão ser massacrada pelo Equador (39 finalizações contra o Brasil!). Cada partida da seleção que vejo me reforça ainda mais esta verdade, não somos mais o País do Futebol. Pelo menos não do futebol arte, do futebol alegria, do jogo bonito.

O que nos resta então?

Que sejamos o país do médico, do fisiologista, do fisioterapeuta de futebol

Imagem: Buick

E no Lula, quem acredita?

Se tivermos que ajudar a construir uma linha de trem, o PAC vai ajudar. Mas não vamos colocar um centavo na construção de estádios de futebol.

A declaração foi dada agora há pouco pelo presidente Lula aos jornalistas Paulo Vinícius Coelho, Helvídio Mattos, João Palomino e Luciano Silva, na gravação do programa Bola da Vez, que vai ao ar neste sábado às 10 e meia da noite na Espn Brasil.

E você, acredita nisto?

Mais detalhes sobre o papo no blog do PVC.

Torcida Burra?

Muito bom o post de hoje do PVC intitulado Burro Burro Burro.

Essa postura exigente da torcida cruzeirense é histórica.

Mas no caso do Adílson Batista não passa de implicância. E das burras.

Basta pensarmos os objetivos para os quais o time do Cruzeiro foi montado este ano.

1 – Vencer o Campeonato Mineiro – com isso não deixar o rival Galo levantar um título no ano do centenário – OK

2 – Fazer uma boa campanha na Libertadores – O Cruzeiro caiu mais cedo que o planejado, nas oitavas. Mas caiu contra o Boca, o que de certa forma minimiza a derrota.

3 – Classificar para a Libertadores 2009 – Das 28 rodadas do Brasileirão, o Cruzeiro só esteve fora da zona de classificação para Libertadores em uma – OK

Ou seja, o trabalho do Adílson vem sendo bem feito, até muito bem feito eu diria.

O Cruzeiro joga leve, varia taticamente e em alguns momentos chega a encantar.

É verdade que oscila. Mas isso é típico de um time com qualidade, porém muito jovem.

Pra mim o trabalho do Adílson Batista é inquestionável, assim como foi o do Dorival Júnior no ano passado.