Um beija flor entre os leões indomáveis

O Giuseppe Meazza nunca mais foi o mesmo depois daquele oito de junho. Quantos derbys dellaa madonnina já passaram, quantos craques já pisaram seu gramado, quantas vezes as redes já balançaram ali, mas nunca mais como naquela mágica tarde de oito de junho.

De um lado os argentinos com toda sua tradição, classe e soberba. Envoltos no manto alviceleste, os hermanos desfilavam pálidos, lúridos, atônitos com tamanho fulgor vindo dos adversários; aqueles verdadeiros leões vestidos de verde, amarelo e vermelho que, com seu negrume, pareciam carregar todas as cores do mundo.

El pibe deoro não conseguia brilhar, era ofuscado pelas presas africanas que logo se converteriam em predadoras, destruindo em segundos a glória de dois mundiais, a história de mais de um século de futebol em terras platinas.

Aos vinte e dois minutos do segundo tempo uma falta que Makanaky desviou meio sem jeito no primeiro pau. A bola subiu, roçou as nuvens de Milão e, provavelmente, foi tocada por um dos Deuses dos estádios, quem sabe Schiavio, quem sabe Santagostino ou até mesmo Meazza.

Quando a esfera atingiu o topo de sua parábola, faltando muito pra voltar ao campo de jogo, François Omam-Biyik saltou e os argentinos o olharam com estranheza. O camisa sete esguio e desengonçado não se deteve com o assombro dos adversários e simplesmente pairou. Durante minutos ficou ali, parado sobre a cabeça de Néstor Sensini, como um beija flor. Sem se importar com o tempo nem com a distância, só esperando pacientemente a bola voltar.

E quando ela voltou bastou um leve toque de cabeça para vencer o goleiro argentino e encher de alegria as redes do San Siro. As cores da África invadiam a Itália, pintavam o mundo.

Naquela tarde de oito de junho, o verde, o amarelo e o vermelho representaram muito mais que a união do continente negro, simbolizaram o conúbio de todo universo da bola com aqueles guerreiros de ébano, com aqueles leões indomáveis.

E entre os leões, havia um beija flor.

Imagem: Kenyan List
Vídeo: Obsessional TV
Anúncios

Zebra nas cabeças!

Com os 4 confrontos de oitavas já definidos, temos pelo menos uma surpresa garantida nas semifinais da Copa do Mundo.

O vencedor de Uruguai X Coréia do Sul enfrenta nas quartas o vencedor de Estados Unidos X Gana. Uma destas 4 seleções estará nas semifinais, o que representa uma grande zebra.

Há quem dirá que o Uruguai não é surpresa, afinal nossos vizinhos são bi campeões do mundo. Mas vale lembrar que a Celeste Olímpica não levanta a Taça há 60 anos, não chega a uma semifinal desde 1970 e às oitavas desde 1990. E pela pífia campanha uruguaia nas eliminatórias – onde sofreu até pra passar pela Costa Rica na repescagem – a classificação para uma possível semifinal surpreende e muito.

Destas quatro seleções, a que mais me agradou até aqui foi o Estados Unidos. Um time bem armado, que quase não erra passe e acredita até o fim. A Coréia do Sul não acrescenta muito, é uma equipe disciplinada, mas nada muito além disto.

Gana tem inegáveis qualidades defensivas, uma seleção que concede pouquíssimas chances de gol aos adversários. Em compensação, do meio pra frente só tem perna de pau. E o craque do time, o jovem Dominic Adiyiah, quase não tem chances. Só entrou no jogo contra Alemanha, mas a partida já estava nos acréscimos da etapa suplementar. E do Uruguai já falei, o time vem fazendo uma boa Copa, mas se apertar entrega.

boa notícia pra quem torce pro time do Dunga, se o Brasil confirmar a classificação em primeiro lugar no Grupo G e avançar até as semis, o adversário da seleção canarinho sai deste chaveamento acima. Ou seja, dá pra cravar que se o Brasil chegar à semifinal fatalmente será um dos finalistas na África do Sul.

Imagem: Ora Pois