Opções pro Real Madrid sair do buraco

O Real Madrid vai ao Camp Nou com uma baita desvantagem nas costas.

Se vencer o Barcelona já não é fácil, vencê-lo por 2 gols de diferença no Camp Nou lotado é tarefa quase impossível. Mesmo para um galáctico Real Madrid.

No jogo de ida, na capital espanhola, o time merengue se limitou a defender. Com 3 ótimos centroavantes no elenco – Higuaín, Benzema e Adebayor – Mourinho optou por Cristiano Ronaldo na referência do ataque. Aliás, a única peça do ataque branco.

Se quiser chegar à final da Champions, o Real vai ter que mostrar mais. Apenas se defender a garantir o zero a zero, como na final da Copa do Rei, não basta.

Segundo o sítio da Espn Brasil, apenas 4 vezes na história o Real Madrid conseguiu bater o Barça na casa azul e grená pela diferença necessária para se classificar hoje. Na última, os merengues ainda contavam com a dupla histórica formada pelo húngaro Ferenc Puskas e o argentino Alfredo Di Stéfano, 5 X 1 pelo espanhol, em 1963. As outras 3 vezes que o Real foi à casa do Barcelona e voltou com uma vitória por dois gols de diferença ou mais aconteceram em 1930, 1935 e 1960.

Abaixo, listo algumas possibilidades mais ofensivas para o Real Madrid, levando em conta as ausências de Sergio Ramos e Pepe, suspensos.

Pra começar de leve, poucas mudanças. Abandono os 3 volantes – escalados nos 3 primeiros jogos nesta sequência de 4 partidas contra o Barça – mas a alteração para o esquema da moda, o 4-2-3-1, é quase mínima. Uma mudança um pouco mais radical seria manter Ozil na linha de armadores e recuar Kaká para volante, no lugar de Lass Diarra.

Mais uma opção com apenas um atacante é o 4-1-4-1, igual ao Chelsea de Avram Grant que chegou à final da Champions em 2008. É um esquema que eu gosto muito e, com um elenco tão vasto e qualificado, o Real pode muito bem jogar assim.

Já passando para dois dianteiros, a primeira opção é o 4-4-2 à inglesa, com dois homens centralizados e dois meias abertos, quase pontas recuados, igual ao Manchester quando joga com dupla de ataque. Aqui também temos a opção de colocar Kaká para fazer um dos homens centralizados, saindo do time Lass Diarra ou Xabi Alonso. Di Maria também poderia dar lugar a Ozil, embora pra mim esta substituição não faça muito sentido.

Uma opção mais ofensiva com dois atacantes é o 4-1-3-2. Cuca já fez isto com o Cruzeiro, prendendo Marquinhos Paraná e adiantando Henrique para formar uma linha com Montillo e Róger. Pensando em mais segurança, Lass Diarra poderia ser o único volante, abrindo mão assim da excelente saída de bola de Xabi Alonso.

Abrindo mais o time, chegamos ao 4-3-3 com dois volantes. A Inter de Milão jogou assim na primeira partida das semis da Champions na temporada passada, contra o Barça, e venceu por 3 X 1. Naquela ocasião Mourinho postou Thiago Motta e Cambiasso na cabeça da área, com total liberdade para o meia Sneijder e os 3 atacantes – Eto’o, Pandev e Milito.

Outra possibilidade é o 4-3-3 com apenas um volante, mas contra o Barça da posse de bola – desde maio de 2008 o Barcelona tem mais posse de bola que o seu adversário, em todos os jogos! – me parece um suicídio. Uma opção seria entrada de Granero em uma das meias e de Lass Diarra no lugar de Xabi Alonso, o que daria mais pegada ao time.

Agora chegamos aos esquemas com 3 zagueiros, que já adianto, pra mim não funcionam contra este Barça. Mas mesmo assim aparecem aqui como opções. A primeira é o 3-4-3 clássico, muitas vezes já utilizado por Cuca, principalmente em seus tempos de Botafogo. Rijkaard também jogou assim no Barça.

Outra formação com 3-4-3 poderia incluir 3 centroavantes enfiados na área do Barcelona. Como o time catalão é baixo e os merengues contam com grandes cruzadores, sem falar que os 3 homens de referência dos blancos sabem jogar, este esquema poderia trazer problemas para os comandados de Guardiola. Embora eu não acredite que dê certo, é uma possibilidade.

A última alternativa é um 3-2-3-2, com Marcelo e Di Maria fazendo as pontas e Cristiano Ronaldo como segundo atacante. Uma opção mais ofensiva para esta forma de jogar seria recuar Kaká pro lugar do Xabi Alonso ou do Lass Diarra, colocando Ozil por dentro na linha de 3 armadores.

Éric Wolverine Abidal

Há cerca de um mês e meio, Abidal teve que dar um tempo na bola em virtude de um câncer no fígado.

A cirurgia para a extração do tumor foi um sucesso e a expectativa dos médicos era que, para a próxima temporada, o lateral francês do Barça estaria zero bala.

Há uma semana Abidal voltou a se exercitar.

E pra surpresa de todos, ontem foi relacionado para a partida de hoje contra o Real Madrid, válida pelas semifinais da Uefa Champions League.

Com as lesões de Gabriel Milito e Martín Montoya neste fim de semana, restou como opção para o sistema defensivo de Pep Guardiola apenas os garotos Muniesa e Fontás, ainda mais presentes no time B do Barça. Daí a aparição do Éric Wolverine Abidal.

Segundo a equipe médica do Barcelona, o francês perdeu um pouco de peso durante todo o processo, mas se encontra bem fisicamente.

Então vai pro jogo!

A notícia de que Abidal estaria no banco nesta terça foi recebida sob aplausos pelo elenco catalão, como mostra o vídeo da ESPN Brasil.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Abidal Wolverine, postado via vodpod
Vídeo: ESPN Brasil

Gol de placa? Não, gol de Messi!

O Barcelona venceu o Real Madrid no Santiago Bernabéu, 2 x 0 com 2 gols de Lionel Messi.

O segundo, uma pintura!

Um gol maradoniano que me fez lembrar o gol do eterno 10 argentino em outra semifinal, a da Copa de 86, contra a Bélgica.

site oficial do Barça preferiu a expressão Messídico para ilustar a obra prima do melhor do mundo.

Mas a definição que eu mais gostei foi a do André Kfouri na transmissão da ESPN, “um gol de Messi”, simples assim.

O repórter ainda completou com maestria, “temos que nos acostumar com esta expressão”.

Como se Messi fosse um sinônimo de beleza, de genialidade.

E por acaso não é?
Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Messídico!, postado via vodpod

Vídeo: Globo

11 contra 11

Não tenho muito o que escolher, alguém entra no lugar dele, jogaremos com 11.

A frase, um tanto irônica, foi proferida por Josep Guardiola, treinador do Barcelona, na entrevista coletiva desta terça, 26 de abril, antes do clássico contra o Real Madrid.

Sem seus 3 laterais esquerdos – Abidal, Adriano e Maxwell – Guardiola ganhou mais um desfalque nesta terça, o meia Andrés Iniesta que sofreu uma contratura na panturrilha direita e está fora do jogo no Bernabéu.

Seydou Keita deve entrar no lugar de Iniesta.

Já na defesa o problema é mais complicado e Guardiola terá que improvisar. O mais provável é que Mascherano apareça no miolo de zaga com Puyol sendo deslocado para a lateral esquerda.

Imagem: tpower1978

Análises e Palpites das Quartas de Final – IV

Espanha e Paraguai é o confronto mais desequilibrado destas quartas de final. A Espanha tem um dos elencos mais fortes e interessantes do mundo, com a espinha dorsal formada por jogadores do multi campeão Barcelona. A seleção ibérica tem um estilo de jogo belíssimo, emabasado na filosofia do toco e me vou. Muita técnica e posse de bola. Já os paraguaios contam com um time mediano e souberam aproveitar a ausência do futebol italiano, que não se apresentou na África do Sul. É verdade que o elenco do técnico Tata Martino conta com bons atacantes, mas o time como um todo não é nada demais.

Espanha e Paraguai já se enfrentaram duas vezes em Copa do Mundo. Em 98, na França, um horrível 0 X 0. Em 2002, na Coréia do Sul, 3 X 1 de virada pra Espanha com 3 gols de Fernandos, dois de Morientes e um de Hierro. Puyol, que joga hoje, marcou contra a própria meta.

A Espanha ainda não mostrou tudo que pode. Fernando Torres está muito mal fisicamente e Vicente del Bosque ainda não encontrou uma solução para o problema. O Paraguai por sua vez, já fez até mais do que se esperava com a inédita classificação às quartas de final.

Meu Palpite: Espanha vence por 2 X 0.

Imagens: All Latino e Spanskespanol
Colagem: Picnik

Análises e Palpites das Quartas de Final – III

Argentina e Alemanha fazem o confronto mais tradicional nestas quartas de final da Copa. 5 títulos em campo e muita história entre estas duas seleções que já se enfrentaram outras cinco vezes em mundiais, duas delas em finais consecutivas.

Em 58, na Suécia, os alemães venceram por 3 X 1. Em 66, na Inglaterra, o único jogo sem gols entre as duas equipes. Em 86, no México, a primeira final e a primeira e única vitória argentina sobre os alemães em copas. Em um jogo alucinante, a Argentina vencia por 2 X 0 até os 29 do segundo tempo, quando os alemães deram início á reação que culminou com o gol de empate de Rudi Voller, aos 35 minutos da etapa final. Mas aos 38 apareceu a genialidade de Maradona que, com um lindo passe de primeira, colocou Burruchaga na cara do gol para marcar o tento que daria o segundo título mundial aos nosos vizinhos. Em 90, na Itália, outra final. Desta vez um joguinho chato, amarrado, que foi decidido com um gol de pênalti aos 40 do segundo tempo. A penalidade, bem duvidosa, foi convertida pelo lateral Andreas Brehme e valeu o terceiro título alemão.

O último confronto entre alemães e argentinos aconteceu na Copa passada. Miroslav Klose e Roberto Ayala marcaram os gols que decretaram o empate no tempo regulamentar. Na prorrogação ninguém balançou as redes e na disputa de pênaltis deu Alemanha, 4 X 2, com direito a papelzinho do goleiro Jens Lehmann com informações sobre os batedores argentinos.

Na África do Sul, nenhum time jogou como a Alemanha na partida contra a Inglaterra. Eu sei que o gol mal anulado de Frank Lampard poderia ter mudado os rumos daquele jogo, mas mesmo assim foi uma aula de futebol dos comandados de Joachim Low, um show de contra ataques.

Já há algum tempo que venho dizendo que esta Seleção Alemã é a mais talentosa desde a geração do título de 90 que tinha Voller, Klinsmann, Matthaus, Karlheinz Riddle, Littbarski e Brehme, entre outros. Mesut Ozil, Thomas Muller, Marko Marin e Sami Khedira agregaram não só sangue novo, mas também qualidade técnica à este equipe germânica. E apesar da juventude, o grupo assimilou bem alguns golpes, como por exemplo o corte do líder Michael Ballack.

Já a Argentina ainda não fez aquela partida neste mundial. Não que tenha jogado mal, pelo contrário. Venceu seus 4 jogos até aqui e venceu com segurança. Mas é só olhar nome por nome que qualquer um que acompanha futebol sabe que esse time pode dar mais, são muitos craques reunidos.

Do meio pra frente a Argentina tem o melhor time da Copa e digo mais, se juntarmos jogadores de todas as outras seleções para formar uma linha ofensiva, ainda assim ela estará abaixo do ataque argentino. Messi ainda não marcou nesta Copa, mas mesmo assim vem fazendo um bom mundial, só está faltando o gol, mas eu tenho certeza que de hoje não passa. Messi, aos 19 anos, foi um dos jogadores que mais sofreu a eliminação para os alemães no mundial passado. Pekerman não o colocou na partida e, do banco, era visível o descontentamento da Pulga. Estou seguro que hoje é o dia, que algo bem grande está guardado para o camisa 10 do Barça e da seleção alvi celeste.

Eu acredito que Alemanha e Argentina farão um dos melhores jogos desta Copa na África do Sul. Imagino que será uma partida muito corrida, intensa, cheia de gols e viradas. Dois times técnicos e a promessa de um grande futebol!

Meu Palpite: 3 X 3 no tempo normal e a Argentina vence na prorrogação por 1 X 0.

Imagens: ETF Trends e International Education
Efeitos: Picnik

Análises e Palpites das Quartas de Final – II

Gana e Uruguai fazem as quartas de final das supresas na África do Sul. Depois das sofríveis eliminatórias, ninguém esperava que a Celeste chegasse tão longe, ainda mais com uma campanha tão consistente. O mesmo pode ser dito em relação às Estrelas Negras. Depois do corte de Michael Essien, pra mim o melhor volante do mundo, ficou difícil imaginar que os atuais vice campeões africanos chegassem tão longe, mas chegaram!

Gana e Uruguai nunca se enfrentaram em Copas do Mundo. De um lado, o orgulho africano com sua única seleção viva na primeira Copa disputada no continente negro. Do outro, uma história de glórias e tradições que se perdeu no tempo, mas que pode ser agora resgatada.

Gana fez uma primeira fase oscilante. Venceu a Sérvia na estréia por 1 X 0, depois só empatou com a Austrália em 1 X 1 e, por último, foi derrotada pela Alemanha por 1 x 0, o que no fim das contas foi bom já que, com o resultado, a equipe africana se classificou em segundo lugar e fugiu do confronto contra os ingleses. Nas oitavas Gana precisou da prorrogação para eliminar o Estados Unidos, 1 X 1 no tempo normal e 1 X 0 no tempo extra.

O Uruguai tem uma campanha bem sólida até aqui. Empatou na estréia com a França, 0 X 0, e depois fez dois excelentes jogos, 3 X 0 contra a África do Sul e 1 X 0 contra o México. Primeiro lugar do grupo e a Coréia do Sul nas oitavas. Contra os asiáticos a Celeste Olímpica não jogou bem, mas venceu por 2 X 1 e seguiu adiante.

Gana carrega a esperança do sofrido povo africano de ver um time do continente pela primeira vez em uma semifinal de Copa. Já a Celeste carrega uma camisa de peso, uma história de glórias que incluem duas Copas do Mundo, uma delas vencendo o Brasil na final em pleno Maracanã. O Uruguai – menor país dos que seguem na Copa, apenas 3 milhões de habitantes – também traz a alegria de um povo simpático que, com o futebol, sonha novamente em ser grande.

As duas equipes têm seus méritos futebolísticos por chegar até aqui e trazem consigo fortes apelos emocionais para esta partida de quartas. Time por time, sem Essien, eu sou mais Uruguai. Forlán e Suárez são os dois jogadores mais técnicos do confronto, os dois mais capazes de desequilibrar.

Meu Palpite: Uruguai vence por 1 X 0.

Imagens Originais: DHnet e Tizona
Colagem: Picnik

Análises e Palpites das Quartas de Final – I

Brasil e Holanda é um dos confrontos mais bonitos do futebol. Duas escolas de natureza ofensivista, que prezam pelo jogo bonito. Isto é o que diz a história, porque os atuais times de Brasil e Holanda nada têm a ver com esta cultura do ataque, do jogo vistoso, plástico. As duas seleções se importam com uma única coisa, o resultado.

Dunga e Bert Van Marwijk dirigem times espelhados. No esquema da moda, 4-2-3-1. Uma linha de quatro atrás, dois volantes de pegada, uma linha com 3 teóricos armadores e na frente, solitário, um único atacante. E é assim que entrarão em campo nesta sexta feira, 2 de julho.

Os dois times já se enfrentaram 3 vezes em Copas do Mundo. Em 74 baile holandês, 2 X 0 e muita porrada por parte da seleção canarinho. Em 94 vitória brasileira, 3 X 2 naquele jogo do gol de falta do Branco, uma das partidas mais emocionantes que já vi em mundiais. Em 98 empate em 1 X 1 no tempo normal, 0 X 0 na prorrogação e triunfo verde e amarelo nos pênaltis, 4 X 2.

Na África do Sul nenhuma das duas equipes encantou, mas ambas vêm em uma trajetória segura até as quartas de final. A Holanda venceu seus 4 jogos, 2 X 0 na Dinamarca, 1 X 0 no Japão, 2 X 1 em Camarões e na Eslováquia. Já o Brasil empatou em 0 X 0 com Portugal e bateu a Coréia do Norte por 2 X 1, a Costa do Marfim por 3 X 1 e o Chile por 3 X 0.

No Brasil, Elano está fora do jogo das quartas e possivelmente do restante da Copa. Ramires suspenso e Felipe Melo ainda é dúvida. Na Holanda o maior problema é o relacionamento. Ao ser substituído no jogo contra a Eslováquia, Van Persie se desentendeu com o treinador Bert Van Marwijk e foi taxativo, quem tinha que sair era o Sneijder.

Esta é, de longe, a partida mais difícil para o time de Dunga até aqui. Embora individualmente a defesa holandesa não seja nenhuma maravilha, o esquema protege bem esta fragilidade e não sei se a burocrática seleção brasileira encontrará espaços para jogar. Do outro lado, se Robben bater diretamente com Michel Bastos será um carnaval laranja. O meia do Lyon, que na seleção é lateral, não tem a menor condição de segurar Robben. Dunga terá que destacar um dos volantes para o trabalho de ajuda na marcação do atacante do Bayern de Munique. E aí pode sobrar espaço para Wesley Sneijder. Aquela velha história do se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

Meu Palpite: Holanda vence por 2 X 0.

Imagens Originais: NowPublic e Café com Ciência
Colagem: Picnik

Um jogo pra reescrever a história

Assisti a Copa do Mundo de 2006 na Argentina. E uma das cenas do Mundial da Alemanha que mais me marcou foi Lionel Messi no banco de reservas na partida que decretou a desclassificação dos hermanos.

Aos 19 anos, Messi era apenas um suplente do time argentino, mas toda a bacia do Prata esperava pela entrada do menino prodígio.

No entanto, o técnico José Pekerman não colocou Messi em campo e o resultado a gente já sabe, Alemanha nas semifinais e Argentina de volta pra casa.

O treinador argentino teve que substituir o goleiro Pato Abondanzieri por Leo Franco em decorrência de uma contusão. Nas mudanças que pôde optar escolheu Cambiasso e Julio Cruz para os lugares de Riquelme e Crespo.

Quando Julio Cruz entrou, último câmbio de Pekerman, Messi fechou a cara no banco de reservas. E assim ficou durante o resto do tempo regulamentar e toda a prorrogação.

O garoto de ouro estava emburrado e tinha toda razão. Na época me lembrei da final de 94 quando Parreira colocou Viola no lugar de Zinho no segundo tempo da prorrogação. E eu, claro, queria ver o menino que ainda nem era chamado de Fenômeno. Mas Parreira optou por Viola, vai entender.

Agora, a Argentina reencontra a Alemanha nas quartas de final da Copa. E 4 anos depois, Messi tem sua chance de fazer a diferença contra os germânicos.

Imagem: Pateando Tachos

Perdeu a chance…

Ramires substituiu Felipe Melo na partida contra o Chile, válida pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

E o volante do Benfica entrou bem demais na partida! Desarmou, protegeu a zaga, cobriu a lateral esquerda com perfeição, foi pro jogo, agregou muita qualidade à saída de bola brasileira e ainda, de quebra, em uma jogada maravilhosa e de muita personalidade deu a assistência para o gol de Robinho, tento que sacramentou a vitória por 3 X 0.

Ramires fez um jogo pra virar titular da Seleção. E acredito que viraria, caso não tivesse cometido o deslize de fazer uma falta dura e boba em cima de Alexis Sanches no meio de campo.

A infração rendeu a Ramires um cartão, o segundo amarelo que tira o volante do confronto contra o Holanda pelas quartas de final.

Uma pena, acho que Ramires perdeu a chance de virar titular no time do Dunga.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Saiba mais sobre Perdeu a chance…, postado via vodpod

E agora é preocupação para os torcedores da Seleção Canarinho que pode ter Felipe Melo novamente entre os 11 titulares, isto caso ele se recupere da lesão sofrida no jogo contra Portugal.

Vídeo: Globo

40 anos depois…

Depois de 40 anos o Uruguai volta às quartas de final da Copa do Mundo.

Nas oitavas, a Celeste Olímpica bateu a Coréia do Sul por 2 X 1, e não foi nada fácil.

No início do jogo Park Chu Young mostrou o cartão de visitas dos asiáticos em uma bela cobrança de falta que carimbou a trave de Muslera.

Pouco depois, aos 8 minutos Luis Suárez abriu o marcador depois de grande jogada de Forlán e falha incrível do goleiro Sung Ryong.

A Coréia sentiu o gol e o Uruguai tomou conta do jogo até os 35 do primeiro tempo, mas a partir daí os coreanos começaram a complicar com as boas subidas de Park Ji Sung e Park Chu Young.

Na segunda etapa a Celeste Olímpica voltou muito recuada e a Coréia ditou o ritmo da partida. Aos 23 minutos, depois de uma lambança coletiva – Victorino, Lugano e Muslera – a seleção asiática chegou ao empate com Chung Young.

O gol serviu para acordar os sulamericanos que voltaram ao jogo. Luis Suárez teve duas chances que não soube aproveitar. Mas na terceira…

Na terceira Suárez fez um golaço! Depois de um escanteio mal afastado pela defesa coreana, a bola sobrou para o atacante do Ajax na ponta esquerda da área. Ele puxou para o centro e soltou um lindo chute, cheio de efeito. A bola ainda beijou a trave antes de morrer nas redes.

A Coréia ainda levou perigo ao gol uruguaio, sempre com Park Ji Sung e Park Chu Young. Mas a vitória foi Celeste e depois de 40 anos o Uruguai volta às quartas de final da Copa do Mundo.

Bom para o futebol!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Imagem: Fifa
Vídeo: Globo

Zebra nas cabeças!

Com os 4 confrontos de oitavas já definidos, temos pelo menos uma surpresa garantida nas semifinais da Copa do Mundo.

O vencedor de Uruguai X Coréia do Sul enfrenta nas quartas o vencedor de Estados Unidos X Gana. Uma destas 4 seleções estará nas semifinais, o que representa uma grande zebra.

Há quem dirá que o Uruguai não é surpresa, afinal nossos vizinhos são bi campeões do mundo. Mas vale lembrar que a Celeste Olímpica não levanta a Taça há 60 anos, não chega a uma semifinal desde 1970 e às oitavas desde 1990. E pela pífia campanha uruguaia nas eliminatórias – onde sofreu até pra passar pela Costa Rica na repescagem – a classificação para uma possível semifinal surpreende e muito.

Destas quatro seleções, a que mais me agradou até aqui foi o Estados Unidos. Um time bem armado, que quase não erra passe e acredita até o fim. A Coréia do Sul não acrescenta muito, é uma equipe disciplinada, mas nada muito além disto.

Gana tem inegáveis qualidades defensivas, uma seleção que concede pouquíssimas chances de gol aos adversários. Em compensação, do meio pra frente só tem perna de pau. E o craque do time, o jovem Dominic Adiyiah, quase não tem chances. Só entrou no jogo contra Alemanha, mas a partida já estava nos acréscimos da etapa suplementar. E do Uruguai já falei, o time vem fazendo uma boa Copa, mas se apertar entrega.

boa notícia pra quem torce pro time do Dunga, se o Brasil confirmar a classificação em primeiro lugar no Grupo G e avançar até as semis, o adversário da seleção canarinho sai deste chaveamento acima. Ou seja, dá pra cravar que se o Brasil chegar à semifinal fatalmente será um dos finalistas na África do Sul.

Imagem: Ora Pois

Tardelli X Tortuguita

A última semana foi especial para Diego Tardelli.

Um gol na primeira final do Campeonato Mineiro contra o Ipatinga e vitória do Galo por 3 X 2.

Depois, 3 gols contra o Santos pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil e o mesmo placar, Galo 3 X 2.

E mais um gol na decisão do mineiro em nova vitória atleticana sobre o Ipatinga, 2 X 0 que garantiu o 40º título estadual para o Galo, maior campeão das alterosas, pelo menos quando o assunto é regional.

Quando via pedaços da decisão mineira com minha mãe, ela me chamou a atenção para uma semelhança.

Tardelli é a cara da Tortuguita, aquela do chocolate que leva o mesmo nome da Arcor.

Não tive dúvidas, tinha que virar Cara de Um, Fucinho do Outro.

Imagens Originais: Rede Record e Arcor
Efeitos: Picnik