Verdade absoluta!

No Barcelona, Ronaldinho Gaúcho jogou futebol de Pelé.

A frase acima foi dita pelo comentarista Marco Antônio Rodrigues, no Arena SporTV desta quinta, 26 de agosto.

Eu assino embaixo e ponto final.

Anúncios

Rap com futebol? Tô no canal errado…

Eu vivo espinafrando o pessoal da Globo e Sportv, é verdade.

Mas ontem me surpreenderam… e muito!

Confesso que na hora até pensei que era mais uma faceta da famosa Oi Problemas – Nem Tão Simples Assim, que o sinal de outro canal tava entrando onde deveria ser o Sportv.

Mas eram eles mesmos!

Melhores momentos de Brasil X Chile pelas Eliminatórias pra Copa do Mundo da África do Sul. Mas um pouco diferente da forma que estamos acostumados.

Então, pra não dizer que só falo mal, meus parabéns ao Sportv por apostar na novidade! E claro, parabéns ao criador da peça.

Rap na veia! Vale a pena conferir a criação de Felipe Ribbe!

Ao vídeo!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Vídeo: Globo Vídeos

Noite de bruxas e um silêncio azul

la_brujita_veron

O Estudiantes conseguiu o que pouca gente acreditava, bateu o Cruzeiro no Mineirão e sagrou-se, pela quarta vez, campeão da Copa Libertadores.

Sob a batuta de Juan Sebastian Verónla Brujita – o time pincharrata jogou como um legítimo campeão.

Time por time, até acho o Cruzeiro ligeiramente superior. Mas também não tenho dúvidas que nas duas partidas finais o Estudiantes foi melhor. Em La Plata sufocou o Cruzeiro que se salvou graças à atuação perfeita do goleiro Fábio e só ameaçou nos últimos 10 minutos de jogo. Já na decisão do Mineirão, o Estudiantes encontrou muito espaço nos contra ataques e o time celeste não conseguiu sufocar os argentinos como eles fizeram em La Plata.

Então, levando-se em conta os dois jogos finais não tem como negar, o título ficou em ótimas mãos.

A china azul lotou o Gigante da Pampulha, mas com o passar do tempo e o aumento da tensão foi se calando e o time sentiu a falta do tão falado 12º jogador.

silencio_azul

Dentro de campo o jogo foi como queria o Estudiantes. Trancado, truncado, parado.

O Cruzeiro não conseguia ultrapassar as duas linhas de 4 armadas pelo treinador Alejandro Sabella e não ameaçava o goleiro Andújar. Já nos contra ataques, Gastón Fernández e Mauro Boselli levavam perigo ao gol de Fábio, embora faltasse um pouco de capricho nas finalizações.

veron_beija_a_taçaO gol de Henrique, aos 7 do segundo tempo, poderia ter mudado o jogo. Mas foi aí que o Estudiantes se apresentou como um verdadeiro campeão. E foi aí que apareceu a bruxa, o maestro argentino, Verón.

O time argentino não sentiu o golpe. 4 minutos depois do gol cruzeirense la brujita – que foi o jogador que mais roubou bolas na partida, 7 ao todo – recebeu um passe na esquerda, levou para o meio sem ser incomodado e encontrou Cellay livre livre na ponta direita. O cabeludo cruzou fechado e dentro da pequena área Gastón Fernández só empurrou para as redes.

Após o empate o Estudiantes tomou conta da partida e parecia jogar em La Plata. A torcida cruzeirense emudeceu por completo e dentro de campo o time se perdeu.

Aos 27 minutos Boselli marcou o gol da virada. O gol que lhe garantiu a artilharia da competição (8 gols) e assegurou a 4ª Copa Libertadores da história do Estudiantes.

Na base do abafa o Cruzeiro ainda tentou empatar, até meteu uma bola na trave, mas nada de gol.

Não acredito que houve oba oba por parte do time cruzeirense. O Adílson me parece sério e centrado demais pra deixar que o grupo se contaminasse pelo clima de já ganhou. Pra mim o Estudiantes venceu na bola mesmo, nem essa de catimba argentina cola.

Oba oba houve, e disto não há dúvida, nos órgãos de imprensa que levam a sério a história do É o Brasil na Libertadores. Mas o bairrismo profissional de Globo, Sportv e afins também já não surpreende ninguém.

Com soberba e salto alto ou não, deu Estudiantes na final da Libertadores.

Noite de bruxas e um silêncio azul no Mineirão…

O famoso gol de Juan Ramón Verón contra o Manchester United no Mundial de 68. O gol da Bruja, pai da Brujita, valeu o título intercontinetal aos Pinchas.

O famoso gol de Juan Ramón Verón contra o Manchester United no Mundial de 68. O gol da Bruja, pai da Brujita, valeu o título intercontinetal aos Pinchas.

Imagem Original: Notas de FútbolSuperesportes e Sport Vintage
Efeito: Picnik

Dunga, troca de canal!

football globe futebol_globalUm dia antes da estréia brasileira na Copa das Confederações vi uma entrevista do Dunga falando sobre sua futura adversária, a Seleção do Egito.

Na hora comentei com a Brancaele nunca viu o Egito jogar.

Dunga disse que a seleção faraó se destacava por uma marcação muito forte no meio de campo, além de suas rápidas escapadas laterais em jogadas de contra ataques. Clichês e desinformação, é tudo o que continha a análise do técnico anão.

O time do Egito – sob o comando do treinador Hassan Shehata que, aliás, é a cara do Omar Sharif mais jovem – se notabiliza pelo bom toque de bola no meio de campo e pelo futebol ofensivo, principalmente quando está em campo seu trio de ouro formado por Amr Zaki (uma das sensações da temporada inglesa), Abu Trika e Mohamed Zidan. Um time que gosta de jogar e deixar jogar. O oposto do que disse Dunga.

É impressionante como todo técnico fala a mesma coisa quando analisa um adversário que não conhece:

É um time que marca muito forte e sai muito rápido nos contra ataques. Tem atacantes muito velozes, fortes.

Geninho, treinador pra lá de preguiçoso, é mestre neste tipo de análise.

E sobre o contra ataque, vamos falar sério Dunga, em via de regra os contra ataques acontecem pelas beiradas do campo, algo bem lógico que aprendemos nos primeiros dias de escolinha.

É uma pena que a comissão técnica brasileira seja tão desinformada quanto ao futebol mundial. Levando-se em conta que a seleção brasileira se reúne umas 8 vezes por ano, gostaria de saber o que eles fazem com tanto tempo livre. Já que, ao que parece,acompanhar futebol por aí não é a deles.

O Egito não é nenhuma potência da bola, é verdade. Mas é bi campeão africano, vencendo em uma das finais o time de Camarões comandado pelo astro internacional Samuel Eto’o. Tá cheio de jogadores do Al-Ahly que tá sempre no Mundial Interclubes, além de contar com algumas figurinhas conhecidas do futebol europeu.

Po exemplo, não conhecer Mohamed Zidan – pra quem vive no e do futebol – é uma vergonha. O cara já jogou 3 temporadas pelo Werder Bremen e é camisa 10 do Borussia Dortmund, um dos principais times da Alemanha.

Se você não sabe Dunga, a Bundesliga é transmitida pela ESPN, assim como a Copa Africana de Nações, realizada de dois em dois anos .

Talvez esteja na hora de trocar de canal meu amigo, deixar de ver os bitolados do Sportv e prestar atenção, mesmo que só um pouquinho, no futebol que se joga hoje em dia pelo mundo.

zangado_7_anoes grumpy_7_dwarfs

∞ Zangado ainda vive com a Branca de Neve.

Amante do futebol, escreve para o Ópio do Povo sobre a seleção brasileira.

Imagens: Dreamstime e Grumy Git

Falou e Disse – Zeca Baleiro

Tudo vale a pena quando a grana não é pequena!

Zeca Baleiro no Arena Sportv, sobre a volta de Ronaldo Fenômeno ao futebol brasileiro.

Sem técnica???

Esta semana vi e ouvi Marcelo Barreto e Felipe Auí do Sportv classificarem Fernando Torres do Liverpool como um mero trombador.

De acordo com tais jornalistas, o centroavante espanhol não passa de um camisa 9 comum, um simples finalizador, um empurrador de bola sem técnica, sem brilho.

Parece brincadeira falar isso do Torres, um dos centroavantes mais técnicos do futebol mundial.

Mas vindo do Barreto, que insiste em dizer que o português Cristiano Ronaldo é presepeiro, a avaliação do autor do gol do título da Euro 2008 é mais que esperada.

O vídeo que segue é pros brasileirinhos de plantão que ufânica e ridiculamente teimam em só ver talento em chuteiras tupiniquins.

Uma pequena mostra da refinada técnica do Niño Torres.

Ps: O gol foi do Gerrard, mas a azeitona da empada é o passe do Torres. Show de plástica e habilidade, vale a pena conferir.

Falou e Disse

Existem aqueles que dizem que o futebol é o Ópio do Povo porque ele incentiva a passividade, você apenas vê, não interage.
Essa é uma grande bobagem. Se fosse assim teríamos que proibir o teatro, o cinema, qualquer tipo de espetáculo.
O futebol é um espetáculo, o espetáculo mais lindo deste planeta. Eu não seria capaz de viver sem ele.

Eduardo Galeano, escritor uruguaio falando sobre seu amor à bola no encontro com o idolo atleticano Reinaldo Lima, no programa (ainda inédito) Encontros para a História, do Sportv.